Museus

share on:

28/07/2017 – FIQUE POR DENTRO

Uma pesquisa com usuários do site Trip Advisor revelou os 10 melhores museus brasileiros. Também foi contabilizado que 30% por cento dos respondentes afirmaram visitar 3 ou 4 museus no ano e 22% visitaram 1 ou 2

Sobre os melhores museus, confira os 10 primeiros colocados:

1. Instituto Ricardo Brennand, Recife (PE)
2. Inhotim, Brumadinho (MG)
3. Museu da Língua Portuguesa, São Paulo (SP)
4. Museu Oscar Niemeyer, Curitiba (PR)
5. Pinacoteca do Estado de São Paulo, São Paulo (SP)
6. Museu do Futebol, São Paulo (SP)
7. Catavento Cultural e Educacional, São Paulo (SP)
8. Museu Imperial, Petrópolis (RJ)
9. Museu de Ciências e Tecnologia, Porto Alegre (RS)
10. Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand – MASP, São Paulo (SP)


Entrevista com a museóloga, Marilúcia Bottallo. Ela fala sobre a profissão de museólogo. Confira:

 


População poderá colaborar em portal sobre mudanças do clima

O Ministério do Meio Ambiente trabalha na construção de um portal sobre educação e conscientização pública na área do clima, e para que a ferramenta possa ficar mais acessível e de melhor entendimento eles irão permitir a interação da população para as possíveis medidas.

O EduClima, como será chamado será lançado até o fim deste ano. O site irá oferecer informações recebidas de entes do governo ou instituições da sociedade civil que tenham envolvimento com o tema.

Entre os conteúdos que serão tratados no portal estão: ações de educação e conscientização pública, legislação, publicações e sites, cursos e eventos, infográficos, instituições existentes e fóruns de discussão. A página deverá ser disponibilizada antes da Conferência sobre a Mudança do Clima da Organização das Nações Unidas, a ONU.

O desenvolvimento do site atende ao proposto na Política Nacional sobre Mudança do Clima em relação à disseminação de informações, educação, capacitação e conscientização pública do assunto. Essas diretrizes também estão nos textos da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima e do Acordo de Paris, dos quais o Brasil faz parte.


Festival de arte digital leva mais de 350 obras e atividades a São Paulo

A 10ª edição do Festival Internacional de Linguagem Eletrônica, um dos maiores encontros do país sobre arte e tecnologia, começou no último dia 17. A mostra ficará em cartaz até o dia 3 de setembro e conta com mais de 350 obras, incluindo instalações interativas, obras de realidade virtual, animações gamer e mostra de videoarte, além de oficinas gratuitas.

Durante o evento, oficinas com educadores da ciência da computação e artistas buscarão uma imersão experimental na essência da linguagem binária. O objetivo é a transferência de conhecimento e a pesquisa sobre o uso da computação para fins artísticos, difundindo a tecnologia como linguagem criativa e como processo de desenvolvimento artístico.

O público poderá participar também de conversas com artistas que têm obras expostas no festival, sobre os conceitos e os processos utilizados por eles.

A 18ª edição do Festival Internacional de Linguagem Eletrônica acontece na FIESP, que fica na Alameda Santos, 1336 no Jardim Paulista, São Paulo. Mais informações: (11) 35-49-44-99.


Shalom

“…Eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância”. (João 10.10)

Este texto é uma definição da missão de Jesus. A vida em abundância, à qual Jesus se refere, é a vida que no Antigo Testamento se define em termos de Shalom, vocábulo hebreu cujo sentido é tão rico que na tradução grega do Antigo Testamento, a Septuaginta, são necessárias mais de vinte e cinco palavras para traduzi-lo. Shalom é prosperidade, saúde integral, bem estar social, material e espiritual, harmonia com Deus, com o próximo e com a criação. Shalom é plenitude de vida.

Deste ponto de vista, a vida plena não pode ser concebida em termos exclusivamente espirituais. A teologia segundo a qual a vida que Cristo oferece é uma vida ultramundana, isto é, para além da história, está relacionada com o pensamento grego com sua ênfase na dicotomia entre a eternidade e o tempo, entre alma e corpo, entre o espiritual e o material. Necessita ser corrigida pela visão bíblica, para a qual a esperança escatológica inclui uma nova criação, um novo céu e uma nova terra, e também a ressurreição do corpo.

A vida em abundância, ou eterna, é a vida do Reino de Deus que irrompeu na história na pessoa e na obra de Jesus e que culminará na segunda vinda de Cristo. É a vida em que, aqui e agora, no tempo histórico, todas as coisas são feitas novas pelo poder de Deus (II Co 5.17). É a vida que deriva sua qualidade da relação com Deus e se manifesta em todas as esferas da sociedade, no trabalho, na família e na igreja.

Os que, em conformidade com a missão de Jesus Cristo, promovem a plenitude de vida, não podem menos que tomar a responsabilidade sobre, por exemplo, as difíceis questões delineadas pelo sistema econômico atual, que define a vida pela sua capacidade de produção e consumo. A vida em abundância é a vida em que se cumpre cabalmente o propósito para qual Deus a criou e a sustenta. Esta é a concretização do amor e a justiça do Reino de Deus. Cabe a nós a responsabilidade de promover essa vida.

É possível promover a vida em abundância na medida em que se vive conforme o propósito de Deus e Seu Reino, se anuncia a mensagem da vida em Cristo, se denuncia as injustiças existentes em nossa sociedade, e se atua à serviço da vida em todas as suas dimensões.

Por: Israel Mazzacorati (Texto adaptado de um artigo do Dr. René Padilla)