Dia do Índio

share on:

19/04/2018

O dia 19 de abril foi a data escolhida para comemorar a cultura indígena. É uma homenagem ao Primeiro Congresso Indigenista Interamericano, que ocorreu em 1940. Além de contar com diversas autoridades governamentais dos países da América, vários líderes indígenas do continente foram convidados para participarem das reuniões e decisões.

Porém, os índios não compareceram nos primeiros dias do evento, pois estavam preocupados e temerosos. Este comportamento era compreensível, pois os índios há séculos estavam sendo perseguidos, agredidos e dizimados. No entanto, após algumas reuniões e reflexões, diversos líderes indígenas resolveram participar, após entenderem a importância daquele momento histórico.

Esta participação ocorreu em 19 de abril, que depois foi escolhido, no continente americano, como o Dia do Índio. A evangelização entre os índios vive um momento de crescente interesse na capacitação bíblica e em outras áreas, porém sofre com a ausência de treinamento diante da demanda.

 

Entrevista com o presidente da Missão Novas Tribos do Brasil, Pr. Edward Luz. Ele fala sobre o trabalho missionário entre os indígenas. Confira:

 

Cientistas desenvolvem por acaso enzima devoradora de plástico

Cientistas britânicos e norte-americanos produziram acidentalmente uma enzima devoradora de plástico. A descoberta poderia, eventualmente, ajudar a resolver o problema crescente da poluição gerada por este material.

Mais de 8 milhões de toneladas de plásticos são descartadas nos oceanos todos os anos e há uma grande preocupação com as consequências contaminantes deste produto derivado do petróleo para a saúde humana e o meio ambiente.

Os pesquisadores decidiram se concentrar em uma bactéria encontrada na natureza, descoberta no Japão há alguns anos. Cientistas japoneses acreditam que a bactéria tenha evoluído recentemente em um centro de reciclagem de rejeitos, uma vez que o plástico não existia até os anos 1940.

Conhecida como Ideonella sakaiensis, ela parece se alimentar exclusivamente do tipo de plástico usado em garrafas plásticas (PET).

Fonte: France Presse

 

Deus é grande entre todos os povos

“Grande é o Senhor, até mesmo além das fronteiras de Israel! […] Pois do oriente ao ocidente, grande é o meu nome entre as nações. Em toda parte incenso é queimado e ofertas puras são trazidas ao meu nome, porque grande é o meu nome entre as nações, diz o Senhor dos Exércitos.” (Malaquias 1.5 e 11)

Esses versos de Malaquias afirmam que Deus é grande e, por isso, toda a honra, glória, e majestade devem ser tributadas a ele. As palavras desses versos nos mostram que enquanto o povo de Israel, que fora libertado pelo Senhor do exílio da Babilônia, estando novamente na Terra Prometida, não o adorava corretamente, não o honrava como ele merecia, e não o obedecia como ele ordenara. No entanto, muitas outras nações, que não eram povo de Deus, o adorava, o obedecia e o honrava curvando-se diante de Seu nome e da sua grandiosidade.

O próprio Deus, através do seu profeta, declarou de forma irrefutável que o seu nome era e é grande entre as nações. Ora, ao ressaltar essa grande verdade o Senhor nos chama a atenção. Nós que somos seu povo, somos seus filhos, devemos adorá-lo e reverenciá-lo, pois mesmo aqueles que não o conhecem se curvam diante dele em adoração e engrandecimento.

Precisamos lembrar que o que ocorreu com o povo de Israel deve servir de alerta para as nossas vidas, ou seja, “… estas coisas se tornaram exemplos para nós… e foram escritas para advertência nossa…”

Embora o desejo de Deus para Israel era de que toda a terra o adorasse e o honrasse, Israel falhou na missão de proclamar o seu nome. Mesmo assim, alguns reconheciam e proclamavam essa verdade.

“… Porque o meu nome é grande entre as nações, diz o Senhor dos Exércitos”. O valor do nome de Deus foi destacado por Malaquias nesses versos provavelmente com a intenção de que seus ouvintes não se esquecessem desse fato. Deus é grande e honrado em todas as nações.

“… Porque eu sou grande Rei, diz o Senhor dos Exércitos…”. O fato de reconhecermos Deus como Rei implica em que ele tem soberania e poder, portanto, é ele quem dita as ordens para nós e não o contrário. Quando exigimos, determinamos, quando reivindicamos algo de Deus estamos profanando o seu nome, estamos desonrando-o como Senhor e Rei de nossas vidas. Se ele é Rei, fazer a sua vontade é o que importa.

Quando servimos o Senhor fazendo o seu trabalho relaxadamente estamos desprezando o seu nome. Como você tem servido a Deus? O que você faz e a maneira como faz, honram e dignificam o nome de Deus? Que o Senhor nos ajude a honrá-lo, exaltá-lo e magnifica-lo continuamente.

Por: Pr. Itamir Neves