Falar não

share on:

19/01/2016

Não são poucas às vezes em que o “sim” é falado mesmo quando a vontade é de dizer “não”. Isso acontece até em situações corriqueiras. Por exemplo: quando um amigo pede novamente dinheiro emprestado, sendo que nunca pagou o que devia anteriormente. Ou quando um convite para um aniversário é aceito, mesmo que você esteja sem a mínima vontade de ir. Ou, ainda, quando um primo distante pede para se hospedar na sua casa em todas as férias dele.

Nesses momentos, o primeiro impulso, educadamente contido, é falar um sonoro “não”. Mas a resposta é um “sim” simpático e, quase sempre, dito com falsa alegria.

Com o criador do site “ser cristão”, Vinicius Freire Moura. Ele fala aprender dizer “não”

De Quem é o Trabalho Mais Importante?

Quando avaliamos o trabalho em termos de importância, geralmente olhamos para as posições na escada corporativa. Outros fatores são a remuneração e a produtividade. Se alguém é muito bem pago é sinal de que merece isso, não é? O executivo de vendas que ocupa o cargo mais alto deve ter cotação elevada.

Mas há outra maneira de avaliar a importância de uma pessoa no trabalho. Fizeram-me lembrar disso durante uma conversa com o administrador de uma empresa com a qual estive trabalhando nos últimos meses. A fábrica, que manufatura produtos terceirizados para empresas elencadas entre as maiores empresas do mundo depende da qualidade do trabalho de muita gente nas várias etapas do processo.

A área de Compras deve assegurar que os materiais estejam disponíveis quando necessários. Se não a linha de produção para. Portanto, as pessoas nessa área são importantes. A Manufatura também tem classificação elevada em termos de importância. Como vender o que não foi produzido? A Manutenção faz reparos no maquinário, trabalho altamente importante. A Contabilidade envia faturas, recebe pagamentos e paga fornecedores. Os que lidam com folha de pagamento e desempenham papel fundamental para garantir que os colaboradores sejam remunerados adequadamente e recebam os benefícios a que fazem jus, além de admitir novas pessoas e lidar com processos de aposentadoria e demissão.

Portanto, o trabalho ou a pessoa mais importante varia de acordo com o que deve ser feito em dado momento. Até mesmo a equipe de limpeza pode ser considerada a mais importante quando se trata de proporcionar banheiros bem higienizados e retirada do lixo e manutenção de pisos limpos e desempoeirados. Ou seja, é preciso tomar consciência de dois princípios importantes:

Não superestime ou subestime sua própria importância. Mesmo que esteja próximo ao topo da organização, sua eficiência e produtividade estão intimamente ligadas ao trabalho de outras pessoas. E se você ocupa posição de nível mais baixo, ainda assim você é importante. “…Ninguém tenha de si um conceito mais elevado do que deve ter; mas, ao contrário, tenha um conceito equilibrado, de acordo com a medida de fé que Deus lhe concedeu” (Romanos 12.3).

Não subestime a importância dos outros. Existe a tentação de desconsiderar pessoas de postos inferiores dentro da empresa, mas todo trabalho é fundamental para o sucesso dela. Cada uma deveria ser valorizada pelo que faz e pelo seu papel no esforço corporativo como um todo. “Nada façam por ambição egoísta ou vaidade, mas humildemente considerem os outros superiores a si mesmos” (Filipenses 2.3).

Por Robert Tamasy

Enfermeira do Distrito Federal consegue amamentar filho adotivo com ajuda da ciência

Juliana Martins, enfermeira do Distrito Federal encontrou apoio da ciência para conseguir amamentar o filho adotivo, que precisava de leite natural por necessidade médica.

A ajuda veio do Hospital Regional de Taguatinga, da rede pública, que trabalha com a técnica para induzir mulheres a produzir leite, a chamada translactação.

Uma das especialistas responsáveis pelo procedimento, a enfermeira Maria Rodrigues diz que a técnica requer participação da mãe e do filho. Ela contou que o que o bebê é colocado no peito, junto com uma sondinha em sua boca e a outra ponta da sonda em um recipiente com leite. Maria disse ainda que o leite vem com mais facilidade e o neném é estimulado a sugar, aumentando a produção de leite da mãe. Com o feito, Juliana Martins diz que esquece que o filho é adotivo.

Antes de adotar o pequeno Davi, ela perdeu dois filhos recém-nascidos. Depois disso, o casal desistiu de tentar uma nova gravidez e adotou a criança. Com 15 dias em casa, ele ficou doente e amamentá-lo virou necessidade.