Gagueira

share on:

10/07/2017 – FIQUE POR DENTRO

A gagueira, com sua característica interrupção no fluxo verbal, é conhecida há séculos; os primeiros relatos datam provavelmente dos tempos bíblicos de Moisés, personagem descrito como lento de fala e pesado de língua.

Gagueira é uma perturbação da fala, de origem psicomotora, que se caracteriza por repetição de sons e sílabas ou paradas involuntárias, ou seja, por interrupção da fala por inseguranças, excitações e bloqueios em todas as situações de comunicação, inclusive na leitura.

Aproximadamente 70 milhões de pessoas no mundo são afetadas pela gagueira durante o desenvolvimento da linguagem, sendo que destes 2 milhões vivem no Brasil.


Entrevista com a fonoaudióloga e professora de oratória, Laila Wajntraub. Ela fala sobre a gagueira. Confira:

 

Medicina na USP adota cotas raciais e adere ao Enem

Pela 1 vez em mais de 100 anos de história, a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, a FMUSP vai aplicar uma política de cotas raciais para os ingressantes. A medida foi aceita na última sexta-feira, pela Congregação da Faculdade, na última sexta-feira dia 30 de junho.

Além das cotas raciais a Faculdade aprovou a adesão parcial ao Sistema de Seleção Unificada, o Sisu, que usa a nota do Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem. 50 das 175 vagas de medicina em 2018 serão selecionadas via Sisu/Enem, e 125 continuarão oferecidas pela Fuvest.

O principal motivo da adesão parcial da FMUSP ao Sisu é a tentativa de acelerar o processo de inclusão. A meta da instituição é ter, em 2018, 50% dos seus calouros vindos da rede pública de ensino médio.


Uvas Azedas

“…Ele esperava que desse uvas boas, mas só deu uvas azedas.” Isaías 5:2.b

Por que colocamos nossa confiança que a colheita se apresentará com bons resultados, isto é, seguindo o adágio de que colhemos o que plantamos?

O verso acima é uma parábola do Antigo Testamento que relata como o vinhateiro plantou a melhor semente, depois de preparar a terra, fazer tudo direitinho, indo além do necessário. No entanto, que decepção! A colheita não correspondeu às expectativas, as uvas eram azedas. O profeta está fazendo uma comparação, está se referindo à nação de Israel, o povo de Deus. Povo descendente do pai da fé, Abraão. Deus esperava que seu povo desse bons frutos, mas só deu prejuízo e decepção.

O povo pagou um preço alto pela desobediência, indo parar no exílio, cativo pelos Assírios.

Deus também espera que sejamos “uvas doces”, quer encontrar bons frutos em cada um de nós. Na parábola em questão vemos com clareza a repercussão da desobediência, as atitudes que o dono da vinha permitiu:

Arrancou as cercas e deixou que fosse arruinada.
Derrubou os portões e deixou que fosse pisada.
Transformou a plantação em um terreno baldio. Os espinhos e ervas daninhas tomaram conta.
Deu ordem para as chuvas: nunca mais chovam sobre aquela vinha.

Israel decepcionou a Deus, nós o decepcionamos também. Compra-se terras que não podem ser vendidas e expulsa os antigos moradores. Coloca-se um aviso bem grande “Não entre”, e deixa a população sem abrigo e sem teto.

Alguns levantam cedo e começam a beber antes do café da manhã. Dormem tarde porque estavam bebendo. Não querem nada com Deus.

Outros mentem para vender o mal. Chamam o mal de bem e o bem de mal. Colocam trevas onde há luz. Trocam o azedo pelo doce e o doce pelo azedo. Cada um com sua desculpa, ofende a Deus. A verdade deixa de ser absoluta, cada um tem a sua.

Até quando Deus suportará tamanha afronta? Até quando pessoas que não querem nenhum acordo com Deus, continuarão perguntando por que Deus não nos abençoa? Até quando a humanidade clamará por justiça e não conseguirá praticá-la? Até quando Deus observará a arrogância e a maldade que impera desde os governantes até o pobre catador de latinhas? Até quando a colheita será de uvas azedas? Quando o arrependimento de pecados chegará? Quando apresentaremos a Deus, dono da vinha, uma colheita agradável, uvas doces, frutos que agradam ao criador?
Deus é paciente, longânimo e bom, porém, sua justiça agirá em toda a terra pois a maldade dos homens não tem limites.

Corra para Deus, ainda há tempo. Tenha uma vida comprometida com Deus. Considere as palavras de vida eterna e permita que Deus colha de sua vida, bons frutos, uvas doces.

Por: Paulo Marcio de Moraes Cirelli