Anabolizantes

share on:

10/11/2017 – FIQUE POR DENTRO

O uso de anabolizantes vem se tornando, a cada dia, um hábito comum, principalmente pelas pessoas que praticam esportes. Porém, o consumo excessivo desse tipo de produto é muito perigoso e pode causar danos irreparáveis ao corpo humano.

Dados do mercado de anabolizantes revelam que o número de usuários não para de crescer. Só nos Estados Unidos cerca de 3 milhões de homens fora do ambiente esportivo usam esteroides. E segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, no Brasil, um em cada 16 estudantes adolescentes já fez uso desse tipo de hormônio.


Entrevista com o personal trainer, Cristiano Parente. Ele fala sobre os perigos dos anabolizantes. Confira:

 


Museu da Universidade do Pará

Localizado na Avenida Governador José Malcher, número 1192, em Belém no Pará, o museu da Universidade Federal do Pará foi criado na década de OITENTA para identificar, difundir, preservar e valorizar a produção artística regional e nacional.

O prédio escolhido para sediá-lo demonstrava uma rara atenção à arquitetura eclética que surgira na Amazônia, como uma das mais importantes decorrências do chamado ciclo da borracha.

O museu conta com 2 salas de exposição de memória da Universidade, onde podem ser encontrados livros, comendas, fotos, documentos que contam parte da sua história. Uma biblioteca com fonte de pesquisa sobre artes visuais, folclore, música, cultura afro-brasileira, história, teatro e literatura, tendo sob sua guarda a Coleção Vicente Salles, que forma um verdadeiro painel do cotidiano amazônico do final do século 19.

Para obter mais informações sobre a agenda cultural do Museu da Universidade Federal do Pará, entre em contato pelo telefone: (91) 32-24-08-71.

Aproveitamento de águas das chuvas ganha novo incentivo no Brasil

O incentivo ao aproveitamento das águas das chuvas acaba de ganhar um reforço no Brasil. Com a alteração da Lei das Águas, publicado último dia 31, o Plano Nacional de Recursos Hídricos terá também como objetivo “promover a captação, a preservação e o aproveitamento de águas pluviais”.

Sancionada pelo presidente da República, Michel Temer, a nova lei teve origem no Senado Federal. Ela atualiza o texto de 1997 para garantir que as outras metas do plano continuem a ser alcançadas.

Assim, a nova medida se soma aos objetivos de assegurar a disponibilidade de água à atual e às futuras gerações com padrões de qualidade adequado; a utilização racional e integrada da água, incluindo o transporte aquaviário; e a prevenção e a defesa contra eventos hidrológicos críticos de origem natural ou decorrentes do uso inadequado dos recursos naturais.

Ouvir para uma vida melhor

“Não cesses de falar deste livro da lei;…” Josué 1.8 a

Ao encontrarmos uma pessoa logo pela manhã, dizemos “bom dia”. E quando estamos próximos sempre perguntamos: Tudo bem? Ou Como vai? Agora, nem sempre ouvimos a resposta, ou não prestamos atenção porque estamos apressados. Então por que perguntamos? Faz parte da “educação” ou é “cultural”? Todo mundo cumprimenta, todo mundo pergunta. E vamos confessar, não gostamos quando respondem ao nosso “bom dia” ou “como vai” e descarregam um caminhão de problemas em nossos sensíveis ouvidos.

Rubem Alves com muita propriedade disse que há muitas escolas que ensinam a falar, mas ele nunca viu uma que ensine a ouvir. O Senhor Jesus disse várias vezes: “Quem tem ouvidos, ouça…”. Deus Pai quando chamava a atenção para as Escrituras, no Antigo Testamento dizia: “Ouve, Israel…”.
Ouvir é fundamental. Quem não ouve, não deve falar. Quem não ouve, fala demais.

Esse verso nos mostra a importância que devemos dar ao “livro da lei”, ou seja, à Bíblia. Este imperativo é resumido por Jesus em Mateus 23.34 a 40 quando responde que o grande mandamento é “Amar a Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento” e completa em grau de importância, “Amarás o teu próximo como a ti mesmo”.
Amar a Deus e amar ao próximo, inclui ouvir o próximo.

Depois do verso acima, Deus fala a Josué, “antes, medita nele dia e noite,…”
Meditar no livro da Lei é meditar na palavra. Quem medita na palavra, fala melhor a palavra. Quem ama a palavra, medita na palavra. Meditar é refletir, considerar, estudar, pensar sobre, ponderar, prestar atenção e acrescento: ouvir.

Preste atenção no efeito instantâneo que há, quando ouvimos alguém se lamentando, reclamando ou desabafando uma dor, uma particularidade ou uma situação. Somente ouça, interessado. O resultado é surpreendente e faz um bem muito grande, para quem recebe a nossa atenção, ouvindo-o. Depois de ouvir, se você pode fazer algo, faça. Caso contrário, mostre-se solidário apenas com gestos, ou com um abraço. Pronto. Ao praticar este bem, você foi usado para que o dia desta pessoa seja melhor. Você foi obediente à palavra. Seu gesto foi nobre e colaborou na estatística celestial, apenas fazendo-se ouvinte.

Uma das formas de melhorar o relacionamento é ouvindo mais. Na oração, também é assim, ouça suas palavras. Medite nelas. “Meditar é a melhor ajuda para a memória”, disse Matthew Henry.