share on:

Img_IconeBaixar_680px

 

15 de novembro de 2017

Leitura Bíblica: Romanos 13.1-10

…todos [mandamentos] se resumem neste preceito: “Ame o seu próximo como a si mesmo” (Rm 13.9).

Hoje celebramos no Brasil a instalação do regime de governo republicano. Há alguns anos ocorreu um plebiscito que, em última análise, perguntava se isto foi bom ou ruim (a maioria achou bom). Embora o consenso geral seja favorável à democracia, cabe a pergunta: afinal, qual o melhor sistema de governo?
O mundo conheceu desde líderes tribais e juízes a monarcas absolutistas, a democracia grega, monarquias parlamentaristas, regências, ditaduras, comunismo, presidencialismo, parlamentarismo, presidencialismo de coalizão, teocracia, e há até quem defenda anarquia (isto é, nenhum governo)… devo ter esquecido algum.

Cada uma dessas modalidades poderia advogar vantagens, e teriam razão; no papel todos funcionam maravilhosamente bem, porém na prática… Isto me lembra a história de um motorista de ônibus muito estressado. Alguém lhe perguntou: “Mas você não gosta de ser motorista de ônibus?” Ele respondeu: “Gosto muito, o que não suporto são os passageiros!” Este é o problema de todo e qualquer governo humano: o “bicho gente”. Porque somos todos (governantes e governados) seres caídos, pecadores egoístas que atavicamente buscam os próprios interesses.

Como deve então o cristão agir? Veja a leitura de hoje: respeite as autoridades e pague corretamente seus impostos. Em outros textos: ore pelo país e seus governantes. Mas o texto vai além (veja o verso em destaque). Imagine um lugar onde todos, de alto a baixo, obedecessem fielmente ao mandamento de amar ao próximo como a si mesmo. Como seria essa sociedade? Impossível? Neste mundo caído, sim. Mesmo assim somos chamados a começar desde já a viver esse jeito do Reino de Deus, que um dia será implantado definitivamente e então todos poderão viver assim. Se o cristão fizer isso, o mundo haverá de observar como ele se porta e então muitos serão convencidos a seguir seu exemplo. – MHJ

Senhor, ensina-nos a ser, aqui e agora, verdadeiros cidadãos do seu Reino.