Hormônios

share on:

25/01/2019 – FIQUE POR DENTRO

Os hormônios são substâncias produzidas pelas glândulas que compõem o chamado sistema endócrino (do grego endos, “dentro”, e krynos, “secreção”). Cada hormônio tem uma função diferente, mas alguns trabalham em conjunto. Quando você toma um susto, por exemplo, são dois hormônios – a adrenalina e a noradrenalina – que fazem acelerar o ritmo do coração e da respiração, entre outras reações que preparam o corpo para reagir.

“Seria impossível viver sem hormônios. São eles que regulam a quantidade de substâncias como o açúcar ou cálcio – evitando o excesso ou a falta delas em nosso organismo. São eles que transformam a criança em adulto, desencadeando as mudanças fisiológicas que ocorrem na adolescência; e também avisam o corpo que está na hora de dormir quando a noite chega.” É o que afirma o endocrinologista José Carlos Zelante Cavenaghi, do Hospital das Clínicas de São Paulo.

Das glândulas endócrinas em que cada um é produzido, os hormônios são lançados no sangue e, a partir daí, alcançam todas as células do corpo – mas só vão atuar sobre aquelas a que são dirigidos, chamadas justamente de células-alvo. Elas possuem, em sua membrana ou no interior, receptores especiais para aquele hormônio específico. Por isso, podemos dizer que os hormônios trabalham como mensageiros que transmitem ordens com endereços e destinatários certos.

O comando central da equipe é a hipófise, glândula localizada no cérebro que, além de produzir seus próprios hormônios, estimula as outras endócrinas a fabricar os restantes. Alguns têm como única função sair de sua glândula e viajar a outra para avisá-la de que deve produzir o hormônio que irá executar a tarefa desejada. O assunto ainda guarda muitos mistérios: além dos 22 hormônios identificados, existem vários outros sendo estudados pela medicina, que ainda não têm nome e cuja função permanece desconhecida.

Fonte: super.abril.com.br

Caixa Cultural em São Paulo recebe concertos com músicas de Tom Jobim

Hoje, 25 de janeiro, é aniversário de 465 anos de São Paulo. Também é a data em que o compositor e cantor Tom Jobim completaria 92 anos. Em comemoração, a Caixa Cultural São Paulo apresenta “Tom Jobim Instrumental”, uma série de concertos com a participação de sete grandes instrumentistas brasileiros.

Entre os escolhidos para a homenagem-celebração, estão Fábio Caramuru, Marco Bernardo, João Marcelo Boscolli, Léa Freire, Edson Ghilardi, Toninho Ferragutti, Patrícia Ribeiro e Camilo Carraro. Eles apresentam nos concertos 46 composições escolhidas entre mais de trezentas. Delas, 18 são de autoria exclusiva de Jobim, enquanto as demais foram escritas por ele e receberam letra de parceiros como Vinícius de Moraes, Newton Mendonça, Aloysio de Oliveira e Chico Buarque.

Os concertos têm programas diferentes que serão exibidos nesta sexta-feira, sábado e domingo. As apresentações ocorrem às 7 e 15 da noite e têm entrada gratuita. A Caixa Cultural fica na Praça da Sé, número 111, no centro da capital paulista. Mais informações no site caixacultural.com.br.

Fonte: Catraca Livre

Meninos agitados

O propósito é que não sejamos mais como crianças, levados de um lado para outro pelas ondas, nem jogados para cá e para lá por todo vento de doutrina e pela astúcia e esperteza de homens que induzem ao erro
Efésios 4.14

O cristianismo é um estilo de vida que exige progresso. Não somos o que éramos e seremos o que devemos ser. Isso acontece através de um processo que muitos chamam de santificação ou de andar com Deus.

No texto de Efésios, Paulo está incentivando a igreja a deixar a infantilidade de lado, mostrando que a fé cristã deve atingir um nível de maturidade ideal para que o ministério cristão seja eficiente e eficaz. Por isso, ele pede aos cristãos que deixem de ser como meninos agitados e que busquem a maturidade.

Paulo usa o termo menino para designar um menor, uma criança que ainda não atingiu a maturidade. Alguém que não foi ensinado e, portanto, não possui habilidades e que é levado mentalmente pelas ondas do mar, e por isso é como um cristão criança.

Por ser essa criança agitada, não tem maturidade e fica ao bel prazer do que os outros dizem e mandam que faça. Esse cristão criança é inconstante, e age como tal. Uma hora faz uma coisa e outra hora já está fazendo algo diferente. Não tem firmeza, não tem rumo certo.

O cristão criança é ainda levado ao redor por todo vento de doutrina. Doutrina, quer dizer ensino, qualquer tipo de ensino. Ele é uma pessoa conduzida e quando em dúvida ou em hesitação, sugestiona-se ora por uma, ora por outra opinião. Quando sopra o vento das novidades, esse cristão é o primeiro a abraçar o que vem vindo com o vento.

Ele é também suscetível a astúcia dos homens. Paulo faz uso de um termo aplicado aos jogadores de dados para referir-se a astúcia. Esses jogadores usam do engano, do erro para enganar os outros jogadores. O cristão criança não tem maturidade para ver que está sendo enganado, iludido. São ainda induzidos ao erro, levados a ter opiniões erradas relativas à moral e religião. Uma maneira errada de agir através da fraude e do engano. Os mesmos homens astuciosos usam agora da arte do engano. A ideia que Paulo apresenta é que esses planos são elaborados, orquestrados, com objetivos. O que levaria essas crianças a crescerem? Paulo apresenta a resposta no verso 15: Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo. Cresça então.