Ceia de Natal

share on:

20/12/2017 – FIQUE POR DENTRO

Você sabe a origem da Ceia de Natal? Segundo a literatura, ela originou-se do antigo costume europeu de deixar as portas das casas abertas no dia de Natal para receber viajantes e peregrinos. Eles, juntamente com a família hospedeira, confraternizavam aquela data tão significativa para nós cristãos.

Para essa comemoração era preparada bastante comida, composta por diversos pratos. Essa tradição foi se espalhando pelo mundo e cada região acrescentando uma particularidade local.

Na Rússia, as pessoas costumam evitar o consumo de carne no Natal, já na Alemanha é tradição saborear carne de porco. O hábito de comer peru na ceia nos Estados Unidos é uma herança dos índios da América do Norte. Já o consumo da rabanada e do bolinho de bacalhau começou com os portugueses. O Brasil absorveu as tradições dos outros países, mas também incluiu na ceia pratos de sua própria culinária.


Entrevista com a nutricionista, Talitta Maciel. Ela fala sobre alimentação nas festas de fim de ano. Confira:

 


Oitavo planeta é descoberto em sistema parecido com o da Terra

A Nasa, agência espacial dos Estados Unidos, encontrou um oitavo planeta no sistema Kepler-90, empatando-o com o nosso sistema solar. O exoplaneta, como são chamados os planetas localizados fora do nosso sistema, foi chamado de Kepler-90i e orbita a estrela Kepler 90, parecida com o Sol, porém um pouco maior.

O novo achado é o menor dos planetas do sistema, mas ainda é 30% maior que a Terra. Por estar próximo à estrela, a sua temperatura pode chegar a 425 graus célsius e seu movimento de translação.

A descoberta foi possível gralhas a utilização do telescópio Kepler, da Nasa, em conjunto com uma máquina de inteligência artificial o Google. A máquina tem a capacidade de “aprender” as coisas e neste caso ela foi ensinada a localizar exoplanetas no sistema Kepler-90.


O Natal e sua importância

“Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros, e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.” (Isaías 9.6)

O Natal está chegando! Para a maioria das pessoas, essa data lembra muitas coisas: presentes, comidas, festas, roupas bonitas, viagens, enfeites, compras, encontros, luzes e etc.

O mundo inteiro para, as famílias se reúnem, as casas e ruas são enfeitadas, o comércio entra em promoção, as crianças contam as horas, há música no ar e o clima fica mais voltado para a hospitalidade.

Afinal, o que está acontecendo? Que natal é este?A grande maioria sabe o que é o natal, mas prefere seguir a tradição e não se envolver no seu verdadeiro significado.

Natal, é o natal de Cristo, o Salvador, o prometido das nações, o filho de Deus encarnado.Natal é estarmos diante de um momento único que mudou a história da humanidade.

O profeta Isaías diz que este Cristo, o ungido, é o Maravilhoso Conselheiro, que pode nos orientar e mostrar a verdade, o caminho e a justiça.Ele é também o Deus Forte, que peleja e ganha todas as batalhas contra o mal, é vencedor por isso é forte. É o próprio Deus criador.Ele é o Pai da Eternidade, não foi criado, sempre existiu.É também o Príncipe da Paz. Veio a este mundo para nos salvar. Ele é a Paz que todas as pessoas precisam, Paz para as nações, Paz para as famílias.

Portanto o verdadeiro natal é para ser reverenciado, celebrado, praticado.Momento especial de agradecimento e fraternidade. Alegria e oração.

Os pastores, que guardavam o rebanho, na vigília da noite foram informados, do natal de Cristo, por um coral celestial, formado por uma multidão de anjos, conforme Lucas: 2.8 a 20.

A música foi muito importante e continua sendo na celebração do natal.Milhares de canções já foram escritas e cantadas para celebrar o natal.Celebremos o natal com muita alegria, generosidade, amizade, gratidão e fé, para que possamos mostrar o amor de Deus em cada um de nós.

“Vinde cantai, Jesus nasceu”, assim diz a melodia, um convite para o verdadeiro natal. Que o Cristo da manjedoura seja a razão para uma só direção da humanidade e a esperança que há nele. Ele é a verdadeira razão do natal.

Fonte: Pr. Paulo Cirelli