Direito Digital

share on:

21/09/2018 – FIQUE POR DENTRO

O Direito Digital é um ramo em ascensão no mercado jurídico e vem ganhando força juntamente com a necessidade de encontrar soluções para as questões e impasses que envolvem o uso da tecnologia. Com a popularidade da internet e o uso cada vez maior das redes sociais e aplicativos, inúmeras questões jurídicas começaram a surgir. Furto de dados, sites falsos com o objetivo de fraudar o consumidor, uso indevido de imagem e desrespeito aos direitos autorais são apenas alguns dos exemplos de situações que demandam regulamentação e soluções por parte dos operadores do Direito.

O Direito Digital cria parâmetros e regras para que as interações no meio on-line ocorram de forma harmônica. Um dos principais objetivos é coibir a prática de condutas lesivas que geram a responsabilização do autor pelos danos gerados. Por se tratar de uma área nova, o Direito Digital conta com poucas normas. Porém, isso vem mudando. A cada dia mais leis, decretos e regulamentos que tratam sobre o tema surgem no legislativo.

Hoje, a principal norma que regulamenta o Direito Digital é o Marco Civil da Internet. A lei foi editada em 2014. Além de trazer algumas garantias aos internautas, a norma regulamentou a responsabilidade civil de usuários e provedores, promovendo uma nova realidade especialmente para os negócios digitais.

Fonte: blog.sajadv.com.br


Entrevista com advogada Ivanice Cardoso. A nova colunista do Fique por Dentro com o quadro “Pense Direito”. Confira:

 

 


Mostra de cinema de graça homenageia Sophia Loren

Está procurando um passeio mais em conta em São Paulo? Que tal um cineminha italiano em um dos museus mais bombados da cidade? Até amanhã, o MIS homenageia a atriz Sophia Loren, que comemorou 84 anos ontem, com uma mostra gratuita. A musa começou a carreira em 1950, aos 15 anos, em vários papéis pequenos. A fama internacional veio apenas em 1962, quando recebeu o Oscar de Melhor Atriz pelo filme “Duas mulheres”, de Vittorio De Sica. Sophia Loren, que nasceu em uma família humilde, acabou se tornando uma das primeiras atrizes hollywoodianas a embolsar 1 milhão de dólares por filme. A obra que lhe rendeu tamanha quantia foi “A Queda do Império Romano”, de 1964.

Para esta comemoração tão especial, o Museu da Imagem e do Som exibe oito longas-metragens protagonizados pela atriz. Além de “Duas Mulheres”, sobre uma mãe e uma filha que fogem de Roma durante a Segunda Guerra Mundial, outras obras-primas dirigidas pelo mestre Vittorio De Sica estão na programação, como “Os girassóis da Rússia”, de 1970, que também fala do pós-guerra. Mais informações sobre a mostra você encontra no site mis-sp.org.br.
Fonte: Catraca Livre


Interesses Particulares

No processo montado contra Jesus houve um grande jogo de interesses particulares.

Judas, chamado de ladrão por seu colega de apostolado (Jo 12.6), embolsou trinta moedas de prata para entregar Jesus aos chefes dos sacerdotes.

Pilatos agiu contra o seu senso de justiça e contra o conselho da esposa, que lhe pediu não se envolver com o justo Jesus (Mt 27.19), a partir do momento em que os judeus lhe chamaram atenção para o seguinte fato: “Se deixares esse homem livre, não amigo de César”. Quem diz que é rei opõe-se a César” (Jo 19.12). Preferiu entrar para a história como o homem que autorizou a morte de Jesus, a perder a posição de governador da Judéia, mesmo tendo descoberto facilmente que fora “por inveja que os chefes dos sacerdotes lhe haviam entregado a Jesus”.

Foi nas mãos impiedosas destes pecadores que Jesus deixou-se se entregar em sua última viagem a Jerusalém, cumprindo assim a sua previsão: “Estamos subindo para Jerusalém, e o Filho do Homem será entregue aos chefes dos sacerdotes e aos mestres da lei. Eles o condenarão à morte e o entregarão aos gentios para que zombem dele, o açoitem e o crucifiquem” (Mt 20.18e19).

Quando interesses particulares vão à frente, o corpo de Senhor, que é a Igreja, sempre vai sofrer.