Pastores da China desafiam perseguição

share on:

12/02/2019

Uma das histórias apuradas, foi a de Bai Yahui, uma cristã da China Central. Ela contou como a polícia havia fechado todas as igrejas domésticas na região, avisando que os pastores não deveriam mais realizar nenhum culto ou qualquer outro tipo de reunião entre cristãos. Ela disse que os pastores da área foram orientados a ir à delegacia toda vez que recebiam uma ligação policial para que eles relatassem seus movimentos e atividades. A polícia liga frequentemente em horários aleatórios. Bai, contou que apesar da liderança local estar no limite, a fé e a determinação dos cristãos cresceram. Agora eles começaram realizar reuniões menores e muitos líderes jovens estão se levantando para atuar nesses cultos domésticos.

Outro pastor, Tito, tem alcançado jovens por meio do discipulado há muitos anos. Em reprimenda a iniciativas como esta, em 2017, o governo chinês novamente proibiu todas as atividades de jovens cristãos. Este novo movimento basicamente considerou crime qualquer tipo de trabalho cristão com jovens. Mesmo assim Tito continua discipulando aqueles que estão dispostos a pagar o preço. Para não colocar os jovens em risco eles se reúnem para praticar esporte, tocar instrumentos musicais e depois fazem estudos em grupo. Tito destacou que o sentimento de amor e solidariedade é incrível. Durante o encontro da Portas Abertas, norte americana, com líderes cristãos na China, dois pastores receberam telefonemas de familiares 24 horas após a partida, alertando-os de que a polícia estava procurando por eles. As autoridades queriam saber sobre seu paradeiro e por que não haviam retornado suas ligações. Bai Yahui destacou que apesar da tensão gerada pelo cerco fechado do Partido Comunista sobre as igrejas, os pastores não se intimidam.

Fonte: Site Guiame

Produção e apresentação: Daniel Beltrão
Coordenação: Kaká Rodrigues
Supervisão:André Castilho
Realização:Rádio Trans Mundial