Jardinagem

share on:

15/12/2017 – FIQUE POR DENTRO

O contato com a natureza é saudável. Eleva a autoestima, revitaliza e traz outros bons frutos ao corpo e à mente. Pode parecer que isso veio de algum provérbio chinês, mas na verdade é o resultado de uma pesquisa norte-americana sobre o benefício da jardinagem em pessoas que passaram dos 50 anos.

Pesquisadores da Universidade Estatual do Texas, nos Estados Unidos, comprovaram que idosos que praticam a jardinagem regularmente têm uma maior satisfação de vida, níveis de energia e saúde em geral. Além disso, os idosos que se voluntariam ao teste apresentavam uma alimentação mais saudável, o que pode estar ligado ao fato deles cultivarem alimentos como verduras, frutas e vegetais. A pesquisa contou com quase 300 pessoas com mais de 50 anos de idade.


Entrevista com o biólogo, Marcos Buckeridge. Ele fala sobre flores e plantas. Confira:

 


Mundo vive 6ª extinção em massa de animais

O mundo está passando por uma “aniquilação biológica” de suas espécies animais. Em um fenômeno que já pode ser considerado uma 6ª extinção em massa e segundo especialistas a situação é mais grave do que parece.

Segundo o estudo publicado em uma revista norte americana, há uma tendência de investidas cada vez maiores contra a biodiversidade do planeta, resultando em uma perspectiva “sombria sobre o futuro”.

Para a pesquisa, umas das mais completas já feitas sobre o tema, cientistas da Universidade de Stanford e da Universidade Nacional Autônoma do México utilizaram uma mostra de mais de 27 mil vertebrados.
Os pesquisadores observaram que as populações de vertebrados sofreram grandes perdas, inclusive entre as espécies que despertam pouca preocupação.

Entre os exemplos de quedas representativas na população, eles citaram guepardos, orangotangos, leões, pangolins e girafas.


Museu de Arte de Goiânia

Sediado em local privilegiado, dentro do Bosque dos Buritis, o Museu de Arte de Goiânia foi inaugurado no dia 20 de outubro de 1970. Criado sob lei federal, no dia 28 de agosto de 1969 é o primeiro museu público municipal de artes plásticas da região Centro-Oeste.

A sede do Museu conta com 3 salas de exposição, sendo uma delas localizada em outra sede, no SEPAC – Sala de Exposição do Palácio da Cultura, localizado na Praça Universitária. Além disso, o museu possui setores de Intercâmbios e Exposições, Conservação e Restauração, Reserva Técnica e na área de Ação Educativa, oficiais de artes plásticas e Biblioteca Especializada.

Atualmente, o acervo é composto por 850 obras entre as categorias de desenho, pintura, escultura, objetos e gravura. O museu de arte de Goiânia está localizado na Rua Um, no número 605 Setor Oeste. Para mais informações: (62) 35-24-11-90.

Sobre anjos e moscas

Não quero estragar seu Natal. Também gosto de pinheirinhos iluminados, presépios montados com esmero e sorrisos felizes de crianças.

Não, realmente não quero estragar seu Natal.

Mas não posso deixar de lembrar que naquela vez não foi assim. Nada de idílico e poético como as velinhas, os enfeites, as figuras, os anjinhos. Bem diferente era a decoração daquela estrebaria.

Sabe, às vezes penso que as únicas figuras reais nestes presépios natalinos são o burro e a vaca. Sei que você vai estranhar que eu diga isso. Mas é que a vaca e o burro lembram o esterco que por certo cobria o chão da estrebaria.

Esterco, urina, palha babada… Moscas, de certo, muitas moscas… Voam as moscas. E incomodam. Transmitem doenças. Voam, mas são tão diferentes de anjos…

E nada disso está no seu presépio, nem no meu. As figuras vistosas, a barba-de-pau colhida nos últimos dias dão um aspecto tão bem mais higiênico ao Natal. Higiênico como o céu.

Só que Jesus não nasceu no céu. Nasceu na terra, e no pior lugar que há para nascer. Esterco, urina, palha babada… Moscas, muitas moscas. Eis na lapa Deus feito ser humano. Experimentando solidariamente a terrível condição de quem não encontra casa para morar e ter seus filhos. A estrebaria, o embaixo da ponte, o na beira-do-rio, o na beira-da-faixa, o em-cima-do-morro, o na beira-do-mangue. Esterco, urina, palha babada… e moscas, muitas moscas.

Desculpe, não quero estragar seu Natal. Também gosto de pinheirinho iluminado, do presépio bem montado e de sorrisos felizes de crianças.

Mas é que se a gente não lembrar do esterco, da urina, da palha babada e das moscas, não vai entender nunca o Natal. E a cada dia Deus vai continuar nascendo por aí.

Por: Dr. Carlos Arthur Dreher