Evangelistas presos por pregar nas ruas do Reino Unido ganham liberdade

share on:

03/07/2017

Dois pastores evangelistas que haviam sido presos e condenados por perturbar a ordem pública com agravantes religiosos ganharam a causa na justiça e estão em liberdade. O caso aconteceu no mês de fevereiro em Bristol, no Reino Unido. Essa vitória tem sido motivo de encorajamento para os cristãos em todo o país.

Após ter sua vitória anunciada na Corte de Bristol, na última quinta-feira, dia 29, Michael Overd, um dos evangelistas preso, informou a BBC News que este não é um caso isolado do que ele considerou violação da liberdade de expressão. Overd tem 53 anos e prometeu que continuará levando a mensagem das Boas Novas, apesar das consequências que já sofreu por isso.

O segundo pregador, Michael Stockwell, de 51 anos, é nativo dos EUA. Ele disse estar feliz por tudo ter acabado, que seu coração arde pelo povo de Bristol e anseia que eles possam ouvir o Evangelho sendo pregado nas ruas sem impedimentos. Michael falou ao Jornal Premier que ficou chocado porque a mensagem do amor de Deus agora é considerada por alguns como odiosa. Ele disse ainda que a liberdade de expressão está sob crescente agressão no Reino Unido e que as pessoas devem ser livres para expressar suas crenças em público sem risco de danos, violência ou outras repercussões.

Os pregadores foram condenados e multados em fevereiro depois de serem acusados de disseminar o discurso de ódio contra muçulmanos e homossexuais por terem lido a Bíblia e dizerem que “Jesus é o único caminho para Deus” diante de um público de 100 pessoas no ano passado. Overd disse na audiência que ele não odeia muçulmanos ou homossexuais. Ele acrescentou que não concorda com a homossexualidade, mas não julga os homossexuais como sendo piores que qualquer pessoa.

Os juízes da Corte de Bristol disseram na quinta-feira passada que apesar dos relatórios das testemunhas de que os pregadores tentaram intencionalmente ofender as pessoas, não havia provas desde que a ofensa tivesse sido agravada religiosamente.

Andrea Williams, do Centro Jurídico Cristão, que defendeu os pregadores, elogiou a decisão do Tribunal e afirmou que em um momento em que os cristãos estão cada vez mais temerosos em expressar suas crenças no espaço público, este é um resultado bem-vindo e necessário.

Desde de reforma protestante o cristianismo é a religião oficial do Reino Unido e sua Igreja é a Anglicana. Aproximadamente 60% da população é cristã e 20% se declaram sem religião. O dado novo é o crescimento do islamismo que já tem mais de 11% de adeptos na população.

Fonte: Guiame e Christian Post

Confira a Reportagem:

 

Produção e apresentação: Daniel Beltrão
Coordenação: Renata Theodoro
Supervisão: André Castilho
Realização: Rádio Trans Mundial