Igreja na Holanda mantém culto por mais de 772 horas para proteger família de refugiados

Compartilhe em:

29/11/2018

Hoje, 29/11, uma igreja holandesa ultrapassou 772 horas, realizando um culto ininterrupto para impedir que uma família de refugiados armênios seja deportada do país.

Sasun e Anousche Tamrazyan e seus três filhos, Hayarpi, Warduhi e Seyran fugiram da Armênia há cerca de 9 anos após Sasun ter recebido ameaças de morte. Desde então eles se refugiaram na Holanda. Segundo o jornal holandês Quartz, um juiz havia lhes concedido asilo, mas o governo conseguiu derrubar a decisão. Um pedido de “perdão de crianças”, que é concedido a refugiados com filhos que viviam na Holanda por mais de cinco anos, também foi recusado.

Sem muitas alternativas a família pediu ajuda à Igreja Protestante Bethel e se refugiou no templo da denominação. Por lei, a polícia da Holanda é proibida de entrar em templos religiosos durante os cultos, por isso a igreja tem mantido desde 26 de outubro, um culto, que conta com o revezamento de pastores e é a garantia de impedir a deportação dessa família. Mais de 300 pastores de varias congregações têm participado do revezamento.

Theo Hettema, presidente do Conselho Geral dos Ministros Protestantes, disse que a igreja queria criar um diálogo com o governo sobre o dilema desta família.

Esse fato está acontecendo num momento em que movimentos anti-imigração de extrema-direita estão ganhando popularidade na Holanda. O que coloca a Igreja no posição sensível diante do governo e da sociedade.

Em seu site oficial, a igreja pediu orações pela família Tamrazyan, por sua membresia, sua liderança e por 400 outras crianças também ameaçadas de deportação. Foram pedidos também doações, mantimentos e voluntários para compor o revezamento permitindo a continuação do culto no templo.

Fonte: Guiame e do jornal Quartz

 

Produção e apresentação: Daniel Beltrão
Coordenação: Kaká Rodrigues
Supervisão: André Castilho
Realização: Rádio Trans Mundial