Avós que cuidam de netos

share on:

22/11/2017 – FIQUE POR DENTRO

De acordo com um novo estudo divulgado pela publicação americana Evolução & Comportamento Humano, avós que ajudam a cuidar dos netos vivem mais do que aqueles que não participam tanto da rotina das crianças.

Para essa descoberta, foram estudados 500 idosos entre 70 e 103 anos. Eles analisaram 3 grupos: dos que não eram avós, dos avós que não ajudavam muito a cuidar dos netos e dos que faziam isso ocasionalmente.

Os idosos que cuidavam dos netos tiveram uma vida mais longa. Eles viveram cerca de 10 anos depois que o estudo foi feito. Os que não ficavam muito com crianças, faleceram cinco anos após a pesquisa. Também se concluiu que os idosos que não tinham netos, mas cuidavam de outras crianças, também viveram mais.


Entrevista com a life coach, Luciane Cadan. Ela fala sobre a birra das crianças. Confira:

 


Comer muito rápido faz mal para a saúde

Comer lentamente, saboreando cada mordida e sem distrações pode parecer um luxo para muita gente. Mas é fundamental para a saúde, segundo um estudo da Associação de Cardiologia dos Estados Unidos.

Devorar os alimentos não dá ao cérebro tempo suficiente para registrar que estamos satisfeitos. E aumenta em 5 vezes o risco de uma síndrome metabólica, caracterizada por um conjunto de fatores de risco relacionados a doenças cardiovasculares e diabetes, como obesidade, pressão alta e taxas elevadas de colesterol.

Além disso, um estudo anterior já havia indicado que comer devagar é uma estratégia eficaz para perder peso. A pesquisa, realizada pela Universidade da Carolina do Norte, constatou que obesos que praticam técnicas de estado de atenção plena perderam 2kg em 2 semanas, enquanto quem continuou comer rápido emagreceu 300 gramas.

Série: crise política na Catalunha – Qual foi a reação do governo Espanhol?

De forma imediata, a primeira reação foi logo no dia do referendo, ou seja, no dia 1 de outubro, quando a polícia atuou na tentativa de frear a votação, incluindo o uso da violência.

Do ponto de vista jurídico, em resposta ao movimento separatista, o governo espanhol acionou o artigo 155 da Constituição de 1978. Em uma reunião com o Conselho de Ministros, no dia 21de outubro, o Presidente espanhol, Mariano Rajoy, aprovou a ativação desse artigo.

Do ponto de vista do governo espanhol, esse artigo pode conferir ao governo de Madri plenos poderes sobre a região catalã. De forma temporária, a autonomia conquistada pela Catalunha pode ser retirada. Assim, Madri pode assegurar o controle total sobre todo o organismo governamental catalão, o que inclui, por exemplo, as forças de segurança, os canais de televisão e as finanças.

O objetivo do governo espanhol é realizar novas eleições em breve. Assim, todos os membros do atual corpo administrativo catalão deixarão seus cargos.

Vendo além do avesso

A Bíblia e a experiência testificam: a vida é uma obra de arte. Na encantadora percepção e poesia do cantor Stênio Marcius, a vida é obra de tapeçaria! No entanto, obra de tapeçaria é “tecida de cores alegres e vivas que fazem contrastes no meio das cores nubladas e tristes”.

Assim, conforme reconhece o próprio Stênio, quando surge “uma cor escura, densa; dói, é ruim, sem dúvida”. O fato é que a gente precisa acreditar que o tapeceiro, que é Deus, sabe o que está fazendo, “sabe o fim desde o começo” e que no fim das contas tudo coopera para o nosso bem. A fé nos faz antecipar e enxergar a obra pronta, começamos a ver a vida do lado certo e não do avesso. Aleluia, Deus é o grande tapeceiro! Com sua habilidade e arte vai tecendo nossa vida!

O salmo 85 ilustra de forma muita rica esta verdade: a vida é um contraste de cores. O salmo está dividido em três momentos: no primeiro (vs.1-3), os verbos estão no passado e descrevem com cores vivas e alegres um momento de restauração na vida do povo (provavelmente a volta do exílio). Todo o país estava em festa, havia benção e prosperidade. No segundo momento (vs.4-7), os verbos estão no imperativo, são orações para que Deus restaure novamente a sorte de Israel. São tempos difíceis, tempos de crise; as cores tornam-se escuras e densas. Mas o salmista conhece o seu Deus, sabe que Ele é o Deus da restauração (que nos dá motivos de celebrar/festar), fez no passado e pode fazer novamente. No último momento (vs.8-13), a visão do salmista é futura. Ele vê novamente uma festa, e que festa! É uma grande “coreografia universal”! Os pares se juntam para a dança, se beijam e geram fruto. Que pares! Graça (amor leal) e verdade; justiça e paz. Deus e o ser humano (céus e terra) cooperam numa grande força tarefa. Resultado: benção/alegria/alimento (festa). O destaque na palavra terra evidencia que os tempos de crise se resumem a falta de pão (fome), por isso, a restauração assume a forma de grande colheita.

O povo da Bíblia vivia basicamente da agricultura/ pecuária, por isso a terra torna-se termômetro da vida, se a terra está produzindo então há festa/alegria/benção e prosperidade, ao contrário, instalam-se os tempos difíceis (crise). Atualizando, a “falta de pão” em nossos dias toma a forma do desemprego, enfermidades graves, relacionamentos desestruturados (qualquer situação que ameaça a vida).

São tempos de crises, a paz é roubada. Mas, quem crê em Deus, mesmo na crise, sabe que dias melhores voltarão. Esta nova perspectiva começa quando paramos para escutar Deus. Acho muito significativo que Jesus tenha começado seu ministério em uma festa de casamento (cf. Jo. 2: 1-12). O vinho acabou, a crise chegou; porém, ele estava presente. Ele é a garantia que a festa deve continuar!

Pr. Israel Sifoleli