Dia do Cacau

Compartilhe em:

26/03/2018

Quem é que consegue resistir a um saboroso pedaço de chocolate? O desenvolvimento desse doce único e, muitas vezes irresistível, só aconteceu por causa do cacau. E hoje é o dia dele! Confira algumas curiosidades dessa fruta que acabou se tornando um dos símbolos do Brasil.

– O cacau nasce diretamente do tronco da árvore. O cacaueiro pode chegar a ter 12 metros de altura e cada fruto tem entre 12 e 40 centímetros de altura.

– De tão valioso, o cacau era usado como moeda e podia ser usado até para comprar um escravo, que chegava a custar 100 sementes de cacau.

– Diz-se que a primeira chocólatra do mundo foi a princesa espanhola Ana de Áustria. No início do século 17, o chocolate ainda era somente uma bebida à base de cacau, mas a princesa não passava um dia sem a sua dose e é considerada a responsável pela chegada do chocolate à França.

– Existem mais de 16 espécies de cacau e as duas mais comuns no Brasil são: o cacau forasteiro e cacau roxo.

– O Estado da Bahia produz cerca de 95 por cento do cacau do Brasil. A Costa do Marfim é o maior produtor do planeta, com aproximadamente 40 por cento do total.

 

Entrevista com a nutricionista, Karen Schlösser. Ela fala sobre a qualidade do chocolate. Confira:

 

Ensino Médio: 40% da carga horária pode ser a distância

O governo federal quer liberar até 40% da carga horária total do ensino médio a distância. Segundo o jornal Folha de São Paulo, uma resolução que atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais do Ensino Médio, a partir da reforma do ensino médio, aprovada em 2017, prevê essa regulamentação da carga horária. Para alunos do programa Educação de Jovens e Adultos, o EJA, o antigo supletivo, a proposta é permitir que 100% do curso seja fora da escola.

Pela nova regra, qualquer conteúdo do currículo poderá ser ensinado a distância. Os alunos teriam até 2 dias de aulas longe da escola. O Conselho Nacional de Educação e Rafael Lucchese, diretor do Senai e relator da proposta, apresentaram a minuta das novas diretrizes curriculares ao Conselho Nacional de Educação.

 

A Dádiva da Exuberância

Estudos da Universidade do Texas sugerem que pessoas “com atitudes positivas” envelhecem mais devagar do que as pessimistas. Uma equipe de pesquisadores que estudou 1.558 pessoas idosas relatou que as mais alegres eram as menos frágeis. Os estudos consideravam que emoções positivas podem afetar diretamente a saúde, alterando o equilíbrio físico do corpo.

Você já ouviu falar em “dádiva da exuberância”? Uma médica americana escreveu um livro sobre isso. É como uma força propulsora da descoberta, criatividade, liderança e da própria sobrevivência. A exuberância nos leva a pensar e agir de forma ligeiramente diferente da usual, nos leva a correr riscos, tolerar sofrimentos e reveses que seríamos incapazes de enfrentar. Nos dá otimismo para crer no futuro e nas possibilidades daquilo que somos e do que fazemos.

Não é difícil reconhecer exuberância nas pessoas que a possuem. O rei Salomão, que reinou sobre Israel na Antiguidade, concordaria totalmente com as conclusões desta escritora sobre o valor e a importância da exuberância em cada uma das facetas do viver cotidiano. Seus escritos no livro de Provérbios fornecem fortes indícios disto. Vejamos alguns exemplos:

“Um coração alegre produz um sorriso em sua face; um coração triste torna difícil atravessar o dia” (15.13).

“Um coração infeliz significa uma vida infeliz; um coração alegre enche o dia de canções” (15.15).

“Uma disposição alegre é boa para sua saúde; condenação e melancolia deixam seus ossos ressequidos” (17.22).

Lembre-se: o ferreiro nada pode fazer quando seu fogo se apaga. De igual modo, quando nossas chamas internas se apagam, nossa disposição e entusiasmo pela vida, pelo trabalho, relacionamentos, até mesmo pelas atividades rotineiras do dia a dia, começam a murchar. Precisamos “reavivar nossa chama”.