share on:

Todos os dias enfrentamos vários tipos de tentação. Somos bombardeadas com as mais diversas vontades de fazer o que não devemos. Às vezes o esforço que fazemos para não comer um docinho a mais é quase tão grande quanto o que fazemos para não estrangular a pessoa que está nos irritando. Felizmente vencemos a maioria das batalhas, mas não é fácil.

Apesar de ninguém escapar da tentação, cada um é tentado por algo diferente. O que é tentação para uma pessoa pode não ter o menor efeito sobre outra. Esse processo é muito bem definido em Tiago 1.13-15: “Quando alguém for tentado, jamais deverá dizer: “Estou sendo tentado por Deus”. Pois Deus não pode ser tentado pelo mal, e a ninguém tenta. Cada um, porém, é tentado pela própria cobiça, sendo por esta arrastado e seduzido. Então a cobiça, tendo engravidado, dá à luz o pecado; e o pecado, após ter-se consumado, gera a morte.”

A batalha contra a tentação começa com nossos próprios desejos e é travada em nossa mente e coração.  Muito antes de uma ação se concretizar, ela já nasceu em nossa mente. Na verdade, o pensamento nasce e vai crescendo aos poucos. A ideia de comer só mais um pedacinho daquele chocolate maravilhoso passa pela nossa cabeça e então é nutrida e cresce. Começamos a racionalizar que esse exagero não vai nos fazer bem, mas em seguida, pensamos que talvez não seja tão ruim assim… E voltamos a pensar que não devemos comer mais, até que finalmente cedemos ao desejo que começou pequeno e se agigantou em nossas mentes e comemos o docinho. Pra quem está de fora, a decisão pode parecer instantânea, mas quem caiu na tentação sabe a batalha enorme que travou em sua mente.

Quem deseja vencer a batalha contra a tentação precisa estar atento a alguns detalhes. Devemos admitir para nós mesmos que aquela situação mexe com a gente. Negar que estamos sendo tentadas não nos livra da tentação, apenas faz com que fiquemos mais vulneráveis a ela. Depois, precisamos guardar nossos pensamentos e não dar espaço para que aquele desejo cresça. E o mais importante de tudo devemos pedir ajuda ao Senhor, confessando que estamos nos sentindo tentadas e pedindo a Ele que nos livre daquela situação. Deus, por meio de seu Espírito Santo, nos dá o autocontrole e nos mostra os escapes. Que Ele nos dirija e guarde!

No amor do Senhor,

Susie Pek – Coordenadora do Mulheres de Esperança RTM Brasil & América Latina