Apneia do sono

share on:

16/07/2018

Caracterizada por paradas respiratórias durante o sono, a apneia apresenta sintomas que devem ser investigados a fundo pelo médico. A doença pode agravar a obesidade, hipertensão e diabetes, além de levar ao óbito. A apneia afeta hoje quase 1 bilhão de pessoas em todo o mundo.

Depressão, redução da libido, impotência sexual e cefaleia pela manhã são outros sintomas da apneia. O problema pode elevar o risco cardiovascular, incidência de infarto, derrames cerebrais, arritmias cardíacas. Entre os sintomas mais comuns da apneia estão: cansaço, sonolência excessiva, irritabilidade, problemas de memória e dificuldade de concentração.

A queda da qualidade de vida, da produtividade e graves prejuízos no trabalho e vida social são algumas consequências. O sono superficial, fragmentado, e de má qualidade, contribui para a perda de memória e é importante fator de risco para depressão.

Felizmente, a tecnologia está a favor para o tratamento da apneia. A poligrafia é um exame simplificado que permite ao paciente diagnosticar e tratar do distúrbio diretamente de sua casa, acompanhado remotamente pelo médico especialista do sono.

Fonte: Gengibre Comunicação

 

Entrevista com a Dra. Morgana Nicolodelli, que é fisioterapeuta, especialista em fisioterapia cardiorrespiratória, com formação em medicina do sono no Instituto do Sono aqui São Paulo. Confira:

 

Menino brasileiro vai até Nova York para pedir que o português se torne língua oficial da ONU

A Organização das Nações Unidas recebeu, na última quinta-feira, em Nova York, a visita de um brasileiro de oito anos, um pequeno menino, mas com grandes planos. Vestindo terno e gravata, João Paulo Guerra Barrera, que tem dois livros publicados, dá palestras pelo Brasil e já ganhou um prêmio da Nasa, entregou à secretária geral da ONU para a Juventude uma carta pedindo a inclusão do português entre as línguas oficiais das Nações Unidas.

Ele falou sobre ciências, tecnologia, inovação, sobre a proteção ao planeta, reciclar materiais e ensinar o que sabe, sobre ter respeito pelas pessoas e ser feliz. A proposta do João é que o português entre na lista das línguas oficiais da ONU. Para isso, escreveu a próprio punho uma carta para António Guterres, o secretário geral da ONU. Ele acredita que dessa forma o Brasil ganhará forças para defender as ideias e projetos.

Fonte: G1

 

Jesus e as nossas doenças

“E os seus discípulos lhe perguntaram, dizendo: Mestre, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego? Jesus respondeu: Nem ele pecou nem seus pais; mas foi assim para que se manifestem nele as obras de Deus”. (João 9.2, 3)

As doenças sempre foram um mal da humanidade. A deterioração do corpo humano, seja pela velhice ou pela doença, é consequência do pecado que atingiu a todos nós.

Não podemos dizer que todos os doentes tem seu estado de saúde debilitado, provocado pelo pecado familiar. Quando os discípulos se depararam com este pobre cego, imediatamente perguntaram ao Senhor Jesus: “Quem pecou, este ou seus pais?” A pergunta dos judeus era acerca do pecado do pai que trazia consequências sobre as gerações futuras. A resposta de Jesus desmonta essa equivocada ideia dos judeus. Ele afirmou que a doença daquele homem serviria para mostrar a obra de Deus.

Naquele caso, a cegueira era o mal que estava fora do alcance de cura por meios humanos. Quando Jesus o curou, mostrou que Deus se compadecia dos doentes e que o poder de tirar o mal das pessoas estava em suas mãos. Jesus Cristo operou muitos milagres durante o tempo em que ele exerceu seu ministério. Ele causou espanto naquele tempo justamente por causa da quantidade de milagres que realizou.

Mas o milagre, como as curas, por exemplo, não definiam o seu ministério. Eles serviam para atestar que Jesus havia sido enviado da parte de Deus. Os milagres de Jesus eram manifestações da graça do Pai. Jesus Cristo tem poder e pode curar todas as doenças, se essa for a vontade do Pai.