Pão

share on:

29/05/2018

O pão é o alimento mais popular do mundo. Ele é produzido em quase todas as sociedades. Mas não foi feito sempre da mesma forma e nem sempre teve o mesmo aspecto. Ao longo do tempo, sua produção foi se alterando até chegar ao que nós temos hoje em dia.

Há estudos que apontam que os pães começaram a ser produzidos há aproximadamente 6.000 anos, na região da Mesopotâmia, onde está situado o Iraque, e depois foram difundidos por várias civilizações da Antiguidade.

Esse pão era resultado de uma mistura seca, dura e amarga feita à base de farinha de trigo. A origem do pão está intimamente ligada ao processo de sedentarização do homem, quando se iniciou o desenvolvimento da agricultura, sendo o trigo um dos cereais resultantes dessa atividade produtiva.

O processo de fermentação foi uma técnica desenvolvida pelos egípcios por volta de 4 mil antes de Cristo. Por ser um produto extremamente necessário à alimentação, o pão foi usado durante muitos séculos também como moeda, como forma de pagamento para serviços realizados, por exemplo.

Em Roma, o pão era um dos componentes da política do “pão e circo”, utilizada pelos imperadores para manter uma satisfação aparente da população, desviando a atenção das disputas de poder e das condições de vida a que o povo estava submetido. O trigo era distribuído em espetáculos públicos pela administração do império.

Durante a Idade Média, o pão era feito artesanalmente no ambiente doméstico pelos camponeses. A limitação agrícola e técnica que tinha essa classe social não possibilitava a produção de pães fermentados, o que resultava em um produto de menor qualidade. Situação diferente era a vivenciada pelos senhores feudais, que consumiam pães de maior qualidade produzidos nas padarias dos castelos. Foi também neste período histórico que surgiu a figura do padeiro.

Com a Revolução Industrial, a produção do pão ganhou um forte impulso para alimentar a classe operária que crescia nas cidades. O pão chegou a ser inclusive um dos motivos de eclosão da Revolução Francesa.

Hoje em dia, o pão está disseminado pelo mundo. Sua fabricação envolve vários métodos diferentes, que resultam numa variedade enorme de tipos e qualidades. Apesar desse desenvolvimento, uma boa parcela da população mundial ainda não tem acesso a esse alimento no dia a dia.

Fonte: historiadomundo.uol.com.br

 

Entrevista com Jacques Paulin. Ele é chef padeiro, sócio da France Panificação e fundador do Ateliê do Boulanger, em São Paulo. Confira:

 

Inteligência artificial para ajudar o eleitor brasileiro

A eleição está aí. Época em que nós eleitores ficamos preocupados em conhecer melhor os candidatos que vamos votar. Porém, são tantas propagandas travestidas de notícia, fake news, que às vezes ficamos perdidos sobre de fato quem é quem. Mas no pleito de 2018, o eleitor contará com a ajuda da tecnologia para identificar políticos que estão com a ficha suja.

Lançado no início de maio, o aplicativo Detector de Corrupção usa reconhecimento facial para dar informações dos candidatos e suas pendências na Justiça. O app – disponível para Android e iOS – usa apenas a câmera do smartphone e uma base de dados com informações oficiais encontradas em diversas instâncias, tribunais superiores, federais e estaduais. Para utilizar o aplicativo, o usuário precisa apontar a câmera do celular para o rosto dos políticos que pode estar em fotos na internet, na TV, em santinhos, jornal ou até ao vivo.

Em seguida, por meio da inteligência artificial, o sistema busca as informações de corrupção do político se ele estiver inserido na base de dados e mostra ao usuário os processos existentes contra o candidato. O aplicativo está entre os TOP 5 de downloads na Play Store e tem recebido diversos elogios de usuários.

Fonte: UOL

 

Pão da vida

“Jesus declarou: ‘Eu sou o pão da vida. Aquele que vem a mim nunca terá fome” (João 6.35).

Encontramos vários textos na Bíblia nos quais Jesus afirma: ”Eu sou”. Pensemos inicialmente sobre o profundo significado dessas palavras com tão poucas letras. Quando Jesus afirma “Eu”, significa que é só ele e ninguém mais. Nem religião, nem igreja, nem boas obras, etc. Quando Jesus diz “sou”, isto mostra que ele não disse “fui” ou “serei”. Ele é! Agora, neste instante. Nessas afirmações do Mestre aparece também um artigo definido. Jesus não disse que ele é “um” ou “uma”, ele é algo totalmente definido, ou seja: Ele é único.

Jesus afirma com autoridade: “Eu sou o pão da vida. Aquele que vem a mim nunca terá fome”. Uma comparação maravilhosa! O pão nosso de cada dia dá sustento físico ao corpo. Ele é a fonte básica da vida, sem a qual teríamos dificuldade para sobreviver.

Sendo “o” pão da vida, Jesus é a fonte essencial para a vida espiritual. Sem Jesus no coração, nossa vida espiritual definharia. Quando conhecemos a Cristo, temos a nossa fome e a nossa sede plenamente saciadas. A nossa alma é satisfeita. Quais são as características desse pão tão precioso? Jesus é o pão dado por Deus. É o pão que desceu do céu e dá vida ao mundo. É o pão que satisfaz, mas não enjoa. Que sustenta, mas não prejudica. Se comermos demais do pão feito de farinha, poderemos até sofrer alguma congestão ou no mínimo engordar. Bem diferente é o pão chamado Jesus: ele agrada e alimenta completamente. E quanto mais nos alimentarmos dele, mais felizes e satisfeitos ficaremos. Senhor, dá-nos sempre desse pão! Jesus é o único pão que dá vida eterna!

Por: Presente Diário