Gastos com filhos

share on:

03.11.2016

 O casal que espera a chegada de um filho pode não saber que, nos próximos 21 anos, terá de desembolsar entre 200 mil e 1 milhão de reais, dependendo de sua condição econômica e disposição para investir no futuro herdeiro.

O cálculo, feito pelo professor da ESPM e presidente do Instituto Nacional de Vendas e Trade Marketing, Adriano Maluf Amui. Ele leva em conta gastos básicos com alimentação, educação, saúde e lazer.

Na hora de fazer as contas, é preciso levar em consideração as despesas essenciais, os gastos dispensáveis e, no longo prazo, a necessidade de uma poupança. Para educadores financeiros o ideal é que o custo do filho não ultrapasse 30% da renda média líquida do casal. Do contrário, o padrão de vida pode mudar drasticamente.

Com planejamento, especialistas mostram que é possível fazer um cálculo aproximado das despesas com o filho em cada fase da vida, da gestação à vida adulta. Entram na conta, ainda, os gastos não previstos, como festas de aniversário e passeios. E, se o orçamento apertar, há duas alternativas: fazer dívidas ou rever prioridades com o supérfluo.

Img_FiquePorDentro_Entrevista_680px_v1

Entrevista com a economista e blogueira, Marrie Ometto. Ela fala sobre gastos com bebês.

 

Img_FiquePorDentro_MomentoRefflexao_680px_v2

Sopros de esperança

Estavam animados com mais uma jornada de trabalho. Não era um evento especial. Rotina, apenas rotina.

Preparar o barco, enfrentar as ondas, lançar as redes. Esperar.

Invadem o mar, rumo a conquista do pão de cada dia.

O tempo passa e a medo começa a invadir o espaço antes ocupado pela animação. Horas e horas de trabalho sem resultado. Chegou o momento de voltar pra casa.

Desembarcam frustrados. Exaustos de corpo e alma. Um sentimento de falência e inadequação.

Logo o Mestre chega, olha para os homens e os incentiva a encarar as ondas novamente. Cansados, não conseguem nem responder. O Mestre insiste. Eles, meio que contrariados, aceitem o desafio.

Preparam as redes, navegam novamente, sem expectativa, mas navegam. Dessa vez o retorno foi diferente…

Chegaram felizes. Tarefa realizada. Um deles olha para o Mestre e diz: “Afasta-te de mim, sou pecador…”

Essa não é uma história sobre pescaria, é sobre a vida, a minha vida. É a história das minhas tentativas, dos meus fracassos, dos meus sentimentos de inadequação.

É também minha história com Cristo me incentivando a outras tentativas. Jamais condena ou cobra um melhor resultado, apenas incentiva, sopra palavras de Vida que me estimulam a encarar o mar.

Dou as mãos para aqueles homens e abraço a coragem, sabendo que a vida pode ter outro sabor e que o momento atual não precisa me definir como pessoa. Novas tentativas sempre serão possíveis.

Jesus mostra que a vida pode mudar.

Ele acredita em nós.

Isso é graça, isso nos basta.

Pr. Villy Fomin (Inspirado em Lucas 5.1-10)

Img_FiquePorDentro_Ciencia_680px_v2

Pesquisadores usam espinafre como detector de explosivos

Com ajuda da nanotecnologia, cientistas americanos inserem nanotubos de carbono em plantas de espinafre, possibilitando que componentes químicos usados na fabricação de explosivos sejam detectados. Um estudo Instituto Tecnológico nos Estados Unidos, revelou que os espinafres podem se transformar em detectores de explosivos e transmitir informação para um aparelho parecido com um smartphone, graças à nanotecnologia.

O estudo publicado nesta segunda-feira é uma das primeiras demonstrações do que os pesquisadores denominam “plantas nanobiônicas”, às quais podem ser aplicados sistemas de engenharia eletrônica.

No caso dos espinafres, os especialistas integraram nanotubos de carbono que possibilitam a detecção de explosivos. Assim, as plantas foram desenvolvidas para detectar componentes químicos chamados nitroaromáticos, que costumam ser utilizados na fabricação de minas terrestres e outros explosivos.

O experimento é uma nova demonstração da necessidade de superação da barreira de comunicação planta/humano. Os pesquisadores acreditam que o poder das plantas poderia ser aproveitado para alertar sobre a presença de poluentes e de algumas condições ambientais como as secas, algo que elas sentem muito rapidamente.