Entrevista de emprego

share on:

05/01/2018 – FIQUE POR DENTRO

Um dos dramas de quem participa de processos seletivos em busca de emprego são as perguntas pessoais nas entrevistas com recrutadores. Questões como “qual seu ponto fraco?”, “como era sua relação com o chefe anterior?”, “por que quer trocar de emprego?” podem ter mais de um sentido: revelar uma informação, mas principalmente, a reação do entrevistado.

Várias consultorias de Recursos Humanos ajudam os candidatos a se preparar para este momento e concordam: falar a verdade é a única forma de evitar que caiam em armadilhas. Afinal, uma mentira rapidamente pode ser desmascarada pelos recrutadores, seja por uma contradição do próprio entrevistado, seja por que em outras etapas do recrutamento o candidato demonstrou comportamento distinto.


Entrevista com o publicitário, Luiz Eduardo Gasparetto. Ele fala sobre a linguagem corporal na entrevista de emprego. Confira:

 


China proíbe totalmente o comércio de marfim

A proibição total do comércio de marfim entrou em vigor no final do ano passado na China, outrora o primeiro mercado para as presas de elefante de contrabando.

O ministério detalha que a proibição abrange também o comércio eletrônico e os suvenires adquiridos no exterior.

A agência oficial chinesa afirmou que uma primeira proibição parcial do comércio do marfim levou a uma queda de 8% dos confiscos do marfim que entrava no país. Os preços do marfim bruto também caíram 65%

A China havia proibido anteriormente as importações de marfim e produtos derivados adquiridos antes de 1975.

O marfim é muito cobiçado na China, onde chegava a custar até 1.100 dólares o quilo, porque é considerado um símbolo de status social.

A caça ilegal provocou uma diminuição da população de elefantes de 110 mil exemplares em 10 anos, chegando a 415 mil, segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza.


Museu do Seringal

O Museu do Seringal foi construído para ser o cenário do filme ‘A Selva’ estrelado por Maitê Proença e reproduz fielmente um seringal que existiu de verdade em Humaitá, no Amazonas.

Conhecer o museu é fazer uma viagem para os áureos tempos do Ciclo da Borracha e conhecer um pouco sobre o modo de vida dos trabalhadores do seringal.

O Ciclo da Borracha foi um período de grande importância econômica para o país, devido à comercialização da borracha, produzida a partir do látex retirado das árvores seringueiras existentes na região Amazônica. Esse momento contribuiu muito para o desenvolvimento das cidades das cidades do Norte do país, Manaus, Belém e Porto Velho.

O Museu do Seringal está localizado no Igarapé São João em Vila Paraíso. A única forma de chegar ao Museu do Seringal é de barco e a viagem até lá é um passeio maravilhoso, passando por lindas paisagens, muito verde e a imensidão do Rio. Mais informações: (92) 992-75-46-46.


Valorizando o Seu Trabalho

Pesquisas indicam que nada menos que 82% das pessoas não gostam do trabalho que fazem no momento. É uma pena que não tenham consciência de que não estão condenadas a serem infelizes por isso.

Esse percentual poderia ser reduzido de modo significativo se fossem postos em prática princípios que Deus apresenta em Provérbios. Se não houver desenvolvimento profissional ou pessoal, qualquer trabalho acabará por se tornar insatisfatório. Ninguém pode sentir-se satisfeito estando estagnado, por isso não pare de aprender.

Aprenda com Deus. Alguns dos professores mais notáveis aprenderam com o melhor de todos os professores: Deus. Ele usou um arco-íris para ensinar segurança a Noé e um arbusto em chamas para ensinar confiança a Moisés. E ainda hoje ele é o melhor de todos os mestres. “Quem examina cada questão com cuidado prospera, e feliz é aquele que confia no Senhor” (Provérbios 16.20).

Aprenda com a crítica. Embora não seja fácil recebê-la, a pessoa sábia ouve e procura discernir a verdade naquilo que foi dito. “Quem acolhe a disciplina mostra o caminho da vida, mas quem ignora a repreensão desencaminha outros” (Provérbios 10.17).

Aprenda com o fracasso. O sucesso não é um bom professor; ele pode ser o resultado de fatores externos, mas quando fracassamos é muito fácil determinar a causa. A questão não é se vamos fracassar – porque todos vamos experimentar o fracasso em algum momento – mas se estamos dispostos a aprender com o fracasso. “Pois ainda que o justo caia sete vezes, tornará a erguer-se…” (Provérbios 24.16).

Guarde sua integridade. A imagem exterior impressiona as pessoas por um momento. Julgamos pela aparência, mas é a integridade que causa uma impressão para toda a vida, pois revela o verdadeiro ser que existe internamente. “O Senhor requer integridade em todo negócio. Ele estabeleceu este princípio” (Provérbios 16.11).

Seja sempre diligente. O conselho mais vigoroso dado em Provérbios sobre a capacidade de valorizar o trabalho consiste na importância da disposição de perseverar nele, mesmo diante de desafios e obstáculos. “Viste um homem diligente na sua obra? Perante reis será posto” (Provérbios 22.29).

Salomão, autor do livro de Provérbios, homem que experimentou tudo quanto a vida pode oferecer, fez esta observação: “Aceitar a sua sorte e ser feliz em seu trabalho é um presente de Deus” (Eclesiastes 5.19).

Crédito: Rick Warren – adaptado