Grosseria

share on:

10/08/2017 – FIQUE POR DENTRO

As pessoas vivenciam a grosseria e a incivilidade o tempo todo. A partir de insultos simples ou observações improvisadas, esses comportamentos são amplamente tolerados na vida diária e no local de trabalho.

Um número crescente de pesquisas, segundo artigo publicado no World Economic Forum, mostram evidências de que experimentar ou simplesmente testemunhar uma grosseria pode ter efeitos prejudiciais sobre o desempenho, criatividade e na prestatividade, de forma surpreendente.

Comportamentos como agressão, abuso e violência não são tolerados no trabalho, mas, ás vezes, a grosseira é, apesar de que não deveria ser. Até 98% dos trabalhadores relataram que já experimentaram uma experiência grosseira e 50% dizem que enfrentam esse problema semanalmente.


Entrevista com o estrategista empresarial, Ivan Maia. Ele fala sobre grosseria no ambiente de trabalho. Confira:

 

Cientistas acreditam ter encontrado primeira lua fora do Sistema Solar

Uma equipe de astrônomos pode ter descoberto a primeira lua fora do Sistema Solar.

Se a descoberta for confirmada, a “exolua” teria o tamanho e a massa de Netuno e poderia orbitar um planeta grande como Júpiter, mas com 10 vezes sua massa.

Os sinais da possível lua foram registrados pelo telescópio espacial Kleper. Agora os astrônomos planejam usar o Hubble, em outubro para realizar mais observações e confirmar a hipótese.

Um artigo sobre a possível descoberta, que faz parte do projeto Caça a Exoluas, foi publicado no site de publicações científicas Arxiv. Até hoje, os astrônomos já descobriram mais de 3 mil exoplanetas que orbitam estrelas diferentes do Sol.


Celebração da Vida

Muitas pessoas ainda confundem o cristianismo com uma religião. Pensam que a definição de “cristão” seja a impossibilidade de fazer determinadas coisas, obrigação em cumprir certos rituais e viver de forma repressiva. Não foram poucas as ocasiões em que minha família e eu fomos rotulados de “fanáticos”. Nossos críticos tinham razão. Sou fanático pela vida!

O estilo de vida que Jesus de Nazaré nos ensinou nada tem a ver com repressão e incontáveis regras; filosofias complexas e religião impraticável. De fato, o que ele ensinou foi completamente diferente de tudo isso, e pelos evangelhos sabemos que Jesus se opôs aos religiosos que pregavam tal modo de vida cercado de regras, cuja religiosidade vinha antes do amor ao próximo.

Os ensinos de Jesus falam de uma qualidade de vida especial. Ele a chamou de vida abundante. Quer dizer, é uma experiência existencial que supera em muito a vida em sua forma comum, conforme vivida por religiosos, ou pelos críticos da fé.

Vida abundante é uma vida que tem Deus em seu centro. Nem a religiosidade, nem a independência do Criador, mas uma vida que de fato entendeu quem é Deus e o que ele pretende para sua criação. Vive em abundância a pessoa que teve um encontro com Jesus e que, por essa razão, seus antigos valores foram relativizados.

Quer dizer, quem vive abundantemente não precisa mais possuir um monte de coisas para ser feliz; encontrou a felicidade ao fazer o bem ao próximo sem esperar receber nada em troca. A vida abundante é a marca do cristão, que com um sorriso no rosto e uma canção de alegria em seus lábios, celebra a vida a todo momento, independente das circunstâncias. Como Paulo e Silas, que no meio da noite, presos injustamente por pregarem o evangelho, cantavam louvores a Deus e se alegravam no meio da adversidade.

Cristianismo é celebração da vida! Essa afirmação está ancorada no fato de que o centro da fé cristã não é a cruz na qual Jesus foi morto, mas sim na declaração de que ele ressuscitou, de que esteve morto e reviveu. Essa é a razão pela qual celebramos a vida, sabendo que nem mesmo a morte pode nublar o nosso horizonte.

Por:Israel Mazzacorati