share on:

Img_IconeBaixar_680px

 

06 de janeiro de 2018

Leitura Bíblica: Isaías 60.1-3

Jesus disse: “Eu sou a luz do mundo. Quem me segue nunca andará em trevas, mas terá a luz da vida” (Jo 8.12).

N a leitura bíblica, Isaías convida o povo de Deus – os israelitas – a brilhar, iluminando tudo à sua volta a partir da glória do Senhor que raiava sobre eles. Em outro trecho, anuncia a chegada de uma luz que acabaria para sempre com a escuridão: “O povo que caminhava em trevas viu uma grande luz; sobre os que viviam na terra da sombra da morte raiou uma luz” (Is 9.2). O Novo Testamento mostra que Jesus era o cumprimento dessa profecia (Mt 4.15-16). Mais tarde, o próprio Senhor confirma isso ao dizer as palavras do versículo em destaque.

Por outro lado, no Sermão do Monte Jesus dirige-se aos seus seguidores com uma afirmação semelhante à de Isaías: “Vocês são a luz do mundo… Assim brilhe a luz de vocês diante dos homens…” (Mt 5.14a, 16a). Deixa claro que espera que sejam luz e brilhem de forma a iluminar as trevas. Isso aconteceria quando Jesus fosse visto nas atitudes e ações de cada pessoa que crê nele.

Afinal, quem é então a luz do mundo? Jesus Cristo ou o seu povo? Há uma ilustração que explica isso: o sol tem luz própria e, ao se levantar de manhã, expulsa a escuridão da noite. A lua faz algo semelhante, ainda que com menos intensidade: sua luz é suficiente para, por exemplo, mostrar o caminho à noite. No entanto, há uma diferença crucial entre sol e lua: a segunda não tem luz própria, apenas reflete o sol que, naquela hora, está oculto para quem vê a lua.
É isso que acontece com Deus e seu povo. Deus é a verdadeira luz, que traz vida e calor. A luz dos seguidores de Jesus não tem todas as qualidades nem a mesma força da luz de Cristo, mas ainda assim cumpre sua função quando brilha de forma desimpedida, como – para usar outro exemplo de Jesus (em Mt 5.15) – uma lâmpada em lugar alto e apropriado para iluminar a sala inteira e todos os que estão nela. – EGD

O brilho que Jesus espera de seus seguidores vem da obediência deles aos seus ensinos.