Confraternização

share on:

22/12/2017 – FIQUE POR DENTRO

O termo confraternização vem do latim medieval, confrarnitas, e diz respeito a um convívio ou socialização amigável entre pessoas que compartilham as mesmas opiniões e sentimentos.

Todo fim de ano na maioria das empresas é a mesma coisa: os funcionários ficam ansiosos para saber mais detalhes sobre como será a festa de confraternização. Quando finalmente acontecem, as redes sociais ficam repletas de fotos da “festa da firma” e suas ações criativas.

Esses eventos também podem ocorrer em outras épocas do ano e contribuem para integrar colegas de trabalho, que geralmente ficam distantes durante o expediente intenso.


Entrevista com o consultor, Maurício Seriacopi. Ele fala sobre a importância da confraternização. Confira:

 

Programa Água Doce investe mais R$2,6 milhões em Alagoas

As ações do Programa Água Doce em Alagoas receberam mais de DOIS milhões de reais do Ministério do Meio Ambiente. Essa é a quarta parcela do convênio de 21 milhões de reais, assinado em 2011, pela Secretaria de Recursos Hídricos e Qualidade Ambiental e pela Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas.

O objetivo é beneficiar 40 mil pessoas no estado, com a implantação e a recuperação de 101 sistemas de dessalinização. Do total, 21 já foram concluídas e todas as outras já estão contratadas. Segundo a pasta, o estado já identificou 406 comunidades em 34 municípios com problemas de acesso à água.

Segundo o secretário de Recursos Hídricos e Qualidade Ambiental, os sistemas de dessalinização do Programa Água Doce são mais um esforço o Governo do Brasil para oferecer opções de acesso à água de qualidade para a população do semiárido alagoano.

O programa atua principalmente em comunidades rurais do semiárido, e, garante água potável e de boa qualidade para o consumo humano, por meio da instalação e da gestão de sistemas de dessalinização. Atualmente, 200 instituições fazem parte dos projetos, além de 10 estados.

Amigo Secreto

“Já não vos chamo servos,…; mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho dado a conhecer.” (João 15.15) “Bendito seja Deus que não me rejeita a oração, nem aparta de mim a sua graça.” (Salmo 66.20).

No final do ano a história se repete, somos convidados, às vezes obrigados, a participarmos do “Amigo Secreto” ou “Amigo Oculto”. A forma de presentear, e ser presenteado é interessante e às vezes muito agradável. E o amigo? Deixa de ser secreto e passa a ser, o que sempre foi. De verdade, a palavra “amigo” é um rótulo, e secreto, porque só ficamos sabendo quem é na hora de entregarmos e recebermos o presente. Amigo é outra coisa, e não pode ser secreto. Amigo é pra valer, longe ou perto é amigo, podemos contar com ele.

Jesus nos chamou de amigos, a todos que são obedientes a Ele. Jesus faz a comparação de videira, sendo Ele a videira e seus amigos, os ramos, ligados a Ele e dando constantemente frutos. Ele é amigo porque deu a sua vida a favor de nós. Ele disse: “Ninguém tem maior amor do que este; de dar alguém a própria vida em favor de seus amigos.” João 15.13

Que maravilha, que segurança, que amigo! Jesus veio a esta terra porque, como amigo, se ofereceu para morrer por nós. Mais que isso, nos ensinou a amar, através de um novo e vivo caminho, praticarmos a verdade, a justiça e a adoração a Deus.

Você tem amigos? Você os ama de verdade? E seus amigos amam você?
O que sustenta a amizade com Jesus é a obediência e o amor. Com nossos amigos também. Temos que obedecer e amar, conforme Jesus nos ensinou.

Certo homem sentado no banco dos réus olhava, com interesse, o Juiz. Velhas recordações passavam pela memória, quando de repente ele o reconheceu, aquele Juiz fora seu amigo de escola, haviam sentado juntos quando estudavam, tinham sido bons amigos. No decorrer dos anos, os rumos foram diferentes. Cada um seguiu seu caminho. Sentiu-se confiante: seu velho amigo não o condenaria. Com calma e segurança o Juiz leu a sentença que condenava o réu a pagar uma multa de alto valor. “Não é possível! Como pode um amigo fazer tal coisa?” No coração do réu brotou uma amargura contra o mau amigo. Levado a uma sala à parte, encontrou o Juiz que o esperava sorridente e disse: “Sei o que está pensando, mas compreenda, como Juiz eu não poderia absolvê-lo. Agora, como amigo vou ajudá-lo. Aqui está o dinheiro para que você pague a multa”.

A justiça divina exige a punição, mas o amor divino se manifesta no sangue de Cristo, que purifica de todo o pecado. Jesus é justo Juiz e também nosso amigo. Vamos praticar a justiça e amar como Jesus nos amou.

Fonte: Pr. Paulo Cirelli