Combate às drogas

share on:

03/11/2017 – FIQUE POR DENTRO

Em tempos de recessão, os consumidores reduzem os seus gastos em todos os tipos de bens, desde comida até moradia. No entanto, o mercado de cosméticos parece fugir às regras e ser mais forte frente à turbulência.

Em 5 anos, o consumo de produtos de higiene pessoal e cosméticos infantis no Brasil cresceu 45,6 por cento, alcançando bons resultados mesmo em meio à crise econômica. De acordo com dados da consultoria Euromonitor, o segmento passou de vendas anuais de 2,7 bilhões de reais em 2011 para 3,9 bilhões em 2016.

Segundo dados do IBGE, o setor de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos responde por 1,8 por cento do PIB brasileiro. Para se ter uma ideia da importância do Brasil para o setor: o país responde por 2,8 por cento da população mundial e 9,4 por cento do consumo mundial.


Entrevista com o psicólogo, Osvaldo Christen Filho. Ele fala sobre auxilio aos usuários de drogas. Confira

 


Brasil tem maior aumento da emissão de gases estufa em 12 anos

O total de emissões nacionais de gases de efeito estufa subiu 8,9% em 2016 em comparação com o ano anterior, segundo revela um relatório lançado na última quinta-feira, pelo Observatório do Clima. Segundo o estudo, chamado Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa, a concentração desses poluentes atingiu o nível mais alto desde 2008.

As altas concentrações de gases estufa podem potencializar o efeito de aquecimento natural causado pela atmosfera terrestre e levar a mudanças climáticas, além de aumentar as temperaturas com sérias consequências ambientais.

Em 2016, o Brasil emitiu mais de 2 bilhões de toneladas brutas de gás carbônico. Isso representa 3,4% do total mundial, o que mantém o Brasil como sétimo maior poluidor do planeta.

O crescimento é o segundo consecutivo, e ocorre em meio à pior recessão econômica da história do Brasil. Segundo o estudo, chamado de Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa, o S.E.E.G, em 2015 e 2016, a elevação acumulada das emissões foi de 12,3% contra um tombo de 7,4 pontos no Produto Interno Bruto do país.

Dificuldades como treinamento

“Regozijai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, na oração, perseverantes.” Romanos 12.12

Dwight E. Robeson, um americano de Michigan, teve pólio com oito anos de idade e sua vida mudou completamente. Diante das dificuldades, a doença lhe impôs uma fraqueza, ele viu suas forças diminuírem e sua esperança se tornou como a luz da vela, trêmula. Não parou de orar, porém, viu seu “copo de bênção” semivazio. Aos poucos começou a sentir o amor de Deus operando em seu dia a dia, nos detalhes, na forma de compreender o sofrimento e a ver seu “copo” semicheio.

Conosco também é assim, diante das dificuldades, vemos o nosso copo de esperança, pela metade, isto é semivazio. Com o passar dos dias, voltamos a sentir o amor de Deus e pela misericórdia dele, olhamos para o mesmo copo de esperança e vemos que está semicheio.

Aqui temos um fato que, como exemplo, nos mostra que é possível regozijar na esperança. Só aí passamos para os próximos degraus, somos mais pacientes na tribulação, mais generosos, e fortalecidos na caminhada. Passamos a ser mais constantes, tolerantes e perseverantes na oração.

Como está seu copo de esperança? Como você o vê? Meio cheio? Meio vazio? Sua resposta é fundamental para você mesmo analisar sua situação. Se a resposta é positiva, tudo bem. Do contrário você não conseguirá ser paciente na tribulação e consequentemente não conseguirá ser perseverante na oração.

A esperança precisa ser cultivada, não por ser fraca mas por estar ligada às emoções. O profeta Isaías disse: “…mas os que esperam no Senhor renovam as suas forças,…” Isaías 40.31. Veja que a esperança é a responsável, ou seja, o meio que Deus usa para renovar nossas forças. Sem este renovar de forças, pereceremos, não conseguiremos chegar a lugar nenhum.

A esperança no Senhor faz a nossa luz brilhar, não mais bruxuleante mas, como farol, igual aqueles que sinalizam para as embarcações não baterem contra as rochas. Ao contrário, indicará o caminho seguro renovando as forças que são necessárias para uma vida de oração.

As dificuldades serão usadas para o nosso treinamento, para sermos melhores e testemunharmos desta maravilhosa esperança. “Bendito o homem que confia no Senhor e cuja esperança é o Senhor.” Jeremias 17.7

Pr. Paulo Cirelli (Reflexão inspirada na mensagem do dia 25 de novembro de 2013 do devocional No Cenáculo).