Recomeço

share on:

24/08/2018 – FIQUE POR DENTRO

Sim, sempre poderemos recomeçar. E recomeçar significa não desistir, mesmo diante de tantas provas que parecem nos tirar o chão, nos levar à falsa crença de que não haverá salvação, de que o melhor é desistir. Recomeçar é ir adiante, passar pelos espinhos e manter a cabeça erguida, mesmo que em muitos momentos as lágrimas estejam conosco. Recomeçar é guardar no coração as lembranças dos momentos felizes já vividos, mas ao invés de se prender à tristeza pelo que não tem retorno, buscar novos horizontes. É aliar fé e perseverança e perceber o quanto ainda podemos conquistar.

Recomeçar é sentir-se fragilizado diante de uma perda, mas não pensar jamais em abandonar a estrada que está a nossa frente, pelo contrário, é caminhar, lentamente, mas sempre caminhar. Recomeçar é ir adiante com confiança e não temendo as tempestades que se formarem. Recomeçar é acordar a cada manhã, abraçar o dia que está nascendo e ao invés de se prender às dificuldades, enxergar a nova oportunidade de renovação que bate em nossa janela.

Recomeçar é compreender que tudo tem o seu tempo. Que nenhum sofrimento cessa de uma hora para outra. A dor não termina como um passe de mágica. As dificuldades são superadas, uma a uma. Recomeçar é trilhar o caminho à frente, mesmo que ele seja cercado de espinhos.

Recomeçar é voltar a sonhar, mas principalmente buscar pelos sonhos. É encarar as provações como possíveis de serem superadas. E buscar também compreender a lição que cada prova sempre nos traz. Recomeçar é amadurecer, é refletir, escolher o caminho do bem. Recomeçar é acreditar que podemos voltar a andar e reencontrar a paz.

Fonte: Sonia Carvalho em somostodosum.com.br


Entrevista com Ireni Mota, presidente da Associação Restauração, e o pastor William Conceição. Confira:

 

Mais informações: www.associacaorestauracao.org
Telefone: (11) 2707 5585 e (11) 9 8752 2962


Festival Internacional de Curtas Metragens exibe 323 filmes

A edição 29 do Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo exibe filmes pautados por discussões bastante presentes no Brasil e no mundo. Até 2 de setembro, o público confere de graça produções sobre comunicação digital, representação política, imigração, feminismo e preconceito racial, por exemplo.

Dirigida por Zita Carvalhosa e organizada pela Associação Cultural Kinoforum, esta edição apresenta 323 curtas de 53 países em seis salas de cinema da capital, como o MIS, e a Cinemateca Brasileira, e 17 espaços participantes do Circuito Spcine. Os ingressos são distribuídos com uma hora de antecedência nas bilheterias.

Tradicionalmente, a programação é dividida em três partes: as mostras principais Internacional, Latino-Americana e Programas Brasileiros, que revelam um panorama do cinema atual; os Programas Especiais, com atrações já tradicionais do festival, como a Mostra Infantojuvenil e o retorno da sessão de terror, e as Atividades Paralelas, que incluem debates e workshops.

Confira os detalhes do Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo no site: 2018.kinoforum.org.

Fonte: Catraca Livre

A vida perfeita

O que as pessoas costumam fazer quando vivenciam situações-limite? O que fazem as pessoas diante da perda da pessoa amada, ou quando se termina um relacionamento de longos anos? E o que dizer de situações como desemprego, falta de perspectiva de melhoras da condição financeira, ou até mesmo o sentimento de vazio provocado pelo descontentamento com a vida?

Uma das comuns soluções inventadas pelos seres humanos foi a de buscar uma realidade alternativa. Pessoas que se sentem entediadas, frustradas ou que simplesmente desistiram da vida real, migram para uma vida paralela.

É aí que o álcool, as drogas, as “baladas”, os relacionamentos descartáveis, a banalização do sexo e tantos tipos de vícios tornam-se mais atrativos do que a realidade. Não é à toa que tantas pessoas desperdiçam suas vidas com esse tipo de coisa.

Os discípulos e discípulas de Jesus aprendem a lidar com a dura realidade da vida de maneira diferente. Jesus de Nazaré, o homem mais sábio que já viveu neste mundo, deixou para seus seguidores e seguidoras uma nova perspectiva da vida.

Ele não ensinou as pessoas a rejeitarem o sofrimento. Também não ensinou que através de jargões religiosos a vida se tornaria mais fácil. Não. Ele ensinou sobre como lidar com a realidade sem fugir dela, sem negá-la.

A vida é dura, sim. Enfrentaremos situações indesejáveis. Nem sempre as coisas vão sair conforme o planejado. Sofrimento é parte integrante da vida. No entanto, através do discipulado de Jesus, o sofrimento deixa de ser algo que nos impede de caminhar, ou que nos faz buscar uma realidade paralela. Jesus nos oferece as ferramentas necessárias para superarmos o sofrimento, as situações-limite, e usá-las em benefício próprio e das pessoas que nos cercam.

Discípulos e discípulas de Jesus não precisam migrar para realidades alternativas, pois descobriram a viver intensamente a realidade da vida. Jesus de Nazaré, com suas palavras e, sobretudo, com sua vida, nos provou que a realidade é, sim, cheia de cores e de beleza. A vida é plena, abundante e perfeita para quem a vive segundo os conselhos de Jesus. E você, como tem vivido?

Crédito: Israel Mazzacorati