Mais de 500 candidatos usam títulos religiosos em seu registro eleitoral

share on:

23/08/2018

Estamos em ano de eleição e num país predominantemente cristão, formado por 65 por cento de sua população de católicos e 23 por cento de evangélicos, esses votos são disputados com muito afinco. Com olho nesse segmento candidatos tem se apresentado com títulos religiosos como forma de apelo a esse público. Segundo o TSE -Tribunal Superior Eleitoral, mais de 500 candidatos adotaram essa estratégia e estão usando títulos religiosos no nome de urna. Entre eles estão os títulos de pastor, padre, bispo, irmão, missionário ou apóstolo.

O nome de urna pode ser um sobrenome, prenome, nome abreviado ou até um apelido de no máximo 30 caracteres.

A pesquisa que foi realizada recentemente levou em conta os pedidos de registro atualizados até a sexta-feira passada. De acordo com Gabriela Figueiredo Netto, doutoranda em ciência política na USP, essa prática faz com que eleitores religiosos identifiquem seus candidatos.

Gabriela comentou que teoricamente ambos se aproximam das mesmas ideias e dos mesmos interesses. O principal título religioso utilizado nos pedidos de registro de 2018 é o de “pastor” ou “pastora”, em 313 casos, seguido por “irmã” ou “irmão” com 97 e “missionário” ou “missionária”, com 40 registros.

Fonte: Gospel Prime

 

Produção e apresentação: Daniel Beltrão
Coordenação: Kaká Rodrigues
Supervisão: André Castilho
Realização: Rádio Trans Mundial