Arranjo

share on:

27/09/2018 – FIQUE POR DENTRO

Para que uma organização, uma comunidade ou um sistema funcione, é necessário que todos os seus elementos estejam combinando. Ou bem arranjados. Na música não é diferente. Mas não pense que arranjar músicas é uma tarefa fácil. A atividade é tão desgastante que até mesmo o maestro Tom Jobim, assim que ficou famoso, tratou de terceirizar esse procedimento.

Na música, a função de cada instrumento e a preparação de uma composição para a execução por um grupo específico de vozes ou instrumentos é denominado arranjo. Todas as músicas possuem seu arranjo. Alguns são mais elaborados, como aqueles que são executados por orquestras. Outros são mais simples, como aquele forrozinho maroto.

Assim como em nosso sistema digestivo, um “desarranjo” pode trazer danos irreparáveis à reputação de um músico. Por isso, é importante caprichar nesse processo. É necessário saber para que e para quem se destina o trabalho a fim de que a mensagem seja transmitida de forma clara e objetiva no resultado final.

Ao recriar um material para que fique diferente das execuções anteriores ou para tornar a música mais atraente para o público, o arranjador precisa estar ciente dos recursos disponíveis, tais como a instrumentação e a habilidade dos músicos.

Deve também planejar seu trabalho e conhecer bem seus objetivos. Em muitos casos, o arranjo inclui a mudança no estilo da música. É possível, por exemplo, transformar um samba em um rock ou uma peça composta para uma voz solista para ser cantada por um coral.

O arranjo pode ser uma expansão, quando uma música para poucos instrumentos é executada por um grupo musical maior como uma orquestra ou grupo coral. Pode também ser uma redução, como quando uma música para orquestra é reduzida para ser tocada por um conjunto menor ou mesmo por um instrumento solista.

Fonte: sescsp.org.br


Entrevista com Ivan Teixeira. Ele é músico, produtor musical, compositor e arranjador. Confira:

 


Aquecimento global pode modificar eixo de rotação da Terra

O descongelamento dos polos está provocando uma sobrecarga lateral que torna a rotação da Terra sobre seu próprio eixo menos estável. Devido ao aquecimento global, causado em parte pela ação humana, a camada de gelo da Groelândia perdeu uma massa equivalente a 7 bilhões e quinhentas milhões toneladas que foi parar no oceano após o derretimento, afetando a estabilidade de rotação do planeta. As conclusões foram apresentadas em uma pesquisa do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa.

“Uma massa que está a 45 graus em relação ao Polo Norte, que é a Groelândia, ou em relação ao Polo Sul, como as geleiras da Patagônia, ao se deslocar, terá um impacto maior em modificar o eixo sobre o qual a Terra se desloca do que a movimentação de uma massa que está logo ao lado do polo”, afirmou Eric Ivins, pesquisador do JPL e coautor do estudo. O deslocamento das massas de gelo é um dos três fatores que os cientistas apontam como causas de instabilidade e de deslocamento do eixo de rotação terrestre.
Outro tem relação com o “surgimento” de rochas onde anteriormente havia uma camada de gelo e que já não estão sob pressão desse peso. Um terceiro motivo apresentado pelos especialistas é a chamada convecção do manto, causada pelos movimentos das rochas fundidas que estão sob altas temperaturas nas profundezas da Terra.

Segundo o estudo, a camada que está entre o núcleo e a superfície do manto terrestre pode sofrer variações com os movimentos de subida ou descida das rochas incandescentes, o que gera também instabilidade na rotação do planeta e modifica o eixo.

Ao analisar as medições realizadas durante o século 20, o JPL calculou que o eixo de rotação da Terra se deslocou aproximadamente 10 centímetros por ano, o que representa cerca de 10 metros ao longo de todo o século.

Fonte: UOL


Harmonia no Relacionamento

Uma verdadeira harmonia nos relacionamentos só é possível quando cada uma das partes esteja comprometida em resolver a discórdia.

Quando surgem dificuldades em seus relacionamentos mais íntimos, será que você é capaz de lidar com elas com zelo e cuidado? Ou sob o impacto da ira você reage rapidamente, tentando se distanciar do conflito?

Conflitos em relacionamentos se resolvem em torno de três palavras-chaves: conscientização, aceitação e ação.

Primeiro, conscientize-se do que realmente você quer ou necessita.

A seguir ouça o outro e procure descobrir o que ele ou ela deseja ou precisa.

Depois aja. Tome uma atitude para restaurar a harmonia.

Um relacionamento quebrado traz consigo sérias e devastadoras consequências. Busque a Deus, sua perspectiva e coração para a solução desse conflito, sem esquecer a harmonia.

Algo que fora tão sonhado pode se transformar numa acalentadora realidade.

“Do mesmo modo vocês, maridos, usem de consideração no convívio com a esposa, e tratem-na com honra, como parte mais frágil e coerdeira do dom da graça da vida, de forma que não sejam interrompidas as suas orações.” 1Pedro 3.7