Mal de Parkinson

share on:

04/04/2018

Uma das doenças neurodegenerativas mais comuns nos seres humanos, o Mal de Parkinson afeta cerca de 10 milhões de pessoas em todo mundo. São 200 mil brasileiros. Quem tem a doença precisa se superar a cada dia.

Por ser degenerativo, o Mal de Parkinson prejudica os movimentos mais automáticos do corpo, ocasionando rigidez nos músculos, postura encurvada, lentidão nos movimentos, perda de equilíbrio e tremores. O diagnóstico pode demorar, pois leva em conta a observação dos sintomas.

Apesar de ser o sinal mais característico, nem todo mundo que possui tremor tem Parkinson. Em estágios mais avançados, outros sintomas se somam aos mais comuns: sono agitado, intestino preso, dificuldade de fala, alteração cognitiva e demência.

 

Entrevista com o neurocirurgião, Élcio Machado. Ele fala sobre o Mal de Parkinson. Confira:

 

Brasil não preenche 40% das vagas autorizadas para residência médica

Um estudo feito pela Faculdade de Medicina da USP com apoio do Conselho Federal de Medicina e do Conselho Regional de Medicina de São Paulo mostra que 40% das vagas autorizadas para residência médica estão ociosas. Ao todo, são mais de 22 mil postos não ocupados no país.

O fenômeno ocorre num momento em que a demanda por especialistas no sistema de saúde é crescente. Além de não atender às necessidades da assistência, os lugares ociosos deixam clara a grande contradição na formação médica brasileira.

Enquanto quase metade dos postos está vaga ou nem foi ativada, muitos profissionais enfrentam processos seletivos para cursos de especialização tão disputados quanto uma prova de vestibular.

O coordenador do estudo, o professor da USP Mário Scheffer (CHEFER), atribui o problema, em parte, à falta de recursos. Instituições obtêm autorização para abrir vagas, mas, diante da ausência de financiamento das bolsas, acabam desistindo ou ofertando menos postos do que a sua real capacidade.

 

O que não pode ser feito em uma pré-candidatura

Ontem entendemos o que um pré-candidato pode realizar durante sua campanha, hoje vamos saber o que não pode ser feito durante esse período.

De modo simplificado é vedada a transmissão ao vivo de prévias partidárias em rádio e televisão. Outra medida que é proibida são as campanhas eleitorais durante o período de pré-candidatura. Ou seja, a propaganda partidária acontece quando existe um pré-candidato. Esse ainda não é candidato de determinado partido. Ele está apenas disputando uma futura candidatura.

Pedir ou comprar votos além de proibido é crime prescrito em lei. Seja ao andar pela rua ou até mesmo em um programa de rádio ou televisão, o pré-candidato nunca poderá pedir voto de maneira explícita, nem usar de propaganda privada para realizar essa ação.

 

O que aprendi com Parkinson

“…para que Deus seja tudo em todos.” 1 Coríntios 15.28b

Já estamos juntos há nove anos. Uma caminhada longa e íntima que provocou mudanças, observações, tolerâncias e comportamentos que podem ser considerados verdadeiros aprendizados.

Hoje sou outra pessoa, aprendi muito, mas confesso, é muito difícil, porque não estamos preparados para uma aceitação pacífica de algo que chegou, não pediu licença e se instalou de tal forma que hoje é mais forte do que eu. Sou refém desta situação como nunca imaginei. Fui resistente no começo e pensei que poderia dominá-lo com certa habilidade. Não consegui, até aqui fui surpreendido e não tenho domínio da situação, os momentos de mal-estar acontecem e pronto. Não há o que fazer, senão contar com a graça de Deus, com a ajuda, a solidariedade e a companhia dos queridos ao redor, família, amigos e profissionais da saúde.

Aprendi que a família é fundamental, na aceitação, na paciência, no apoio, no incentivo e por aí afora. Sem a família eu não conseguiria.
Aprendi que os amigos de verdade, pouco podem fazer, mas são solidários, interessados e posso contar com apoio e amizade, o que me deixa muito feliz e equilibrado, pois não sou rejeitado e o “pouco” que fazem significa muito. Estou sempre rodeado de mãos que se estendem para me ajudar. É muito bom contar com os amigos.

Aprendi que os profissionais da saúde, em primeiro lugar são profissionais. No entanto quero ressaltar e homenagear alguns que vão além disso. São pessoas escolhidas por Deus para cuidar. Que maravilha, que bênção, que conforto, que alegria. Sou muito grato a estes “anjos” especiais.

Aprendi que muitas pessoas não têm ideia do que se passa comigo ou das dificuldades que enfrento. Elas simplesmente perguntam: Está melhor? E não aceitam outra resposta que não seja positiva. Confundem Parkinson com Alzheimer, não entendem que é uma doença neurológica incurável, conforme a medicina.

Agora, o verdadeiro aprendizado vem da fé. Quando se tem o controle da vida motora, não nos conscientizamos que a vida pode ser fantástica e os planos e sonhos não têm tamanho. Mas, quando não temos o controle, quando entramos para o grupo de “pessoas com deficiências” aí o mundo é outro.

Lendo Isaac Penington, no livro “Refrigério para a alma”, diz: “Pois essas coisas não são para destruir você, mas para lhe ensinar a sabedoria que o Senhor está apto, por meio de muitos exercícios e provações severas, a transferir a você; que seu coração pode ser libertado de todo peso e, depois, preenchido com todo seu justo desejo no período apropriado e na excelência do Senhor; cujas sábias disposições e suave clemência Ele confiou a você.”

Vemos aí a grandeza imensurável que os sonhos podem ter para todos porque “Fixamos os olhos não naquilo que se vê, mas no que não se vê, pois o que se vê é transitório, mas o que não se vê é eterno” (2Coríntios 4. 18b).

No livro “Uma vida com propósitos”, o autor sugere que, ao entrar no céu, não passarão dois segundos sem que você exclame: “Por que fui dar tanta importância a coisas tão temporárias? Onde eu estava com a cabeça? Por que gastei tanto tempo, energia e preocupação no que não iria durar? […] Na morte, você não vai abandonar sua casa – você vai para casa”. (Presente Diário-RTM).

Observem as vidas dos profetas, dos heróis da fé, dos apóstolos do Novo Testamento, tiveram vida terrena apertada e com grandes dificuldades, no entanto foram pessoas usadas para nos ensinar e acrescentar fé. São pessoas escolhidas, que através do sofrimento foram exemplares na obediência e no amor a Deus.

Aprendi que a melhor pregação é a que praticamos fora do púlpito, às vezes pregamos com o nosso olhar, nosso abraço, nosso ouvir, nossa atenção. Aí sim, como dizem: “Deus fala”.

Aprendi que com toda a fragilidade, somos tomados pelas palavras de Paulo quando diz: “… Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte”. 2 Coríntios 12.10.

Algumas coisas eu aprendi. O importante é o que Deus quer ensinar, o que eu quero aprender, o que eu busco, o que realmente vale a pena. Quero amar o meu Senhor.

Ensina-me a Te obedecer, ensina-me a Te buscar, ensina-me a Te adorar, ensina-me a Te servir. Aí, sim, tudo terá sentido. Aí eu vou entender tudo que está acontecendo. Senhor eu te entrego as minhas dores e as minhas dificuldades para glória do Teu nome. Amém!

Por: Pr. Paulo Cirelli