Sensacionalismo

share on:

04/12/2017 – FIQUE POR DENTRO

Sensacionalismo é o nome que se dá para certa postura na comunicação em massa, em que os eventos e assuntos das histórias são exibidos de maneiras muito exageradas, para aumentar a audiência dos telespectadores ou dos leitores.

Pode incluir notícias sobre assuntos insignificantes e eventos que não influenciam a sociedade em geral, além de envolver apresentações tendenciosas de temas populares. Algumas táticas conhecidas incluem abordagens insensíveis, apelações emotivas, criação de polêmicas, notícias com fatos intencionalmente omitidos. Basicamente, quaisquer formas de se obter forte atenção popular.


Entrevista com o perito criminal, Rodrigo Grazinolli. Ele fala sobre a profissão de perito. Confira:

 


Índice do MEC indica Unicamp como melhor entre as universidades do país

A Unicamp foi considerada a melhor universidade do país no índice Geral de Cursos. A informação foi divulgada pelo Ministério da Educação na segunda-feira passada.

Segundo o índice, a Unicamp alcançou 4,3 pontos e aparece como a única estadual entre as 10 mais bem colocadas no ranking.

O levantamento inclui dados de 2016 e, com isso, a Unicamp mantém posição conquistada em março, quando houve a divulgação da pesquisa anterior realizada em 2015.

Outros fatores considerados no cálculo são as condições de ensino, corpo docente, instalações físicas, projeto pedagógico dos cursos e o resultado dos estudantes no Exame Nacional de Desempenho dos Estudos, o Enade.


Arrependimento

Surgiu João… pregando … arrependimento para o perdão dos pecados (Mc 1.4).

Há alguns anos visitei uma cadeia. Perguntei a um dos presos se estava arrependido. Ele respondeu: “Claro – veja onde vim parar!” Concluí comigo: se não o tivessem apanhado, não se “arrependeria”. As aspas são porque isso é cinismo, não arrependimento.

Nem sempre, porém, há cinismo – a pessoa sente-se mesmo mal pelo que fez: é o remorso. Ou então se entristece por voltar a cair – lutou, tentou, mas caiu de novo. Ainda assim pode ser decepção, vergonha, mas não o arrependimento de que fala a Bíblia.

Arrepender-se do ponto de vista bíblico envolve três passos:

1) Diagnóstico: como toda doença, o pecado precisa ser identificado para ser tratado – não adianta dar-lhe um nome mais agradável. Pecado nada mais é do que fazer valer a minha vontade em vez da de Deus (claramente expressa nas Escrituras).

2) Confissão: não basta diagnosticar; nem de tentar explicar, culpar outros. É entender que se trata de uma ofensa inaceitável e reconhecer-se como devedor.

3) Mudança: arrependimento sem mudança não é genuíno. É como descobrir que se está na direção errada – é preciso abandonar o trajeto e voltar-se para a direção correta (o que em trânsito é chamado, não por acaso, de conversão).

Este ensino pode parecer legalista, mas não é! Trata-se apenas do ensino bíblico sobre a conversão: reconhecer a própria condição de pecador, confessar a Deus a incapacidade de reparar as ofensas e curar-se dessa doença fatal, rendendo-se a Jesus Cristo para ser transformado e viver uma nova vida.

Não se quer dizer que o arrependido não voltará a cair, mas isto, quando e se ocorrer, só servirá para um retorno sincero a Deus, submetendo-se humildemente à ação do seu Espírito, para uma transformação gradual para um dia tornar-se semelhante a Jesus. As quedas serão oportunidades de aprender um pouco mais a depender do Senhor. Mais do que reconhecer um erro, arrepender-se é mudar de rumo.

Fonte: Presente Diário