Profissões extintas

share on:

02/02/2018 – FIQUE POR DENTRO

Se você reparar bem, vai perceber que à medida que o tempo passa e tudo fica mais moderno, muitas coisas se tornam artigos de museu. É por isso que uma criança de 10 anos vai achar estranho se dermos a ela um disquete, por exemplo.

Acontece que não são apenas objetos que se tornam obsoletos, mas profissões também. Se por um lado hoje existe a profissão de analista de redes sociais, muita gente já precisou da interseção de uma telefonista para fazer um telefonema simples.

Confira algumas profissões que já estão extintas:

Telefonista – Antigamente, para fazer uma ligação, era preciso falar com uma mulher primeiro. Elas eram as responsáveis, por exemplo, por conectar chamadas de longa distância e outras tarefas que hoje são feitas digitalmente.

Entregador de leite – O leite fresco diário era entregue de porta em porta por um profissional conhecido simplesmente como “garoto do leite”.

Vendedor de enciclopédia – Num mundo de Google e Wikipédia, a Enciclopédia Britânica, a mais antiga do mundo em inglês, encerrou as vendas de sua edição impressa, após 244 anos. Na América do Norte, a força de trabalho da empresa foi dispensada 20 anos antes, após seus décadas de vendas porta a porta nos Estados Unidos e no Canadá.

Lanterninha de cinema – O lanterninha é responsável por direcionar pessoas a seus lugares, depois que uma sessão de cinema começa. Com uma lanterna na mão, ele vai indicando o caminho aos atrasadinhos. Antigamente, todo cinema tinha esse profissional, e hoje em dia, ainda existem alguns sobreviventes desse antigo trabalho, mas eles são muito poucos.


Entrevista com a estenotipista, Regina de Fátima Medeiros Dantas. Ela fala sobre a profissão de estenotipista. Confira:

 


Desmatamento pode intensificar o aquecimento global

O processo de aquecimento global pode ocorrer de forma ainda mais intensa do que o previsto, caso não se consiga frear o desmatamento. O alerto foi publicado em uma revista mensal britânica.

As conclusões do estudo se baseiam em trabalhos de modelagem computacional e medidas coletadas em florestas sob a coordenação de pesquisadores do Reino Unido.

Após anos coletando informações sobre o funcionamento das florestas tropicais e temperadas, os gases emitidos pela vegetação e seus impactos na regulação do clima, o grupo foi capaz de reproduzir matematicamente as condições atmosféricas atuais.

Os estudos revelaram ainda que a diferença observada nas simulações se deve principalmente às emissões de compostos orgânicos voláteis biogênicos.


Roda-gigante itinerante chega ao Brasil

Moradores e turistas que visitarem o Marco das Três Fronteiras, em Foz do Iguaçu, contarão com uma nova atração turística: uma roda-gigante.

A atração tem 26 metros de altura e conta com 18 cabines fechadas com capacidade para transportar até 108 pessoas simultaneamente, sendo 6 por gôndola. Um grande diferencial do brinquedo, que pretende passar por todas as principais capitais brasileiras são as cabines especiais para cadeirantes.

O equipamento de fabricação italiana é de última geração. À noite, o colorido das luzes de LED, espalhados por toda a estrutura, faz da roda-gigante um grande espetáculo de cores, brilho e magia.

A Roda-gigante conta ainda com um sistema de segurança contra ventos acima de 60 quilômetros por hora. Caso identifique condições climáticas desfavoráveis, o brinquedo faz um travamento de segurança, baixando lentamente todas as cabines, para que as pessoas possam sair.

Se você se interessou pelo brinquedo ele está disponível todos os dias das 4 horas da tarde às 10 horas da noite. Adultos devem pagar 30 reais e crianças até 3 anos não pagam. Mais informações acesse: marcodastresfronteiras.com.br.


Padrão de Qualidade

Anos atrás uma montadora multinacional usava o seguinte lema em seus anúncios: “Qualidade é o trabalho número um”. Conciso e atrativo, este lema convencia os compradores a adquirir seus veículos, presumindo que o fabricante tinha forte compromisso com qualidade.

A questão é a seguinte: Que significa “qualidade”? Suspeito que se você fizer esta pergunta a dez pessoas, terá dez opiniões diferentes. Recentemente ao trabalhar no projeto de um livro juntamente com uma empresa manufatureira, conversei com o diretor sobre qualidade. Fiz-lhe essa pergunta e gostei da sua resposta: “Fazer o que é certo todas as vezes”. E continuou: “Isto significa sempre fazer o que se espera de você, fazendo tudo corretamente, com consistência e não ser desleixado. Em nosso ramo, não ser desleixado é muito importante”.

Qualidade, claro, pode significar muitas outras coisas. Você espera um trabalho muito mais primoroso em um Rolex que num Timex. Mas não importa a marca, você espera que tanto um como o outro marque a hora exata. Um Mercedes pode oferecer uma qualidade maior que um Sedan econômico, mas espera-se que ambos ofereçam transporte seguro.

Mas voltando à primeira definição ― “fazer o que é certo todas as vezes”― você se sentiria confiante em enfrentar uma cirurgia se o cirurgião tivesse a reputação de que seus pacientes sobrevivem apenas 50% das vezes? Como isso se relaciona com a forma como desempenhamos nossas tarefas? Excelência, constância e confiabilidade são as marcas distintivas de empresas, empresários e profissionais que atingiram o sucesso. E como administradores dos talentos e recursos dados por Deus, devemos entender que Deus tem todo o direito de esperar qualidade de nós.

As coisas devem ser feitas do modo certo. Para pessoas que professam seguir a Jesus Cristo, não há espaço para trabalho inferior. Afinal de contas, Deus estabeleceu o padrão: “E Deus viu tudo o que havia feito, e tudo havia ficado muito bom…” (Gênesis 1.1).

As coisas devem ser feitas completamente. Às vezes, na pressa de concluir um projeto podemos adotar a atitude, “Não está nada mal”. Este não é o exemplo estabelecido por Jesus. Ele veio para liderar, ensinar e servir como modelo de vida e, finalmente, dar sua vida para remir os pecados da humanidade.

As coisas devem ser feitas pelas razões corretas. Nossos motivos são corretos? “Tudo o que fizerem, façam de todo o coração, como para o Senhor, e não para os homens… É a Cristo, o Senhor, que vocês estão servindo” (Colossenses 3.23-24).

Por: Robert Tamasy