Cafeína

share on:

25/04/2018

Primeiro, veio o café “Desejo de Morte”. Depois, o “Insônia Negra”. O que esses 2 produtos têm em comum, além dos nomes assustadores, é que são considerados os cafés mais fortes do mundo. Uma xícara com cerca de 350 mililitros dessas bebidas poderosas apresenta cerca de 700 miligramas de cafeína, o que seria um teor 200 por cento superior ao de cafés convencionais.

O site do Desejo de Morte informa que os grãos utilizados para compor sua mistura são provenientes da Índia e do Peru. A maior porção seria de grãos do tipo arábica, mas também há o robusta na composição, segundo o fabricante, para adicionar mais sabor e cafeína ao produto. O tipo de torra também colaboraria para acentuar a presença da substância.

Quanto ao Insônia Negra, o site diz que fazem parte da mistura grãos provenientes do Equador, da Guatemala, de Ruanda e do Brasil! O portal não informa qual o tipo de grão utilizado, mas acredita-se que o robusta prevaleça.

Fonte: Canal Rural

 

Entrevista com o cardiologista Luiz Antonio Machado César. Ele fala sobre cafeína. Confira:

 

Estresse e chocolate são gatilhos de enxaqueca

A enxaqueca é uma doença causada por uma série de alterações bioquímicas cerebrais e não deve ser confundida com uma dor de cabeça comum. A condição afeta 1 em cada 10 pessoas em todo o mundo, de acordo com dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), e é um problema hereditário.

A dor de cabeça é o principal sintoma da enxaqueca, mas existem vários outros, como náuseas, vômitos, tonturas e intolerância à luz, ao barulho e a cheiros. É o que explica a neurologista Thaís Villa, diretora do Headache Center Brasil e professora da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

Marcelo Ciciarelli, membro titular da Academia Brasileira de Neurologia, deixa claro que os gatilhos variam de pessoa para pessoa. Por isso, os médicos não costumam entregar uma lista de proibições aos pacientes com enxaqueca. Para reconhecer esses gatilhos, a pessoa deve anotar os alimentos que consumiu no dia e as situações a que foi exposto. São gatilhos: estresse, alterações hormonais, jejum prolongado, bebidas alcoólicas, alterações na rotina de sono, mudanças climáticas; luzes fortes, café, chocolate e sorvete.

É possível se afastar de alguns gatilhos com mudanças na rotina de sono e alimentar. Já os ambientais, como cheiros, luz e barulho são impossíveis de evitar a exposição. Por isso, os médicos batem na tecla da importância de tratar a doença. Além de uma boa noite de sono, a prática regular de atividade física ajuda na prevenção de enxaquecas.

Fonte: vivabem.uol.com.br

 

Auxílio-doença pode ser encerrado sem necessidade de nova perícia

A Turma Nacional de Uniformização do Conselho da Justiça Federal decidiu que o pagamento do auxílio-doença pode ser encerrado em data predeterminada por um médico perito, sem necessidade de nova perícia pelo beneficiário.

Mesmo assim, pela decisão, o beneficiário que não se sentir apto a voltar ao trabalho na data definida poderá solicitar a prorrogação do auxílio (mantido automaticamente até a realização da nova perícia).

O benefício é pago pelo INSS ao segurado que comprove, mediante perícia, estar temporariamente incapaz para o trabalho por ter contraído alguma doença ou ter sofrido algum acidente.

A decisão da turma do CJF tem força de jurisprudência para tribunais e juizados especiais, responsáveis por julgar causas de até 14.000 reais.

Fonte: G1

 

Tensão Entre Agir e Esperar

Embora nunca tenha conhecido um místico pessoalmente, me parece um trabalho interessante: ficar sentado o dia inteiro meditando e, vez por outra, dizer algo que soe sábio e profundo. Ao redor, pessoas falando em sussurros, temendo interromper o processo profundo de seus pensamentos: “Silêncio! Ele está meditando!”.

No mundo profissional e empresarial do século 21, existe pouco espaço para misticismo. Somos movidos pela ação, determinados a produzir resultados rápidos e em escala. Não se pode fazer isso simplesmente sentado e pensando. Ouviríamos: “Não fique aí sentado, faça alguma coisa!” Não há tempo para meditação.

Isto está certo? Será que a abordagem do tipo, “Faça alguma coisa, qualquer coisa, mesmo que dê errado”, em relação a prazos, projetos e metas é a melhor?

Para muitos líderes “tipo A”, a resposta seria sim. Cheios de ideias, energia e determinação, insistem em manter as engrenagens girando, quanto mais rápido melhor. Mas a experiência ensina que esperar às vezes é uma “ação” mais sábia do que agir. Um ex-colega costumava manifestar esta percepção: “Por que nós não tínhamos tempo para fazer (esta tarefa) corretamente da primeira vez, mas arranjamos tempo para fazê-la de novo?” Outro amigo tinha um cartaz em seu escritório onde se lia: “Deixar de planejar de sua parte, não constitui uma emergência da minha!” Em outras palavras, se estivermos dispostos a desacelerar tempo suficiente para pensar, podemos ser mais bem sucedidos e cometer menos erros.

Mas há outro lado para esta questão. Algumas vezes, a despeito de nossos desejos e esforços, esperar é a única opção. Não sendo paciente por natureza, acho isso difícil. Mas olhando para trás, tenho descoberto que vale a pena esperar. Houve ocasiões em que acreditei que era tempo de mudar de carreira e estava pronto para seguir em frente. Circunstâncias, porém, exigiram que eu esperasse. Quando tive nova oportunidade, foi melhor do que eu tinha imaginado. Como você tem lidado com a tensão entre esperar e agir?

Por: Robert J. Tamasy