Reforma Trabalhista

share on:

26/11/2018 – FIQUE POR DENTRO

Muito se tem falado sobre a Reforma Trabalhista, contudo, é importante que se analise a evolução das antigas leis trabalhistas, que apesar das polemicas, devem trazer influência para o mercado de trabalho. Contudo, é importante conhecer as novidades a fundo e quais seus principais impactos para empresas e trabalhadores.

O texto mantém a prevalência dos acordos coletivos em relação à lei em pontos específicos, propõe algumas garantias ao trabalhador terceirizado e o fim da obrigatoriedade da contribuição sindical, entre outras alterações. O documento cria ainda duas modalidades de contratação: a de trabalho intermitente, por jornada ou hora de serviço, e também o home office, além de outras propostas.

Fonte: El País


Entrevista com advogado e professor o Dr. Thiago de Carvalho. Confira:

 


Projeto de escola rural no Tocantins vence prêmio internacional de arquitetura

O projeto arquitetônico ‘Aldeia das Crianças’, uma escola rural localizada na fazenda Canuanã, no Tocantins, venceu o Prêmio Internacional Riba 2018, competição que ocorre a cada dois anos no Reino Unido.

O complexo projetado por Marcelo Rosenbaun e pelo grupo Aleph Zero foi anunciado vencedor na noite desta terça-feira. A escola rural brasileira concorrida com outras VINTE construções de DEZESSES países e desbancou projetos de Budapeste, Milão e Tóquio, que estavam entre os 4 finalistas.

Ao divulgar o vencedor, o Riba justificou a escolha pela escola brasileira por “exemplificar a excelência em design e a ambição arquitetônica e oferecer um impacto social significativo”.

No projeto, localizado na zona rural de Formoso do Araguaía, a 327 quilômetros de Palmas, foi feito um resgate cultural, com incentivo a técnicas de construção local, valorizando a beleza indígena e introduzindo noções de pertencimento, necessária para o desenvolvimento das crianças que são internas na escola.

A instituição é mantida pela fundação de um banco privado e atende cerca de 800 alunos, alguns moram no local. O objetivo era tornar o espaço um ambiente com valor de lar. Por isso, a escola foi organizada em duas vilas, uma masculina e outra feminina. Os dormitórios foram transformados em 45 unidades para seis alunos cada.

Fonte: G1


Assim caminha a igreja

Nosso olhar da igreja é quase sempre um olhar inocente, purista e, principalmente, idealista. Temos saudades de uma igreja que nunca existiu e nunca existirá. Temos sonhos de pertencermos a uma igreja tipo “jardim do paraíso” e, por isso, nos frustramos com a nossa congregação. Almejamos a igreja ideal, quando possuímos apenas a real.

Somos imperfeitos, falhos, pecadores, indolentes, fracassados em muitas áreas da vida. Todavia, quando pensamos na igreja, queremos uma igreja boa, santa, justa, perfeita, pura e correta em todas as ações. Queremos uma igreja que ora, evangeliza, faz missão, jejua, prega, visita e tantas outras coisas mais. Não somos nada disso, mas queremos isso.

Não existe nada mais fatal para uma igreja do que esse olhar, pois é um olhar que não leva em consideração a pecaminosidade e fragilidade do ser humano, pois, mesmo salva e resgatada pela graça de Deus, a pessoa continua dizendo como o apóstolo Paulo: “Miserável homem que eu sou! Quem me livrará do corpo desta morte?” (Rm 7.24). Ele vai mais além quando afirma: “Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço” (Rm 7.19).

Entre a igreja do “jardim do paraíso” e a igreja “terrena” há um grande abismo de separação. A igreja não é o que ela será na eternidade. Hoje ela é imperfeita, impura e cheia de defeitos. A igreja é isso e não há como negar essa realidade.

Todavia, num outro olhar, a igreja não será o que ela é hoje. Ela caminha para ser santa, pura, sem defeitos, sem manchas. Este é o olhar de Paulo em Efésios 5.25-27. Creio que é por isso que ele não desistia da missão. Ele via a igreja com dois olhares: o olhar da eternidade e olhar do aqui e agora. A igreja faz parte destes dois mundos.

Assim caminha a igreja, assim caminha você, assim caminhamos nós. Às vezes, andamos nos vales sombrios da dor, do pecado, da miséria. Às vezes andamos nas nuvens, nas vitórias, na glória.

O melhor olhar para ver a igreja é o olhar que parte dos olhos de alguém que, salvo pela graça de Deus, continua aberto aos processos de modelagem do Criador (Fp 1.6). Enquanto não chegar aquele dia final, não desista da igreja de Cristo.

Crédito: Antonio Carlos Barro