share on:

Você notou que alguns dos nossos problemas parecem alcançar uma dimensão imensurável em apenas alguns segundos? Tudo o que precisamos fazer para que eles se tornem gigantes é passar um tempinho imaginando como aquela situação pode piorar.  O lado bom da história é que essa atitude pode nos preparar para lidar com possíveis complicações. Mas, será que você já se viu escrava dessa situação?  Você pensa no problema, desenvolve planos B e C, mas continua a imaginar o que poderia dar errado e quando se dá conta, você está obcecada com a questão e completamente apavorada! O que era apenas um pequeno problema, se torna um vício de pensamento e uma angústia constante. Sofremos com o que pode acontecer e fixamos os olhos em tudo o que há de negativo, como consequência, ficamos sem reação e paralisadas, sem saber como colocar em prática, os tais planos B e C previamente estabelecidos.

Acredito que esse sentimento descreva o que muitas de nós enfrentamos com frequência. Embora os problemas e perigos sejam reais, eles não deveriam nos aprisionar. Lembro de Davi, que viveu uma situação similar. O problema não era pequeno. O povo judeu estava sendo desafiado para a guerra. O guerreiro principal era gigante, robusto e revestido para batalha!  O povo tremia diante dele, e, com razão! Entretanto, a reação de Davi diante dessa situação é no mínimo inspiradora. Ele não olhou para circunstâncias e nem tampouco para aquilo que poderia dar errado, mas ele voltou os olhos para Deus! Saul soube que Davi fazia perguntas acerca do desafio lançado pelo gigante e decidiu chamar o jovem à sua presença. Quando conversaram Davi disse: “Ninguém deve ficar com o coração abatido por causa desse filisteu; teu servo irá e lutará com ele” , ao que Saul respondeu: “Você não tem condições de lutar contra este filisteu; você é apenas um rapaz, e ele é um guerreiro desde a mocidade”. Davi, então, contou que matou um leão e um urso e afirmou: “Teu servo é capaz de matar tanto um leão quanto um urso; esse filisteu incircunciso será como um deles, pois desafiou os exércitos do Deus vivo. O Senhor que me livrou das garras do leão e das garras do urso me livrará das mãos desse filisteu” (1 Samuel 17.36-37) Ao ouvir essas palavras Saul concordou que Davi lutasse.

O jovem pastor de ovelhas não atentou para a força de Golias, não se preocupou por não estar revestido com a armadura necessária e nem tampouco temia por sua vida. Ele tinha plena consciência do que estava acontecendo, acima de tudo, ele sabia que a última palavra para nossas vidas é aquela que saí da boca de Deus. É Ele quem determina os nossos passos e nossos dias. É Ele quem luta por nós. Tendo isso em mente Davi disse ao filisteu: “Você vem contra mim com espada, com lança e com dardo, mas eu vou contra você em nome do Senhor dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel, a quem você desafiou. Hoje mesmo o Senhor o entregará nas minhas mãos, e eu o matarei e cortarei a sua cabeça. Hoje mesmo darei os cadáveres do exército filisteu às aves do céu e aos animais selvagens, e toda a terra saberá que há Deus em Israel. Todos que estão aqui saberão que não é por espada ou por lança que o Senhor concede vitória; pois a batalha é do Senhor, e ele entregará todos vocês em nossas mãos”. (1 Samuel 17.45-47)

Nós sabemos o final da história: o simples pastor de ovelhas venceu o gigante e imponente Golias… Não por ser o melhor e nem o maior, mas sim por sua confiança no Senhor dos exércitos, aquele que luta por nós!

No amor do Senhor,

Susie Pek – Coordenadora do Mulheres de Esperança RTM Brasil & América Latina