Cristã iraniana é presa e difamada

Compartilhe em:

07/03/2019

O Irã é um país de maioria islâmica e trata todo nascido como muçulmano. Direitos humanos, direitos sobre crença e religião, são práticas inexistentes no pais. O cristão convertido do islamismo, e principalmente a mulher, é perseguido, vigiado, tem sua casa e bens confiscados e pode ser preso a qualquer momento sob acusações de pertencer a grupos evangélicos ou se engajar em atividades cristãs. As leis do país, são baseadas na Sharia, a lei islâmica, e dão embasamento para considerar as atividades descritas como agir contra a segurança nacional e contra o regime. O Irã está entre os 10 países que mais perseguem cristãos no mundo, de acordo com a Lista Mundial da Perseguição, que é elaborada pela missão Portas Abertas, e classifica os 50 países mais hostis ao cristianismo.

Foi nesse contexto que, Fatemeh Mohammadi se converteu a Jesus. Pouco se sabe sobre sua conversão. Ela ficou conhecida quando escreveu uma carta contando a maneira abusiva que foi tratada pelas autoridades, quando foi presa apenas por ser cristã. Fatemeh tem 19 anos e foi presa por se engajar em atividades cristãs e agir contra a segurança nacional por meio de propagação contra o regime. Isso porque, ela participava da igreja clandestina e doméstica no Irã e fazia evangelismo. Durante seus seis meses de pena, ela conta que era interrogada pelos guardas da Prisão de Evin, mas não por ser cristã ou participar de grupos cristãos, mas eles a incriminavam por ter relações sexuais ilícitas, que é um crime passível de morte no Irã. Ela sempre se defendeu dizendo que estava sendo difamada, e que nunca teve envolvimento em qualquer relacionamento. Ela relatou ainda que não entende porque da insistência nesse tema, que era abordado em todas as sessões de interrogatório. Eles não queriam saber se ela participava do grupo e nem a pressionavam para dizer outros nomes de participantes. Sem prova alguma, apenas a pressionavam para que confessasse suas relações ilícitas, que nunca ocorreram. Fatemeh entrava e saia da solitária, enquanto os guardas zombavam dela e continuaram a acusar de imoralidade.

Ela disse que só suportou tudo, porque decorou a Palavra de Deus, que vinha em sua mente sempre que rogava por paz naquela prisão. A jovem chegou a entrar em greve de fome para que dessem uma Bíblia a ela, mas seu pedido foi rejeitado.

Livre da prisão desde outubro de 2018, Fatemeh conta que é fortemente vigiada e muitas vezes se sente pressionada a deixar o país, coisa que não passa pela sua cabeça. Contando a história de Fatemeh, uma mulher iraniana que foi presa apenas por ser cristã, esse foi mais uma Missão Notícia.

Produção e apresentação: Daniel Beltrão
Coordenação: Kaká Rodrigues
Supervisão: André Castilho
Realização:Rádio Trans Mundial