Aquários

share on:

10/03/2017

Eles podem ser grandes atrações em cidades costeiras ou ficar a quilômetros de distância do litoral. Os aquários espalhados pelo mundo aproximam as pessoas dos animais marinhos, deixando-as pertinho de várias espécies, como tubarões, golfinhos e diferentes tipos de peixe.

Alguns deles têm tanques gigantescos, com grandes painéis e túneis transparentes, e variedades de animais, representando habitats naturais de diferentes ecossistemas ao redor do planeta.

O site Hotel Urbano listou alguns dos aquários maiores do mundo. Confira:

Georgia Aquarium, em Atlanta nos Estados Unidos – Conhecido como o aquário mais mágico do planeta, o Georgia Aquarium possui o maior tanque de peixe e é lar para mais de 500 espécies diferentes marinhas.

Dubai Mall Aquarium, Dubai nos Emirados Árabes Unidos – O Dubai Mall Aquarium é um gigantesco aquário, no centro de um dos maiores shoppings do mundo. De acordo com o Guinness, possui o maior painel de acrílico do planeta, de 8,3 por 33 metros e capacidade de 10 milhões de litros de água.

Okinawa Aquarium, Okinawa no Japão – A maior atração do Okinawa Aquarium é o tubarão-baleia, uma das espécies mais raras que vive no tanque principal com outros 21 mil animais.

 


Com o diretor de marketing do Aquário de São Paulo, Marcio Duarte. Ele fala sobre o Aquário

 

Comer demais é ruim para o meio ambiente e prejudica a alimentação mundial

 Comer demais afeta mais do que o seu peso. Pode prejudicar a alimentação da população mundial e o meio ambiente.

De acordo com um estudo da Universidade de Edimburgo, quase 20% dos alimentos produzidos são desperdiçados pelos consumidores. A população mundial consome cerca de 10% mais alimentos do que precisa, enquanto quase NOVE por cento é jogado fora ou deixado para estragar.

Usando dados coletados pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, pesquisadores examinaram 10 etapas fundamentais no sistema alimentar global, incluindo o consumo de alimentos e o crescimento e colheita de culturas. A equipe descobriu que mais alimentos são perdidos do se pensava anteriormente.

Quase metade das colheitas, o que representa 2,1 bilhões de toneladas, são perdidas por consumo excessivo, desperdício e ineficiência nos processos de produção, dizem os cientistas. Para os pesquisadores, uma forma de reduzir o desperdício seria incentivar as pessoas a comerem menos produtos animais, reduzir o desperdício e não exceder as necessidades nutricionais do organismo.

 

Museu do Morro da Caixa D’Água Velha

O Morro da Caixa D’Água foi durante 142 anos o único reservatório de água da cidade de Cuiabá. Construído no século 19, na gestão do coronel José Maria de Alencastro, presidente da Província de Mato Grosso, as caixas d’água submersas recebiam água direto do Rio Cuiabá e por gravidade distribuíam para as bicas espalhadas em diferentes pontos da cidade. Tinha capacidade para armazenar mais de um milhão de litros de água. E no final de 2007, o local foi redescoberto e recuperado transformando-se em um museu.

Ele conta com uma mostra permanente de objetos que compuseram sua própria história, como tubos de ferro fundido e registros usados no controle da distribuição de água. A estrutura interna conta com 3 vãos de 13 metros de largura, cada um com 45 metros de comprimento. Ali está localizado o museu, que é todo revestido em barro socado com tijolinhos. Na parte superior, foram construídos vários espaços, como um grande deck de madeira contornando uma grande ximbuva, uma árvore antiga usada pelos ribeirinhos para a produção de viola-de-cocho.

O Museu do Morro da Caixa D’Água Velha fica na Rua Nossa Senhora de Santana, 1105 no Centro Sul em Cuiabá. Mais informações: (65) 36-17-12-25.

 

Nossas Decisões e Suas Consequências

Na vida, quando as coisas ficam fora de controle, a quem atribuir culpa? A experiência me ensinou que sou eu quem cria grande parte do meu próprio caos. E creio que isso pode se aplicar a você também! É universal: somos individualmente responsáveis pela turbulência em nossas vidas, ao menos por grande parte dela.

Vivemos em um mundo em que as pessoas querem lançar culpa das circunstâncias sobre alguém ou alguma coisa: pais, empregados, empregadores, ambiente, sociedade, situações. Na realidade, porém, quando as coisas dão errado e queremos saber o motivo, tudo o que precisamos fazer é olhar no espelho.

Alguns veem a insatisfação no casamento aumentar, mas foram eles que decidiram dizer “sim” para legalizar a união com seu cônjuge, e criaram um tipo de “agenda de manutenção”, que os deixou desiludidos e desapontados.

Você já se sentiu infeliz com seu trabalho? Conscientize-se que você decidiu trabalhar ali, influenciou ou permitiu condições que contribuíram para seu sentimento de desconforto, infelicidade e insatisfação.

Vez após outra tenho aprendido que grande parte das consequências difíceis e desafiadoras com as quais tive de lidar foi resultante de minhas decisões prévias, erradas ou deficientes. O que posso fazer a respeito? Embora eu não possa mudar o passado, tento agora tomar decisões melhores desde o início. Creio que foi Einsten que definiu a “loucura” como “fazer a mesma coisa vez após outra, esperando obter resultado diferente.” Será que não é sua hora de mudar?

Como aprendemos a tomar decisões melhores e moldar um futuro mais atraente e satisfatório? Você já considerou a possibilidade de aprender a tomar decisões com a Bíblia? Se você pensa que ela é um livro religioso e que nada tem a ver com a vida profissional ou matrimonial, se enganou. Reis, e não foram poucos, tomaram decisões e construíram reinos justos porque usaram a Bíblia. Aliás, boa parte do Antigo Testamento se dá em contexto real. Muitas palavras escritas na Bíblia são fruto da vida e experiência de grandes líderes da nação de Israel. Reflita sobre essa valiosa oportunidade!

Texto de Ken Korkow, adaptado por Israel Mazzacorati