Pastor nigeriano diz que só a morte pode os impedir de servir a Deus

share on:

22/04/2019

Apesar dos ataques do Boko Haram, grupo terrorista ligado ao Estado Islâmico que atua em países do continente africano, cristãos no nordeste da Nigéria, permanecem firmes em sua fé. As localidades que mais correm riscos são as aldeias predominantemente cristãs ao redor de Gwoza e Chibok.

Desde 2010, o grupo terrorista lançou uma campanha para estabelecer no país a lei da Sharia, conjunto de leis islâmicas baseadas no Alcorão. Outro objetivo do grupo é forçar os cristãos a se converterem ao Islã ou serem mortos caso se neguem. A região de Chibok, no norte da Nigéria, tem sofrido com inúmeros ataques, mas, de acordo com o reverendo Philip Madu, as “crianças e adultos ainda se reúnem em igrejas para manter comunhão, apesar da situação”.

Presidente da Associação Cristã da Nigéria em Chibok, o reverendo Madu disse que as igrejas da região não pararam de adorar a Deus apesar dos ataques. Nesses quase 10 anos de insurgência do Boko Haram, houve o sequestro há cinco anos de cerca de 300 estudantes na aldeia, a declaração de um califado islâmico na região, e jihadistas destruíram centenas de igrejas e mataram milhares de cristãos. Os ataques já deslocaram mais de 2 milhões de pessoas.

Expressando a resiliência da Igreja, o reverendo Madu disse ainda que “os cristãos adotaram a estratégia de ir à Igreja já às 6h da manhã devido às ameaças dos insurgentes”, e que nenhuma ameaça vai os impedir de servir a Deus a menos que estejam mortos.

De acordo com repórteres da Global Christian News, o movimento de entrada e saída da aldeia de Chibok é monitorado de perto por soldados bem armados, além de existir um longo e estreito posto de controle, com veículos blindados e caminhões com armas de revista.

A Nigéria tem aproximadamente 196 milhões de habitantes, dos quais 91 são cristãos. O país está na 12º posição, na lista elaborada pela missão Portas Abertas, entre os 50 que mais perseguem ao cristianismo no mundo.

Fontes: Sites Guiame e Portas Abertas

Produção e apresentação:Daniel Beltrão
Coordenação:Kaká Rodrigues
Supervisão: André Castilho
Realização:Rádio Trans Mundial