Sedentarismo

share on:

22/02/2017

Sedentarismo

Pouco tempo, preguiça, vergonha de encarar a academia ou falta de dinheiro são motivos comuns para correr dos exercícios. Para a Organização Mundial de Saúde, o sedentarismo é considerado uma doença e seus males podem ser comparados aos do tabagismo.

Algumas formas de quebrar o sedentarismo é o subir e descer escadas. 10 mil passos equivalem a 30 minutos de caminhada e a subida de 12 andares por dia. Não precisa subir tudo de uma vez, pode ser espaçado ao longo do dia.

Essas atividades não-programadas na rotina diária contribuem para o abandono do sedentarismo. Subir escadas é sempre melhor que descer. Subir aumenta a frequência cardíaca, enquanto a descida pode impactar mais as articulações e, em termo de gasto calórico, representa apenas 30% do esforço obtido na subida.

Em geral, a queima calórica é 2 a 3 vezes maior que a de caminhar. A mera troca do elevador por um lance de escada já significa quebra de sedentarismo.

 

Com o doutor em saúde pública e professor de educação física, César Marra. Ele fala sobre sedentarismo

 

 

Obesidade avança e atinge um a cada 6 clientes dos planos de saúde

Dados inéditos de um estudo feito pelo Ministério da Saúde e Agência Nacional de Saúde Suplementar mostram que a proporção de obesos entre usuários de planos de saúde subiu 36% em 7 anos. Foi de 12,5 por cento, em 2008, para 17%, em 2015. Se considerados todos os usuários que estão acima do peso ideal, esse índice já chega a 52,3 por cento, um aumento de 12,5 por cento no mesmo período.

Os números fazem parte da nova edição do Vigitel da Saúde Suplementar, estudo criado para analisar a presença de fatores de risco de doenças crônicas, como excesso de peso, hábitos alimentares, consumo de cigarro e nível de adesão a atividades físicas.

O excesso de peso é uma tendência crescente também nos últimos anos entre a população geral. O índice é de 53,9 por cento, segundo dados gerais de estudo ampliado do Vigitel divulgado em 2016 pelo ministério.

 

Nepotismo

Nepotismo é um termo utilizado para designar o favorecimento de parentes ou amigos próximos em detrimento de pessoas mais qualificadas, geralmente no que diz respeito à nomeação ou elevação de cargos públicos e políticos.

Etimologicamente, este termo se originou a partir do latim nepos, que significa literalmente neto ou descendente.

Atualmente, este termo é utilizado como sinônimo da concessão de privilégios ou cargos a parentes no funcionalismo público.

 

Ser igreja

Ser comunidade divino humana. Onde estiverem 2 ou 3 reunidos em meu nome ali estarei, disse Jesus. Ao redor da mesa para partilharmos o pão, vinho, o coração, as bênçãos e as lutas, por amor e temor a Deus. Para relembrarmos sempre sua morte na cruz, sua ressurreição e sua volta. Jesus morreu por pessoas e não por tijolos.

Não confunda igreja com templo construído por mãos humanas. Igreja é ajuntamento de pessoas em nome de Jesus, para relacionamentos profundos e verdadeiros. Construa nela amizades sinceras. É comunidade que deve expressar a graça de Deus com pecadores remidos e redimidos.

Celebrar o perdão e reconciliação é ambiente da igreja, pois nem sempre pessoas correspondem e fazem o melhor e o certo. A igreja fere, mas ela também cura quando vive o amor de Cristo. Igreja é ajuntamento de pessoas para que nutridas na fé e compromisso mútuo, sejam equipadas para toda boa obra, servindo ao Pai e ao próximo.

Comunidade de Jesus é para ser expressa em diversas formatações e não somente numa forma. As casas e lares continuam sendo um excelente caminho para sermos igreja.

Em realidades de perseguição, muitas vezes escondida a igreja se reuniu e se reúne. Muitos mártires na história da igreja mostram o preço de ser igreja. Igreja vive para cumprir sua missão deixada por Jesus. Evangelizar, prática de boas obras, fazer discípulos Dele em todas as nações. Apesar dos ventos contrários, persevere em ser igreja do reino. Descubra os caminhos viáveis em sua realidade para ser igreja.

Por Nelson Bomilcar