Histórias que Jesus contou

Compartilhe em:

10/10/2018 – FIQUE POR DENTRO

Por que estão tão ansiosos com o amanhã? Com as roupas, com o que vão comer ou mesmo o que fazer? As flores nem sequer trabalham, mas vestem roupas que Deus dá. O mesmo Deus que alimenta e protege as aves no céu a voar. Mas do que pássaros e flores vocês valem mais. E Deus há de cuidar de todos. Ele é o grande Pai. Sabe tudo que precisamos e nada vai deixar faltar. Conhece todos os desejos. É preciso só pedir e acreditar. Buscai primeiro o Reino de Deus e a sua justiça e todas as coisas vos serão acrescentadas. Aleluia!

Esse é a música Buscar O Reino (Buscai Primeiro), que está no CD “Histórias Que Jesus Contou”, de Vavá Rodrigues e Ivan Teixeira. Voltado para o público infantil, o álbum faz releituras nada convencionais das parábolas do Novo Testamento. A Ovelha Perdida, O Filho Pródigo, O Bom Samaritano, O Semeador, O Fariseu e o Publicano e outras histórias são apresentadas com uma linguagem leve e bem-humorada, mas sem perder a essência da mensagem.

As músicas de “Histórias Que Jesus Contou” têm de tudo: rock, pop, rap, frevo e mais um monte de ritmos que vão fazer a alegria de crianças dos 4 aos 80 anos. A obra tem participação especial dos cantores Wesley & Marlene e Sueli Gondim.

Fonte: Histórias que Jesus contou


Entrevista com os músicos Ivan Teixeira e Vavá RodriguesConfira:


Para adquirir o CD “Histórias Que Jesus Contou” acesse loja.transmundial.com.br 
ou ligue para (11) 3017-6606

Pesquisadores brasileiros desenvolvem analgésico a partir de substância extraída de aranha

Uma substância extraída da hemolinfa (fluído que tem função semelhante a do sangue dos vertebrados) de um aranha caranguejeira poderá dar origem a um analgésico para tratar dor neuropática (causada por lesões ou doença do sistema nervoso central) e atenuar problemas associadas a ela, como depressão, falhas cognitivas ou de memória e atenção.

A pesquisa rendeu a sua autora, a bióloga Ana Carolina Medeiros, o Prêmio Jovem Neurocientista 2018, concedido no último Congresso da Sociedade Brasileira de Neurociência e Comportamento, realizado em agosto. Ela foi orientada em seu trabalho pelo professor Renato Leonardo de Freitas, coordenador do Laboratório de Dor e Emoções do Departamento de Cirurgia e Anatomia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo.

De acordo com ele, a dor crônica é um dos principais problemas de saúde, afetando mais de 30% dos adultos. A dor neuropática, por sua vez, é um problema comum e faz parte de várias síndromes neurológicas, representando 25% dos pacientes atendidos nas grandes clínicas de dor.
Ainda são necessários estudos adicionais para ratificar as descobertas e para propor a migalina como um agente analgésico e antidepressivo em situações de dor crônica.

Fonte: G1


Tempo da felicidade

O grande poeta brasileiro Vinícius de Moraes escreveu: “A felicidade é como a pluma, que o vento vai levando pelo ar. Voa tão leve, mas tem a vida breve. Precisa que haja vento sem parar.”.

Alguém disse que a felicidade é semelhante ao espirro. Você se prepara, afasta-se um pouco e espirra. Pronto! Que alívio! Já passou…

Os sentimentos doloridos como a angústia, tristeza, o fracasso e a perda do valor pessoal são mais duradouros porque constantemente há situações para mantê-los ativos. A felicidade é produzida por uma química com duração reduzida. Não podemos ficar um longo tempo sob efeito da química da felicidade. A realidade que nos envolve trabalha como um interruptor do estado de felicidade. Ciente de que esta química chamada felicidade, que produz alegria, bem estar, prazer, sucesso e satisfação é passageira, o mundo trabalha cada vez mais rápido para apresentar novidades que produzem “felicidade”. Atletas, artistas, cantores, músicas, games, livros, comidas, moda, terapias, remédios, produtos de beleza, envolvimentos, encontros e até novas drogas, chegam a nós rapidamente, na tentativa de manter a euforia da felicidade. Com todas estas gostosas ofertas, você é feliz?

“Como são felizes aqueles que têm suas transgressões perdoadas, cujos pecados são apagados! Como é feliz aquele a quem o Senhor não atribui culpa!” (Salmos 32.1,2).

O princípio da verdadeira felicidade é oriundo da paz com Deus. A felicidade é resultado de se estar ausente, distante da ira de Deus que o pecado provoca. Felicidade é estar ciente de que entre Deus e você existe paz. Felicidade é não temer que Deus o chame para um acerto de contas, pois tudo já foi pago por quem podia pagar. Felicidade é não ter medo de chamar Deus de Pai.

A felicidade de Deus é eterna, pois ela provém da presença dele. Felicidade é saber que sua existência, sua pessoa, seu ser, não poderá ser cortado, destruído, apagado. Por quanto tempo você pode ser feliz? Deus diz que para sempre!