Cárie

share on:

26/09/2018 – FIQUE POR DENTRO

A saúde começa pela boca! É nela que a cárie se forma a partir das bactérias que se juntam em grupinhos chamados de placas para abocanhar a sacarose, o açúcar dos restos de comida. Elas produzem um ácido que corrói os minerais do dente até quebrá-lo. Mas, tirando esses aspectos biológicos, ainda há muita coisa que as pessoas não sabem sobre esse problema. E que, até por isso, podem contribuir para a piora da saúde bucal. Embora mais da metade dos brasileiros já tenha tido cárie alguma vez na vida, ela não deve ser encarada como um problema trivial. É importante agir para evitar que manchas e pontinhos apareçam e levem à quebra ou à perda do dente.

O bacana é que, segundo o Ministério da Saúde, a incidência da chateação na população brasileira caiu de 69% em 2003 para 56% em 2010. Parte desse resultado se deve à Política Nacional de Saúde Bucal, chamada Brasil Sorridente. Criado em 2003, o programa, entre outras ações, fomentou a incorporação de flúor à água.

No entanto, a cárie ainda é o maior problema em consultórios odontológicos. Se não for tratada, ela lesiona a camada da dentina, provocando dor e sensibilidade. Mais: o indivíduo mastiga menos e sabota a digestão. Em estágio avançado, ataca a polpa dentária, que é um tecido mole com nervos e vasos sanguíneos, causando infecção.

Anos atrás, a ciência atribuía a cárie exclusivamente aos micro-organismos. Mas tem outro vilão nessa história, o açúcar dos alimentos. A saliva ajuda a equilibrar a acidez da região e devolver os minerais ao dente, porém, quando há doce demais, não dá conta do recado.

Por isso, a Organização Mundial da Saúde recomenda reduzir o açúcar a no máximo 10% das calorias ingeridas por dia, algo em torno de dez colheres de chá. E não vá dormir sem escovação – afinal, é quando você ficará mais tempo à mercê das bactérias.

Fonte: saude.abril.com.br


Entrevista com o cirurgião-dentista Marcelo Vilas Bôas. Confira:

 


Álcool matou mais de 3 milhões de pessoas no mundo em 2016, aponta OMS

O consumo de álcool foi o responsável pela morte de mais de 3 milhões de pessoas no mundo em 2016. O que significa uma em cada 20 mortes. O alerta é da Organização Mundial da Saúde. O relatório sobre o consumo global de álcool e suas consequências aponta que os homens representam mais de três quartos das mortes. No geral, o uso nocivo do álcool causa mais de 5% das doenças no planeta.

Segundo a OMS, 28% das mortes relacionadas ao álcool são resultado de lesões, como as causadas por acidentes de trânsito, autolesão e violência interpessoal; 21% se devem a distúrbios digestivos; 19% a doenças cardiovasculares e o restante por doenças infecciosas, câncer, transtornos mentais e outras condições de saúde. Mundialmente, o álcool foi responsável por 7,2% das mortes prematuras (de pessoas com menos de 69 anos) em 2016.

Além disso, 13,5% das mortes entre 20 e 29 anos são atribuídas ao álcool. A estimativa da organização é que 237 milhões de homens e 46 milhões de mulheres sofram com transtornos relacionados ao consumo de álcool, com maior prevalência entre homens e mulheres na Europa e na região das Américas. O estudo indica que o problema é mais comum em países de alta renda.

O consumo médio diário de pessoas que bebem álcool é de 33 gramas por dia, o equivalente a dois copos de vinho, uma garrafa grande de cerveja ou duas doses de bebidas destiladas. A Europa registra o maior consumo per capita do mundo, embora tenha diminuído em mais de 10% desde 2010. Em todo o planeta, 27% dos jovens de 15 a 19 anos consomem álcool. As taxas são mais altas na Europa, Américas e no Pacífico Ocidental.

Ao todo, 95% dos países têm impostos sobre o consumo de álcool, mas menos da metade deles usa outras estratégias, como a proibição de vendas abaixo do custo ou descontos por volume. A maioria tem algum tipo de restrição à publicidade de cerveja, com proibições totais mais comuns para televisão e rádio, mas menos comuns para a internet e mídias sociais.

Fonte: Agência Brasil


Para Dentro de Você

Tente se imaginar dando dois passos de distância de si mesmo, e depois procure se observar à medida que prossegue em sua rotina diária.

Se você pudesse se ver nessa perspectiva ,quais seriam as coisas que você veria?

Quais seriam as orientações que você estaria ansioso por dar a si mesmo?

Quais seriam as oportunidades que seria capaz de se apontar?

Quais seriam os erros sobre os quais estaria se prevenindo, para não voltar a cometê-los?

A realidade é que a maioria de nós somos muito sensíveis quando se trata de observar e dar conselhos e orientações a outras pessoas, no entanto, quando isso diz respeito a observar e orientar a nós mesmos, freqüentemente nossa visão se torna distorcida, visto que estamos intimamente envolvidos com nós mesmos.

Quero encorajá-lo, a dar um passo atrás.

Dê hoje a você o melhor de todos os presentes: dê oportunidade a Deus de sondar seu interior.

Ele já sabe de tudo, mas vai fazer um bem enorme o exercitar de uma singular transparência diante daquele que deseja fazer algo inusitado no seu coração.

Ao fazer isso descobrirá algo novo, conquistando uma direção sólida e segura.

“Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração, prova-me e conhece os meus pensamentos; vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno.” Salmos 139.23 e 24