Música clássica

share on:

11/06/2018

A música clássica é um gênero musical erudito, caracterizado pela complexidade da instrumentação e por ser representada sob a forma de sinfonia, ópera ou outros tipos de desenvolvimentos musicais. Também conhecida como “música erudita”, os primórdios da música clássica podem ser remontados para o século 9, com base nas tradições da música sacra cristã ocidental. O seu crescimento tornou-se mais acentuado principalmente durante a Idade Média, entre os séculos XVI e XVIII.

Não é uma tarefa fácil apontar os fatores que caracterizam a música clássica, já que existem diversos estilos, gêneros e formas que variam de acordo com o período histórico, por exemplo. Entre alguns dos principais compositores de músicas clássicas que ficaram marcados na história, destacam-se: Vivaldi, Bach, Mozart, Beethoven e Chopin.

Fonte: significados.com.br

 

Entrevista com o tenor Raphael Viana. Confira:

 

Inscrições no Sisu do segundo semestre de 2018 começam nesta terça-feira

As inscrições no Sistema de Seleção Unificada do segundo semestre de 2018 começam nesta terça-feira, dia 12, e vão até 15 de junho. No site sisu.mec.gov.br já é possível consultar as vagas disponíveis.

Pode concorrer quem fez o Enem no ano passado e obteve nota acima de 0 na redação. Serão ofertadas mais de 57 mil vagas em 68 instituições, sendo 8 públicas estaduais, uma faculdade pública municipal e 59 instituições públicas federais, com 2 centros de educação tecnológica e 30 universidades.

O resultado da chamada regular sairá no dia 18. As matrículas ocorrem de 22 a 28 de junho. O prazo para se inscrever na lista de espera é de 22 a 27 deste mês.

Fonte: G1

 

Com a vida ou com a boca?

Certa vez, alguém perguntou a um sábio pastor o que seria mais importante: testemunhar com a vida ou testemunhar com a boca?

Olhando calmamente a quem havia feito a questão ele disse:

– Bem, isso é como perguntar qual asa do avião é a mais importante… Você tem que ter as duas!

É uma grande verdade!

O testemunho envolve as duas coisas: falar e viver. O que dizemos deve estar de acordo com as nossas práticas, e as nossas práticas devem comprovar aquilo que dizemos.

O apóstolo Paulo disse para os coríntios: “tornem-se meus imitadores, assim como eu o sou de Cristo”. Ou seja, a maneira como vivemos é fundamental para confirmar que pertencemos a Cristo e que somos imitadores dele. Por isso, palavras e ações devem sempre andar juntos.

Nós não precisamos falar aos outros sobre a nossa vida e sobre as coisas boas que fazemos. Isso é orgulho e arrogância. Quando falarmos sobre Cristo, precisamos apenas falar sobre o motivo da esperança que há em nós. O importante é que a nossa forma de viver aponte para Cristo.

Claro que compartilhar com nossas palavras e com nossas ações fará diferença, afinal ninguém senta num bote salva vidas quando o navio está afundando e fica ali achando que sua vida e o fato de estar sentado ali está passando o recado. Você falará, você avisará, você até poderá berrar para que os outros façam a mesma coisa.

Dessa maneira é que você permitirá que o Espírito Santo trabalhe nessa vida, atraindo ele mesmo à salvação que existe em Cristo Jesus.

“Com grande poder os apóstolos continuavam a testemunhar da ressurreição do Senhor Jesus, e grandiosa graça estava sobre todos eles”. At 4.33

Crédito: Andrea Pavel