Compartilhe em:

Img_IconeBaixar_680px

 

01 de dezembro de 2018

Leitura Bíblica: Juízes 21.1-7

[Jesus disse:] Vocês ouviram o que foi dito aos seus antepassados: Não jure falsamente, mas cumpra os juramentos que você fez diante do Senhor. Mas eu lhes digo: Não jurem de forma alguma… Seja o seu “sim”, “sim”, e o seu “não”, “não”; o que passar disso vem do Maligno (Mt 5.33,34a,37).

O texto que serve de base para nossa reflexão no dia de hoje surge num período de relativismo de valores em Israel, tempo em que os israelitas não tinham um rei, os antigos líderes espirituais – Moisés e Josué – já haviam morrido (Jz 1.1) e cada um fazia aquilo que considerava certo (Jz 21.25). No Antigo Testamento, a lei de Moisés permitia que se fizessem juramentos, desde que a pessoa os cumprisse (Nm 30.2). E o texto de hoje nos conta sobre uma crise que surgiu no meio de Israel justamente porque se fez um juramento precipitado, que agora era difícil de cumprir.

Numa situação de julgamento a respeito de um crime bárbaro cometido nos territórios da tribo de Benjamim (Jz 19.22-25), as demais tribos de Israel, em assembleia, juraram que jamais dariam as suas filhas para se casar com um benjamita. Após este juramento, organizaram-se para uma guerra que gerou muitas mortes, na qual só seiscentos benjamitas sobreviveram (Jz 20.12-48).

Após “esfriarem os ânimos”, veio o remorso. Agora as demais tribos sentem compaixão daqueles sobreviventes que estavam sem esposas, ou seja, não poderiam ter descendentes. Estas tribos agora promovem novas matanças e “jeitinhos” para conseguir mulheres israelitas para estes homens (Jz 21.10-14,20-22).
Situações assim foram registradas na Bíblia para reforçar o quanto é legítima a ordem de Jesus de jamais jurar por coisa alguma (veja o versículo em destaque). Ele nos conhece melhor que nós mesmos. Logo, quando nos proíbe de jurar na realidade quer nos poupar de nos condenarmos com nossas próprias palavras, e mais: espera que seus seguidores sejam pessoas de caráter. – ALS

Quem tem bom caráter não precisa dizer “eu juro” para ter crédito no meio social