share on:

21 de Junho de 2020

O que significa a educação não sexista? É aquela educação que deseja que meninos e meninas reconheçam que os dois gêneros tem capacidades científicas, inteligência igual. Assim facilitarão que as mulheres tenham acesso a toda e qualquer profissão. Nada mais justo, concorda? No entanto essa proposta não-sexista não fica aqui. Ela propõe que cada referência específica aos gênero masculino e feminino seja eliminada. O objetivo é diminuir a rejeição a qualquer mudança de gênero que uma criança queira fazer. Então a cor azul não caracteriza mais os meninos como a cor de rosa não caracteriza mais a menina. Não é mais mencionado que os meninos são mais fortes do que as meninas. O objetivo é apagar qualquer referência de que a menina tenha menos força física para se confrontar com um menino. Mas a realidade não é apenas cultural, mas também biológica. Então foi preciso criar leis contra a violência sobre a mulher. Você percebe? Se os dois são iguais, por que criar leis especificas para um grupo e não para o outro?

É possível entender o desejo e a necessidade de eliminar certa maneira de pensar que considera a mulher como um ser humano inferior. Ser diferente não significa ser inferior. Ter habilidades diferentes não significa menor valor humano. Essas diferenças exigem, na verdade uma estreita cooperação mutua. Quem não tem, certa habilidade ajuda aquele que tem e vice versa.

A narrativa cristã aponta para a realidade do ser humano homem e mulher. O Espirito Santo de Deus revela que diante de Deus Pai “…não há judeu nem grego; não há escravo nem livre; não há homem nem mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus.”1 Por isso a narrativa divina declara que há uma fragilidade na mulher, apesar de ser uma companheira extremamente capaz,2 para o gênero masculino essa diferença dá ao homem a responsabilidade de cuidar dela, não de oprimi-la. Por outro lado, a narrativa cristã orienta a mulher a respeitar o marido,3 o gênero masculino. Não por medo, mas por consideração pelas diferenças.4

Educar as crianças assim é contribuir para uma cooperação e respeito pelas diferenças tratadas em amor e responsabilidade mútua. Você precisa posicionar-se a respeito desse modo de pensar e agir!

Esta mensagem responde à pergunta: Quais as implicações da educação sexista?

Tarefa para Hoje: Você precisa conscientemente, promover a educação das crianças segundo critérios divinos. Esses têm natureza divinos.

1 Gálatas 3:27-29 “…pois todos quantos em Cristo fostes batizados, de Cristo vos revestistes. Não há judeu nem grego, escravo ou livre, homem ou mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus. E, se sois de Cristo, então, sois descendência de Abraão e plenos herdeiros de acordo com a Promessa.” Instruções do apóstolo Paulo aos cristãos da Galácia que desejavam buscar o favor de Deus retornando aos costumes judaicos, escrito entre 48-58 d.C. 2 I Pedro 3:7 “Igualmente, vós, maridos, vivei com elas com entendimento, dando honra à mulher, como vaso mais frágil, e como sendo elas herdeiras convosco da graça da vida, para que não sejam impedidas as vossas orações” Esta carta foi escrita para confortar os cristãos da igreja na Asia Menor que sofriam perseguição por causa de sua fé por volta de 62 e 69. 3 Efésios 5:33b “…e a mulher trate o marido com todo o respeito.” Carta do apóstolo Paulo aos cristãos na cidade de Éfeso por volta de 62-63 d.C. enfatiza é o propósito eterno de Deus: Jesus Cristo é a cabeça da Igreja, formada a partir de muitas nações e etnias. 4 Colossenses 3:18 “Mulheres, sujeite-se cada uma a seu marido, como convém a quem está no Senhor.” Nesta carta o apóstolo Paulo diz aos cristãos de Colossos que abandonem suas superstições e que Cristo seja o centro de sua vida. Paulo escreve esta carta durante o seu segundo e último encarceramento.