Dia Mundial da Vida Selvagem

share on:

03/03/2017

Hoje é o Dia Mundial da Vida Selvagem. A data foi criada em 2013 pela ONU e visa celebrar a fauna e a flora do planeta, assim como alertar para os perigos do tráfico de espécies selvagens animais.

A caça furtiva e o tráfico na vida selvagem conduzido por grupos de crime organizados representam a maior ameaça para muitas espécies selvagens. Elefantes, rinocerontes, tubarões, tigres e preciosas espécies de árvores são também alvo de uma intensa caça furtiva e tráfico por todo o mundo. As maiores ameaças à vida selvagem são a perda de habitat, a agricultura e o desenvolvimento.

 


Com o diretor do Departamento de Florestas do Ministério do Meio Ambiente, Ugo Eichler Vercillo. Ele fala sobre o Dia Mundial da Vida Selvagem

 

 

Barcelona cria ‘superilhas’ para tirar carros das ruas e reduzir poluição

Um projeto da Prefeitura de Barcelona, na Espanha, criou ‘superilhas’ com o objetivo de reduzir o uso de veículos e fazer com que o espaço público seja recuperado pelos cidadãos.

O trânsito já foi reduzido ou cortado na primeira formada pelos cruzamentos de 9 quadras. Onde antes só passavam veículos, agora há parque infantil, palco para atividades culturais, quadras esportivas e até um parlamento pintado no chão.

O projeto-piloto começou em setembro do ano passado. Já estão previstas mais 5 ‘superilhas’ em outras áreas até 2018, um investimento de mais de 33 milhões de reais. A ideia nasceu há algum tempo, mas só começou a ser implantada agora por causa do aumento da poluição do ar, além da necessidade de gerar mais espaço público para diferentes atividades.

 

Museu do Marceneiro

O Museu do Marceneiro conta a história dos Móveis Behling, empresa familiar que atua em Pomerode desde a década de 50. O museu contrasta passado e presente, com a exibição de uma roda d’água e equipamentos utilizados desde a época em que a indústria era apenas uma marcenaria.

O Museu do Marceneiro fica na Rua Alfredo Hoge, 525 no Centro em Pomerode, Santa Catarina. Mais informações: (47) 33-87-20-73.

 

O lucro não compensa a dor

Revendo as manchetes de revistas, jornais e portais da internet nos últimos anos, parece existir um padrão recorrente entre líderes profissionais e religiosos, figuras do esporte e artistas em geral com quedas graves de suas posições de privilégio, riqueza e honra, para a desgraça pública e o ridículo. Poderíamos passar o dia todo elencando nomes de pessoas que se encaixam nesse perfil.

Quer sejam altos funcionários de bancos envolvidos em manipulação de taxas, políticos envolvidos em escandalosos casos de corrupção, ou altos executivos de empresas de investimento recomendando operações com conflito de interesses, ou ainda a liderança executiva de uma universidade de prestígio acobertando falhas morais graves, todos perderam fortunas, posições de liderança, respeito no meio em que estavam envolvidos, bem como a liberdade pessoal, por causa de decisões péssimas. Ao tomá-las acreditavam que poderiam “se safar” e não ser descobertos.

Se pudesse entrevistar cada um deles, eu lhes perguntaria se o lucro potencial ou real de suas ações valeu o preço que pagaram, estão pagando ou pagarão no futuro. A maioria provavelmente admitiria ter cometido erros graves e, se tivesse nova oportunidade, escolheria outro curso de ação.

Tomamos decisões todos os dias. Suas decisões visam somente o lucro pessoal? Cuidado, pois essas decisões podem levar você ao caminho da desgraça. Busque o bem coletivo, o bem das pessoas que estão ao seu redor. Procure tomar decisões onde todos saem ganhando, nunca tome decisões onde o lucro e a vantagem de um é o prejuízo de muitos. O mundo será um lugar melhor quando, a começar de nós, optarmos pelo bem de todos ao invés do benefício próprio.

Texto de Lane Kramer adaptado e ampliado por Israel Mazzacorati.