share on:

19 de Março de 2019

Eu vi a mãe descer do carro novo e abrir a porta de trás. E dalí, desceu um menino de aproximadamente uns cinco anos. Bonito, robusto, e… com um pano pendurado nas costas e uma máscara no rosto como se fosse a capa do super-homem…

Para aquele menino, sua identidade como pessoa capaz, não era ser bem-sucedido como seu pai, mas ser poderoso como um herói de revista em quadrinhos.

O que acontece a meninos como este ao enfrentar a frustração, a humilhação de suas próprias limitações humanas? Certamente buscará alguma fórmula que lhe faça sentir poderoso, capaz. Sentir-se poderoso não significa encarar com recursos humanos os desafios comuns da vida. Essa capacidade é o resultado de se enfrentar a vida com a “cara limpa“, careta, sem aditivos das mais diversas naturezas. Se hoje esta geração busca nas drogas, diversões religiosas e crimes a sensação de super poderes acabam em pura destruição de si e dos outros.

Jesus era conhecido como o filho do carpinteiro José. Os clientes daquela carpintaria conheciam o filho mais velho daquela família que ajudava o pai. Jesus teve vida familiar e um ofício que lhe dava uma identidade social, comunitária, profissional e espiritual.

Oro para que você, no exercício de sua profissão e na sua vida familiar seja um exemplo para filhos, sobrinhos, netos e afilhados. Eles precisam de exemplos de artesãos, artífices da vida normal. Gente comum que encara os problemas da vida com recursos humanos e não com superpoderes vindos sabe-se lá de onde! Hoje é comum colocar a vida cristã como um poder capaz de nos fazer viver acima das circunstancias. Isso funciona como droga pois não é real. O cristão chora com os que choram, alegra-se com os que se alegram e buscam, ao reagir a vida, como seres humanos, viver de modo digno do Senhor Jesus que morreu na cruz para a glória de Deus.

Jesus é Deus conosco, encarnado nesta vida. Assim ele nos revela o Pai celestial. Assim podemos imitar a Jesus na caminhada com Deus, nesta vida com segurança eterna nas dificuldades normais da existência. O poder de Deus é para amar a Deus sobre todos os relacionamentos e ao próximo como a si mesmo. Este é o poder que não oprime porque se coloca junto e não acima da própria humanidade.

É assim com você? Assim construímos vidas verdadeiramente humanas diante de Deus e do próximo.


I Coríntios 4:6 e“Seja meu imitador como eu sou de Cristo Jesus”. Este foi o pedido do apóstolo Paulo ( Tarso, c. 9 — Roma, c. 64 aos cristãos de duas grandes cidades. Efésios 5:1 “Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados..“
Hebreus 4:14-15 “Portanto, visto que temos um grande sumo sacerdote que adentrou os céus, Jesus, o Filho de Deus, apeguemos-nos com toda a firmeza à fé que professamos, pois não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas, mas sim alguém que, como nós, passou por todo tipo de tentação, porém, sem pecado.” Marcos 12: 30-“Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento.E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes“. Os fundadores da Igreja declaram que o Evangelho de Marcos foi escrito depois da morte de Pedro, que aconteceu durante as perseguições do Imperador Nero. A maior parte das evidências sustenta uma data entre 65 e 70 d.C.