Mudança

share on:

05/09/2018 – FIQUE POR DENTRO

Morar no exterior parece ser o desejo de muita gente no Brasil. Uma sondagem do Datafolha publicada em junho revela que 62% dos brasileiros entre 16 e 24 anos gostariam de sair do país. Não há dados precisos, porém, sobre a quantidade de pessoas que de fato deixaram o Brasil nos últimos anos.

As cifras mais atuais vêm do Relatório Internacional de Migração do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais da Secretaria das Nações Unidas. O documento aponta que 1 milhão e 600 mil brasileiros viviam no exterior na primeira metade de 2017, um aumento de 3,5% em relação a 2015. Desses, a maioria buscou se fixar em países da Europa, onde residiam no ano passado cerca de 635 mil imigrantes brasileiros.

O principal país de destino, no entanto, ainda é os Estados Unidos, com 367 mil brasileiros. O segundo lugar é ocupado pelo Japão, seguido de Portugal, Itália e Espanha. Na América do Sul, o Paraguai é o país mais procurado, com 75 mil imigrantes brasileiros.

Os números destoam das estatísticas mais atuais do Ministério das Relações Exteriores. Em 2016, por exemplo, o órgão falava em mais de 3 milhões de brasileiros vivendo no exterior, o dobro do estimado pelo Desa, sendo que 750 mil estariam na Europa. A discrepância pode ser atribuída a várias razões. Uma delas é o método de pesquisa utilizado.

Apesar disso, é importante destacar uma mudança no padrão dos brasileiros observada nos últimos anos. Enquanto no passado a maioria emigrava por fatores econômicos, hoje se pode perceber um maior número de pessoas que saíram do país por questões de segurança,

Fonte: dw.com


Entrevista com o jornalista Ricardo Rodrigues. Ele mora em Londres, na Inglaterra. Confira:

 


Ministério da Saúde diz que mais de 20 milhões de crianças e adolescentes devem se vacinar contra HPV

O Ministério da Saúde lançou uma campanha de vacinação contra o Papilomavírus Humano. O objetivo é vacinar 20 milhões e quinhentas mil crianças e adolescentes no país: meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos. A vacina contra o HPV entrou para o calendário de vacinação brasileiro há cinco anos e a taxa de cobertura do público-alvo nunca passou dos 50%. Desde seu lançamento 4 milhões de meninas completaram o esquema de vacinação com as duas doses necessárias, totalizando 41,8% das crianças a serem vacinadas.

Os meninos de 11 a 14 anos foram incluídos na vacinação contra o HPV em 2017. Desde então, segundo o Ministério da Saúde, 2 milhões e 600 mil foram vacinados com a primeira dose, ou seja, 35,7% do público-alvo. Em relação à segunda dose, apenas 911 mil meninos receberam a vacina, completando assim o esquema de vacinação contra o vírus. Em nota, o governo reforça ainda a importância da segunda dose para a garantia da eficácia.

O câncer de colo de útero pode ser prevenido com a vacina. Ele é o terceiro tipo de câncer mais frequente entre as mulheres no Brasil e o quarto que mais mata, segundo dados do Instituto Nacional de Câncer. Em 2018, a estimativa do Inca é que sejam mais de 16 mil novos casos.

São mais de 100 tipos de vírus, dos quais 13 são considerados de alto risco, podendo causar, além dos tumores cervicais, câncer de ânus, vulva, vagina e de pênis. Altamente contagioso, muitas vezes assintomático e sem cura, ele é transmitido principalmente durante a relação sexual sem proteção. A vacina é segura e não aumenta o risco de eventos adversos graves, aborto ou interrupção da gravidez.

Fonte: G1


Coragem de Mudar

“Pelo que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo” (2Coríntios 5.17).

Duas rãs eram vizinhas. Uma delas habitava uma lagoa profunda distante dos olhares públicos e a outra em um valão com pouca água, atravessado por uma estrada rural.

A rã que vivia na lagoa advertia sempre a amiga do perigo e aconselhava-a a mudar de residência. Convidou-a para morar com ela na lagoa, onde teria mais segurança e comida mais abundante. A outra recusava dizendo que estava acostumada ao lugar onde vivia e seria muito difícil a mudança. Certo dia um carro passou pelo local e esmagou a rã embaixo dos seus pneus.

Muitos cristãos vivem acomodados em seu viver diário, sem frutos, sem experiências, sem ousadia espiritual. Temem qualquer tipo de mudança e acabam sendo inúteis para a expansão do Reino de Deus. Estão tão conformados com vidas fúteis e debilitadas que não são capazes de enxergar o muito que Deus quer fazer através de seus testemunhos.

Alguns pensam que uma pessoa que vive diante de Deus não tem vontade própria e é dirigida como um autômato que apenas obedece o que lhe mandam. Não pode isso, nem aquilo, não podem brincar, nem se divertir, nem experimentar as coisas boas da vida. Estão equivocados!

Jesus veio nos trazer vida abundante e eterna. Veio mostrar que quando temos a coragem de mudar os antigos costumes, novos horizontes de felicidade se abrem diante de nós e mesmo ao enfrentar as tempestades que sobre todos se abatem, temos a paz verdadeira emotivos de regozijo pela certeza de que o Senhor estará caminhando sempre ao nosso lado, pronto a interceder quando isso se fizer necessário.

Por que viver na sequidão e escassez se o Senhor nos oferece a profundidade de seu amor e a fartura de suas bênçãos?