Tontura

share on:

02/07/2018

Quando aquela sensação de que o ambiente ao redor parece girar mesmo que nada tenha se movido de verdade, o senso de equilíbrio corporal fica alterado e enjoos começam a surgir, é sinal de tontura. Apesar de comum, sendo uma das queixas mais frequentes nos ambulatórios, a tontura é a soma de sensações como vertigem, atordoamento, cabeça leve e instabilidade e não pode ser ignorada.

Nosso equilíbrio não é controlado apenas pelo labirinto. Ele depende também das informações que chegam da visão e da propriocepção (orientação sobre a posição e localização do corpo no espaço). Qualquer alteração ou conflito de informações entre esses três sistemas pode causar uma alteração no equilíbrio, ou seja, tontura.

Além de afetar a capacidade do indivíduo de trabalhar, estudar, socializar e dormir, ela serve como um alerta de que algo não está certo no organismo e precisa ser investigado. As causas podem variar: labirintite, pressão alta, desidratação, inflamação no ouvido, problemas de coluna cervical, alterações hormonais (TPM, gestação, menopausa, andropausa), abuso de cafeína, tabaco, álcool e outros; deficiência de vitaminas e minerais.
As doenças do labirinto são mais comuns em adultos, mas podem ocorrer nas crianças. Nesses casos, os pequenos se isolam, evitam brincadeiras que exigem equilíbrio (bicicleta, pular corda e amarelinha, por exemplo), têm medo do escuro ou de altura, dor de barriga frequente, falta de atenção e dificuldade escolar.

Para descobrir qual a origem da tontura é preciso observar outros comportamentos. A investigação das causas é fundamental. O profissional especializado pode pedir testes para checar a audição e o equilíbrio. Também podem ser necessários exames complementares, como de sangue, tomografia ou ressonância magnética.

O tratamento das causas é variável. O sintomático consiste em aliviar a tontura com medicamentos. Na reabilitação vestibular são usados exercícios para restabelecer o equilíbrio.

Fontes: institutoganzsanchez.com.br e saude.ig.com.br

 

Entrevista com a médica Jeanne Oiticica, especialista em Otorrinolaringologia e Chefe do Grupo de Pesquisa em Zumbido do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Confira:

 

Menino de 8 anos é aprovado em universidade na Bélgica

Um menino belga se formou no ensino médio e foi aprovado em universidades aos 8 anos – idade que deveria estar cursando a segunda série do ensino fundamental. O garoto conseguiu a façanha depois de completar 6 anos de estudo em apenas um ano e seis meses, concluídos graças a aulas particulares.

Laurent Simons, cujo pai é belga e sua mãe holandesa, tem um QI de 145 e pegou seu diploma em meio a uma turma de estudantes de 18 anos. Na Bélgica, segundo a imprensa local, 2,5% da população é considerada de alto potencial com um QI de 130 ou mais. Em entrevista à rádio belga RTBF, o menino revelou que sua matéria favorita é matemática “porque é muito vasta, com estatística, geometria, álgebra”.

Laurent já foi sondado por diversas universidades. O garoto, porém, ainda não escolheu uma instituição. Ele vai aproveitar os dois meses de férias escolares para definir seu futuro e descansar. O menino disse que considerou se tornar um cirurgião e um astronauta, mas agora estava pensando em mergulhar no universo dos computadores. Segundo o pai, se Laurent decidisse que amanhã seria um carpinteiro, isso não seria um problema, contanto que ele estivesse feliz.

 

Equilíbrio

Pois Deus não nos deu espírito de covardia, mas de poder, de amor e de equilíbrio. Portanto, não se envergonhe de testemunhar do Senhor (Segunda carta a Timóteo 1.7 e 8).

Você já notou como é difícil manter o equilíbrio? Muitas vezes nós perdemos o equilíbrio só de caminhar. Quando as pessoas vão ao circo, a atração que chama a atenção é o do equilibrista. Seja por estar andando em uma corda fina, seja por equilibrar pratos e garrafas nas varinhas que giram sem parar. Ao observar ficamos sem respirar.

No livro de Provérbios no capítulo 18 o primeiro e o último versículos estabelecem para nós, cristãos, o difícil equilíbrio na questão do relacionamento com os irmãos. O primeiro versículo diz: “Quem não gosta de estar na companhia dos outros só está interessado em si mesmo e rejeita todos os bons conselhos”. Já o último versículo deste capítulo equilibra a balança ao dizer: “O homem que tem muitos amigos sai perdendo; mas há um amigo mais chegado do que um irmão”.

Quando vai à igreja, mas não tem se abre para o convívio, para a comunhão com os irmãos, o texto de provérbios deixa claro que você só está interessado em si mesmo, ou seja, caiu no extremo do egoísmo. Se por um lado participa de todas as atividades na igreja, mas não tem muito tempo para ninguém, cuidado. Esta correria pode estar escondendo uma dificuldade em estabelecer relacionamentos profundos e verdadeiros.

Por isso a recomendação: mantenha o equilíbrio. “…há um amigo mais chegado do que um irmão”, indica Provérbios. O texto diz que mais chegado do que um irmão é alguém que conhece nossos segredos, nossas necessidade e até mesmo nossas culpas, mas não se afasta nem se envergonha de nós. Mais chegado que um irmão, é alguém a quem você pode mostrar o seu joio e o seu trigo sem medo ou vergonha. Só por meio de um relacionamento íntimo com Jesus Cristo, que é o seu verdadeiro amigo mais chegado que um irmão que você terá condições de aprender a estabelecer o equilíbrio necessário para se relacionar com os outros sem os extremos do egoísmo ou da superficialidade.