Etiqueta

share on:

11/07/2018

Etiqueta importa. É uma linguagem simples, compreensível de respeito mútuo. – Jack Nicholson

As regras de etiqueta podem ser entendidas como um conjunto de princípios ou normas que denotam boa educação e bom comportamento. Estas regras definem boas maneiras e bons costumes, tornando a vida cotidiana mais harmoniosa e servindo como um indicador de civilidade. O aprendizado, entendimento e aplicação dos princípios definidos pela etiqueta colaboram no desenvolvimento e crescimento pessoal.

Vale à pena cultivar hábitos que vão nos tornar mais disciplinados, discretos, afáveis, tolerantes e prudentes, dentre muitas outras virtudes que, além de favorecer uma convivência mais agradável com os nossos semelhantes, nos tornam seres melhores, mais e mais felizes.

Por mais simples que possa parecer, os conceitos básicos de boa educação devem sempre ser mantidos em mente. Palavras como “Obrigado”, “Com licença” e “Boa tarde” são importantes e quando utilizadas no momento certo podem demonstrar uma cordialidade importante, mostrando que você é uma pessoa com o comportamento desejado e de bom relacionamento com aqueles a sua volta.

Um erro comum é pensar que etiqueta e boas maneiras se limitam a lições de comportamento e como agir. Porém, tão importante quanto sua atitude, é a maneira que você se veste. É fundamental cuidados com sua aparência pessoal, sendo importante ficar atento as escolhas de quais roupas devem ser utilizadas em cada situação. Sendo sempre importante lembrar que assim como falta, o excesso também é uma falha.

As boas maneiras, também chamada de bons modos, são subitens da etiqueta e definem as atitudes ou gestos adequados para convivência social harmônica e respeitosa.
A interação com outras pessoas faz parte de nosso cotidiano e a maneira como vamos lidar com isso influencia diretamente como os outros lhe veem e lhe tratam, por isso as boas maneiras são tão importantes.

E você, tem boas maneiras? Costuma ficar atento às regras de etiquetas?

Fontes: dicasdeetiqueta.com.br e angelapimentel.com.br

 

Entrevista com Célia Leão que atua como palestrante e coach nas áreas de Etiqueta Corporativa e Comportamento Social há vinte anos. Confira:

 

Secretaria Estadual de Saúde confirmou dois casos de sarampo no Estado do Rio de Janeiro

O sarampo é uma doença contagiosa e transmitida por secreções por meio da fala, tosse ou espirro. Os principais sintomas são febre alta, dor de garganta, coriza e irritação nos olhos. Na última segunda-feira, a Secretaria Estadual de Saúde confirmou dois casos de sarampo no Estado do Rio de Janeiro. As amostras dos pacientes foram analisadas pela Fiocruz, laboratório de referência do Ministério da Saúde. Os dois são casos de estudantes de UFRJ, que estudam no Centro do Rio. Outros 14 casos suspeitos estão sendo monitorados.

A vacina tríplice viral, que protege contra o sarampo, a caxumba e a rubéola, deve ser tomada aos 12 meses. Aos 15 meses, é a vez da tetraviral, que além das doenças anteriores também protege contra a varicela.

Quem não tomou a vacina ainda bebê pode receber as duas doses até os 29 anos. Dos 30 aos 49 anos, basta apenas uma dose. A partir dos 50 anos, não precisa se vacinar. Quem já teve sarampo também já está protegido.

A opção por não se vacinar é uma alternativa considerada como irresponsável, por levar o risco de trazer para toda a população a presença de uma doença que era considerada, até então, erradicada.

O sarampo mata, pode deixar cego e, quando você não se vacina, não deixa apenas você em risco. É uma responsabilidade com o outro.

Fonte: G1

 

Crer Também é Pensar

Você já se sentiu como aquele homem que desalentado, viu sua vida mergulhar numa longa e infindável noite. Noite longa e obscura. Noite de enfado e canseira, noite cujas horas demoravam a passar. Ao deitar-se naquela noite os seus cabelos eram pretos, quase negros, mas ao acordar na manhã seguinte, eles estavam brancos.

Talvez tivessem sido as lágrimas derramadas na noite tempestuosa. O mundo ruíra. Tudo parecia tão distante e inacessível. Por vezes pensava que Deus havia se esquecido.
É que o homem na sua angústia e dor, não havia notado a presença de Deus nos detalhes, nas coisas que o circundavam. Até das flores muito apreciadas já não conseguia sequer lembrar dos perfumes. Tudo era por demais sombrio e tristonho.

Um dia começou a se perguntar o porquê de tudo aquilo. Não encontrou respostas. Novamente perguntou. Novamente ficou sem respostas. Então se deu conta de que as respostas para a sua dor estavam ali diante dele, no dia radiante.

Como ele não se dera conta antes? Quanto tempo ele havia perdido! Deus sempre estivera ali. A sua mente libertou-se por completo e precisamente no instante seguinte notou e sentiu que a esperança jamais o abandonara. A esperança havia estado ao lado dele o tempo todo, mas em sua lenta e sofrida agonia ele não a viu em instante algum.

Em todos os meios e formas ele traria à memória tudo aquilo que lhe pudesse lembrar a esperança. E tudo à sua frente parecia lhe mostrar a Esperança. Bendita Esperança. Jesus.

Os dias de escuridão e desânimo haviam ficado para trás. As flores pareciam exalar o mais puro dos perfumes. A vida havia voltado, apesar dos cabelos brancos. Ele acordara do pesadelo e da longa e infindável noite. Tudo por causa da Esperança.

Quero trazer à memória o que pode me dar esperança. Lamentações 3.21