Educação bilíngue

share on:

13/02/2017

O Governo do Amazonas por meio da parceria entre a Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino contará, neste ano letivo de 2017, com mais uma escola bilíngue, a primeira a oferecer ensino de Língua Francesa. O formato será trabalhado com todos os estudantes do Ensino Fundamental da Escola Estadual José Carlos Mestrinho.

Mundo globalizado, educação bilíngue e uma promessa de futuro. Um estabelecimento de ensino é bilíngue quando a vivência da língua estrangeira pelos alunos é feita de forma bem mais intensiva, com uma carga horária grande e com algumas disciplinas ministradas na língua em questão.

 

Entrevista com a pedagoga e especialista em educação bilíngue, Debora Zmekhol. Ela fala sobre educação bilíngue

 

Como a escolha de times nas aulas de educação física pode deixar traumas nas crianças

Mesmo uma pequena pesquisa entre colegas de trabalho ou entre amigos já pode mostrar que a prática de escolher times durante as aulas de educação física permanece gravada na memória de muitos como uma espécie de tortura.

A prática ainda é comum em aulas de educação física ao redor do mundo, mas um professor especialista em formação de docentes, David Barney, quer acabar com essa tradição. De acordo com ele, a prática pode fazer as crianças associarem exercícios a algo negativo. Barney acredita que ser escolhido por último pode não apenas ser humilhante para um adolescente, como também ter consequências emocionais de longo prazo.

Em um artigo publicado recentemente, ele analisa os resultados dessa prática com jovens dos primeiros anos do ensino médio. Para ele, esse momento desconfortável em que professores ou alunos selecionam o jogadores publicamente, anunciando um de cada vez para formarem as equipes de uma disputa esportiva, pode ter um impacto emocional profundo para os alunos. Como alternativa, o especialista em educação sugere escolher as equipes de forma privada, para evitar humilhações.

 

Maneira de Dizer

Certa vez, um sultão sonhou que havia perdido todos os dentes. Logo que despertou, mandou chamar alguém que interpretasse seu sonho.

“Que desgraça, senhor”! – “exclamou o adivinho”. Cada dente caído representa a perda de um parente de Vossa Majestade.”.

“Mas que insolente” – gritou o sultão enfurecido. “Como te atreves a dizer-me tal coisa? Fora daqui”.

Chamou os guardas e ordenou que dessem 100 açoites no homem.

Mandou então chamar outro adivinho e contou sobre seu sonho.

Este, após ouvir o sultão com atenção, disse-lhe:

“Sultão senhor, grande felicidade vos está reservada. O sonho significa que havereis de sobreviver a todos os vossos parentes.”

A fisionomia do sultão iluminou-se num sorriso, e ele mandou dar 100 moedas de ouro ao segundo adivinho.

Quando saía do palácio um dos guardas disse admirado ao adivinho:

“Não é possível”! A interpretação que você fez foi mesma que seu colega havia feito. Não entendo porque o primeiro ele pagou com 100 açoites e a você pagou com 100 moedas de ouro.

“Lembra-te meu amigo, respondeu o adivinho, que tudo depende da maneira de dizer.”

“A conversa do insensato traz a vara para as suas costas, mas os lábios dos sábios os protegem.” (Provérbios 14.3).