Estágio

share on:

17/08/2018 – FIQUE POR DENTRO

O Dia do Estagiário é celebrado em 18 de agosto e o momento é apropriado para ressaltar a importância dessa mão de obra. Com vontade de aprender, energia e proatividade, esses talentos são essenciais para uma equipe de sucesso. Organizações de todo o país já enxergam a função como um diferencial para treinar futuros gestores e melhorar a situação econômico-social do Brasil. Além disso, a atuação também se torna uma aliada do jovem, pois possibilita adquirir a experiência tão cobrada pelo mercado de trabalho. Com isso, desde 1998, o Nube – Núcleo Brasileiro de Estágios já inseriu mais de 800 mil candidatos no mundo corporativo.

Atualmente, segundo dados da Associação Brasileira de Estágio – Abres, um milhão de pessoas já exercem a atividade. São 740 mil postos no ensino superior e 240 mil no nível médio e técnico. Apesar do número ainda estar aquém do necessário, visto termos cerca de 17 milhões de estudantes aptos a estagiarem, conforme indica o último Censo Inep/MEC, a modalidade ganha cada vez mais relevância nas empresas.

De acordo com o último levantamento da Pnad – Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua do IBGE, no Brasil, 11 milhões de jovens, quase 25% da população entre 15 e 29 anos, não estudam, nem trabalham. Conhecidos como a Geração Nem Nem, permanecem nessa situação por diversos fatores. A falta de dinheiro para pagar a mensalidade, material escolar, transporte ou outras despesas educacionais foi um dos principais motivos, apontado por 24,2% dos homens e 15,6% das mulheres. Por conta disso, com a alta concorrência e o difícil acesso à educação, fica praticamente impossível conquistar uma colocação formal.

Portanto, o ato escolar educativo supervisionado se torna uma ótima alternativa, tanto para quem quer voltar à sala de aula, quanto para quem precisa de uma renda extra para custear o seu aprendizado. A lei de estágio garante o direito à carga-horária máxima de 6 horas diárias e 30 horas semanais, auxílio-transporte, bolsa-auxílio, recesso remunerado e seguro contra acidentes pessoais. Já as organizações têm mais segurança jurídica e possuem isenções fiscais como décimo terceiro salário, um terço sobre as férias, INSS e FGTS.

Fonte: NUBE


Entrevista com Nardejane Silva. Ela é recrutadora do Nube, o Núcleo Brasileiro de Estágios. Confira:

 

 

Mostra exibe filmes da América Central a preço popular

Cinema não precisa ser um programa caro! No Rio de Janeiro, mostras como a “CinemaCentroamérica”, na CAIXA Cultural, dão a oportunidade aos moradores e turistas de conhecer produções importantes a um preço popular. No espaço, o público pode assistir filmes da América Central Continental pagando 6 reais (inteira) e 3 (meia), de terça-feira a domingo, até o dia 26 de agosto.

Para a mostra, foram selecionados 20 títulos pela curadora brasileira-hondurenha Laura Bermúdez, quase todos inéditos, entre curtas, médias e longas-metragens de ficção e documentário. São produções de Belize, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua e Panamá.

Entre os destaques, estão “La Parka” (2013), de Gabriel Serra, primeiro filme indicado pela Nicarágua ao Oscar; o premiado curta “Berta Vive” (2016), de Katia Lara, sobre a vida de Berta Cáceres, indígena que se tornou um ícone da luta e da resistência em Honduras; e “A Felicidade do Som” (2016), de Ana Andara, vencedor do doctv Panamá e estreante no Festival Internacional de Documentário de Amsterdã.
Além das exibições, a mostra promove, neste sábado, dia 18, às duas da tarde, a masterclass “Um Olhar Para o Cinema da América Central”, sobre a produção cinematográfica e os principais festivais da região, com a cineasta e curadora, Laura Bermúdez.

E no dia 21, às 5 e meia da tarde, ocorre ainda uma sessão especial dos filmes “La Parka” e “La Felicidade del Sonido”, seguida do debate “A Imagem Centro-americana do Século 21”, com a professora Maria Celina Ibazeta, da PUC Rio, e Laura Bermúdez, com mediação da idealizadora da mostra, Célia Freitas. Tudo com entrada franca! Confira a programação completa em caixacultural.com.br

Fonte: Catraca Livre


Lições que Deus ensina

“Ensina-nos a contar os nossos dias de tal maneira que alcancemos corações sábios”. Salmos 90.12

A vida é uma escola. Ela nos ensina a ser esperto, calcular riscos, investir para receber mais e especialmente cuidar de nós mesmos.

Não é exatamente isso que o Salmo 90 recomenda. Ele fornece importantes lições, mostrando que mal orientados são aqueles que não buscam instrução do Senhor. O versículo 12 é uma oração: “Ensina-nos a contar nossos dias”.

O tempo não para. Ele passa. Você deve conhecer aquele conhecido versículo que diz “Lembra-te do teu Criador nos dias da tua mocidade, antes que venham os maus dias”.

Os dias desperdiçados são justamente os que não passaram nenhuma lição sábia para o coração. Mesmo que a maioria dos homens despreze a instrução que vem do Criador, o fiel servo pede, insistentemente, que Deus o ensine como viver da maneira que o agrada.

Nesta oração, podemos aprender que dias não-contados referem-se a dias não-aproveitados, horas em que nada se fez ou não se aprendeu nada de valor.

O Senhor mostra o caminho e motiva seus servos a progredir nessa direção. O Salmo 90.12 aponta a direção de verdadeiro êxito.

Pedir a instrução do Criador é o único meio de chegarmos ao fim da vida felizes e bem-sucedidos aos olhos de Deus.

Para se viver bem, no mundo e no céu, sabedoria do alto é tudo!