Fadiga

share on:

06/09/2018 – FIQUE POR DENTRO

O cansaço intenso e prolongado pode ser uma doença por si só: é a síndrome da fadiga crônica. O desafio, no entanto, é diagnosticá-la corretamente, até porque aquela sensação de exaustão inexplicável sinaliza diversos problemas, de depressão a hipotireoidismo. Daí porque seria tão bom termos um exame capaz de detectar a encrenca, que afetaria até 24 milhões de pessoas no mundo. E não é que isso parece estar mais perto de virar uma realidade?

Quem traz a boa notícia são pesquisadores da Columbia University, nos Estados Unidos, após compararem exames sanguíneos de 50 voluntários com síndrome da fadiga crônica com os de 50 participantes sem o quadro. A partir de análises feitas com equipamentos de última geração, notou-se que o sangue dos pacientes exibia taxas bagunçadas de várias substâncias ligadas ao funcionamento das células. Mas os experts não pararam por aí.

Eles combinaram esses dados com estudos anteriores para identificar as alterações sanguíneas mais comuns aos pacientes com a síndrome da fadiga crônica e, então, calcularam a eficácia desse método nos voluntários. Resultado: o exame atingiu uma acurácia de 84% no diagnóstico do transtorno que provoca cansaço, o que não é pouco.

Essa condição – um cansaço prolongado e sem motivo aparente – pelo visto provoca mudanças nas células que seriam detectáveis em um exame de sangue. “Esse é um modelo com forte capacidade preditiva e sugere que estamos chegando perto do ponto em que teremos testes de laboratório capazes de nos dar um bom grau de segurança no diagnóstico da síndrome”, interpreta a cientista Dorottya Nagy-Szakal, principal autora do trabalho, em comunicado.

Claro que mais estudos são necessários, inclusive para afinar o teste e verificar sua aplicabilidade em larga escala. Além disso, a tecnologia empregada – embora se trate de um exame de sangue – não é barata. Ainda assim, essas descobertas abrem as portas para um mundo onde será mais fácil entender o que pode estar por trás daquela canseira intensa.

Fonte: saude.abril.com.br


Entrevista com o médico Sonir Antonini, da diretoria da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Regional São Paulo. Confira:

 


Nasa quer voltar à Lua

A Nasa planeja um salto gigantesco para a humanidade: a volta à Lua, não apenas para pisar no satélite natural da Terra, mas para fazer dele uma base fixa para viagens espaciais mais longas. A agência norte-americana não tem só o interesse em mandar uma missão tripulada à Lua até o fim da década seguinte, como também detalhou o ambicioso projeto de construir uma estação espacial orbitando o satélite. Em comunicado recém-divulgado, a Nasa revelou o plano. O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, afirmou que o objetivo não será deixar pegadas, mas estabelecer uma presença permanente.

Sim, pelo visto, os planos da Nasa vão muito além daqueles de 49 anos atrás, quando Neil Armstrong se tornou o primeiro homem a pisar no satélite. Conforme informações da agência espacial, a Gateway será uma base tanto para humanos quanto para robôs na exploração espacial. Estima-se que os primeiros astronautas possam chegar lá em 2024.
A agência projeta uma cápsula semelhante à bem-sucedida Apollo, mas três vezes maior – permitindo que quatro astronautas viajem nela a cada vez.
O veículo será equipado com placas de energia solar e os motores serão movidos a metano líquido. A escolha do combustível tem uma explicação: por ser um gás presente na atmosfera de Marte, os cientistas vislumbram que um dia os astronautas possam “abastecer” a nave em solo marciano.

Com a base orbital lunar estabelecida, a Nasa garante que os astronautas possam ficar na Lua por até seis meses, pesquisando e coletando informações. Ao mesmo tempo, essa longa permanência funciona como um teste para aventuras espaciais mais longas.

O primeiro passo para a missão será um lançamento previsto para 2023. Será um voo tripulado que vai “contornar” a Lua e retornar para a Terra, em uma trajetória em forma de oito – ou seja, circundando tanto a Terra quanto a Lua. Cerca de um ano antes, a Gateway deve começar a ser construída, ainda sem a presença de humanos. Em 2024, a estação orbital já deve estar pronta para receber os primeiros astronautas.

Fonte: G1


Jesus chama os cansados e os sobrecarregados

“Disse Jesus: Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei.” Mt 11.28

Este chamado do Senhor Jesus é um convite espetacular a todos os decepcionados e a todos que sofrem.

O decepcionado é aquele que perdeu a esperança nas instituições, na religião e/ou nas pessoas. Cansou de ver a maldade humana e de ver as obras da carne sendo valorizadas. Não se alegra com os acontecimentos. Perdeu a crença nas autoridades e nas pessoas mais chegadas. Não tem mais alegria de viver e cansou das coisas simples, pois não fazem mais sentido.

O que sofre, também faz parte do chamado. Sofre por uma doença. Sofre por que vê um ente querido doente e não pode fazer nada. Sofre pelas injustiças sociais. Sofre porque está desempregado. Sofre por não ver concluído seu sonho e sofre pelas perdas da vida, sem saber lidar com elas.

Você se enquadra em alguma destas decepções?
Você se enxerga em algum sofrimento?

Quanto tempo faz que você não chora por uma decepção ou um sofrimento, seja pessoal ou de alguém próximo a você ? Quanto tempo faz que você não se “derrama” diante de Deus clamando pela sua misericórdia, pedindo alívio para sua alma?

Neste versículo Jesus está falando com pessoas que estão cansadas e sobrecarregadas e as convida para um alívio. O alívio que Jesus oferece é sem intermediários e se trata de um alívio completo.

Só poderemos encontrar paz e alívio em Jesus, o filho de Deus.
Porque você insiste em seguir solitário e independente?

O convite de Jesus é para mudarmos de direção. É um convite pessoal e sem precedentes. Trata-se de uma guinada em sua forma de pensar.

Neste convite Jesus está dizendo: “Confie em mim, eu tenho o controle de todas as coisas, eu sei como cuidar de suas decepções e sofrimentos, vinde a mim!”

Jesus está nos chamando para uma nova perspectiva de vida, nos chama para nos mostrar que ainda há esperança. Nos chama para compartilharmos nossas vidas com outros, para vivermos com alegria e na sua graça. Só ele pode nos ensinar a lidarmos com as perdas.

É um convite para andarmos e trabalharmos com ele!
Jesus nos oferece nova vida, nos mostra que há outras formas de pensar e de interpretar tudo que nos decepciona ou nos faz sofrer. Ele é o caminho, a verdade e a vida.

Crédito: Pr. Paulo Cirelli